Pular para o conteúdo principal

Uma foto, mil lembranças: "Para sempre em meu coração", por Beth Q.



primeiro texto inscrito no concurso (Uma foto, mil lembranças) foi da Grace Olsson e se você ainda não leu, vai porque vale muito a pena!

Ontem eu recebi o segundo texto, enviado pela nossa Jovem Beth Q. (ou Beth Lilás, do Mãe Gaia), mas só agora pouco pude abri-lo. Com os olhos marejados ao final da leitura acabei decidindo publicá-lo também aqui e publicar todos os textos que serão enviados. De quem tem e de quem não tem blog.

Isso não impede que vocês publiquem seus textos em seus blogs. Além de ajudar a que mais pessoas leiam seu texto e depois possam votar, também pode incentivar outros a participar do concurso!

O texto a seguir é  de uma sensibilidade e simplicidade comovente, de dar aquele nó na garganta e pensar em coisas que já sabemos todos os dias, mas ainda não somos capazes de parar o trem para aproveitá-las...  Ele é ao meu ver a cara da Lilás!

Se deliciem! E se inspirem para mandar uma foto com um texto que pode ser exatamente da cor, no tom, da forma e estilo que você dejejar!


Para sempre em meu coração.

"Em meu arquivo de fotos possuo centenas, talvez já chegue ao milhar, nunca as contei, mas tenho muitas que fiz desde que essas pequenas maravilhas digitais foram inventadas. Algumas em lugares lindos e de sonhos, lugares que poderia falar muito já que têm histórias e tanta coisa para se descrever ou relembrar. Tenho também fotos minhas com meu filho e marido que sempre revisito para sentir de novo o prazer daqueles dias e momentos em que vivemos e fomos felizes juntos. Mas, escolhi esta foto acima com minha mãe como figura central, numa cena insólita e que ao mesmo tempo captou todo o espírito simples, infantil e nobre de sua personalidade.


Sim, ela é uma grande alma! Uma pessoa com brilho próprio e com um interior tão bonito e humilde que contagia a todos e conquista amigos.


Na manhã em que juntas passeávamos no parque aqui da cidade, vimos crianças pequenas em carrinhos com suas mães, pessoas idosas conversando sentadas nos vários bancos espalhados por ali e dezenas de barraquinhas com artesanatos feitos por pessoas criativas, muitas idosas e com aptidões e vontade de trabalhar e ganhar um dinheirinho. Neste clima alegre e colorido que nos envolvia e fazia do nosso passeio algo relaxante e feliz, foi que de repente, à nossa frente surgiu esta estátua humana, iluminada debaixo de um sol de primavera.


Eu sabia o que era aquilo, já tinha muitas por aqui e até no exterior, e que a pessoa por debaixo daquela fantasia, mexia-se a cada vez que alguém depositava uma moeda em sua caixa que ficava sob os seus pés. Mas, minha mãe, que pouco sai às ruas e desconhece tais ideias e formas de se ganhar um troco hoje em dia, ficou observando curiosa aquela estátua.


Como eu gosto de vê-la sorrir e sei que tem um espírito leve e infantil, propus-lhe que colocasse uma moedinha na caixa do artista. Ela se aproximou e colocou a moeda, mas ficou atônita quanto percebeu que a estátua mexeu um dos membros e mudou de posição.


Foi então que ela descobriu a brincadeira e ficou encantada, parada, observando, rindo e esperando outra pessoa ou criança deixar a moedinha para que o homem estátua se mexesse de novo.


Fez-me ficar ali por alguns minutos olhando o comportamento das pessoas e do artista, divirtia-se notoriamente com aquilo e eu com ela e sua ingenuidade.


Não satisfeita, pediu-me para fazer uma foto dela ao lado do ‘artista’ que tanto a encantara.
E aí está ela, olhando de frente para a camera, sem vaidade, descontraída e com olhar tranquilo de quem entende o inestimável valor do tempo e aproveita momentos como estes para apreciar com delícia a serenidade do instante.


Isto foi há dois anos e ela tinha mais vontade de passear, de ver o mundo e encantar-se com as coisas, mas refiz este passeio noutro dia, num domingo pela manhã, porém ela já não se interessou tanto pelas coisas que viu e nem queria comprar nada, apenas caminhar um pouco e dar-me o braço para apoio na total confiança de que eu estava ali ao seu lado naquele momento.


Em seu já longo percurso de vida plantou amor, três filhos e amizades verdadeiras que não a abandonam, sempre estão à sua procura ou visitando-a em casa, mas a vida aos poucos vem lhe roubando as memórias mais recentes, como um ladrão invisível que entra em sua mente e deixa-nos, a nós que a adoramos, impotentes e entristecidos.


Mas ela continua seu caminhar, com a suavidade no olhar e jeito sereno que herdou das Minas Gerais, pró ativa, solidária e cativante. E diante disso, penso que é difícil entender a lógica e ambiguidade da vida e dos acontecimentos, por isso quero apenas viver e deixar viver, estar perto dela o quanto puder e beber de sua companhia e de seu toque leve, quase imperceptível, quando se apoia em meu braço para algum passeio nos domingos pela manhã.


A cada dia que passa, mesmo com ela se distanciando no abismo que a memória abriu dentro de si, mesmo assim, aprendo muito com ela, reconheço que sua presença ainda é um bálsamo para nossos corações e o mais interessante é que quando paro para pensar na vida e no que sou e como estou hoje, percebo o quanto dela está em mim e como repito seus gestos ou atitudes. Isso de alguma forma me consola e me faz feliz em saber que ela vai se perpetuar dentro de mim para sempre, até o fim dos meus dias.


Vida longa, mãezinha!"


Beth Q.


Comentários

Lúcia Soares disse…
Sempre é emocionante ler o que a Beth escreve sobre sua mãe e as lembranças que tem do pai. Que bom ela poder falar tanta coisa boa, orgulhar-se dos traços que a ligam à mãe, da herança honrada que tem do pai.
Em muitas coisas não gosto de parecer com minha mãe (nos defeitos, por ex.) mas na maioria sinto-me também orgulhosa de ser um pedacinho de quem me deu a vida e tanto me amou.
Um beijo para a linda mãezinha da Beth. (Esqueci-me o nome dela...Será D.Léia? Corrija-me, Beth, se não for!)
Beijo!
chica disse…
Lindo e emocionante.Estou vivendo essa situação com minha mãe... Sei bem! beijos,chica
Que lindo Betita! Emocionante mesmo! Sua mãe é uma graça de pessoa e essa simplicidade que vc captou tão bem e nos contou com tanto amor, transpira afeto em forma de poesia. Seu texto está lindo, lindo mesmo! beijos às duas!
Beth/Lilás disse…
Obrigada minhas queridas amigas!
Eu quis apenas participar como uma boa aluninha de redação, como era nos meus tempos de ginásio em que a professora dava um tema e a gente tinha que desenvolver.
Taí então a minha redação que virou um tributo para minha mãezinha.
E, Lúcia, o nome dela é Rita.
beijos cariocas
Somnia Carvalho disse…
Super Lilas,

voce sabe que e mais que uma boa aluninha de escola ne amiga? voce tem sensibilidade ne Lilas! essa sua mae, essa foto, ta tudo lindo minha amiga!

e obrigadissima por ter de novo escrito pra borboleta!
Maariah disse…
É, tal como a Sómnia disse, um texto de um sensibilidade e simplicidade comovente. Muito bonito, emocionante. São estes pequenos momentos que sem dúvida me fazem olhar a vida e dizer que sou feliz. Se pensarmos bem, temos uma boa quantidade de momentos destes, que todos somados se traduzem numa vida feliz.

Só agora estou a ler os textos que estão a participar no concurso. Não quis ler antes para não me deixar influenciar, antes de escrever o meu próprio texto. Li os primeiros textos que foram aqui publicados, da "outra série" e também gostei bastante do texto que acompanha a foto da Jovem Beth Q.
Celina Dutra disse…
Beth, carioca, querida,

Lindo! A coisa mais triste que vivi na vida foi ver meu pai e minha mãe entrarem em seus sonhos exclusivos enquanto ainda estavam fisicamente saudáveis, exceto a cabeça que bateu assas.
Sua mãe fisicamente me lembrou muito a minha!
Girassóis nos dias e nos dias de sua mãe.
Beijos
Márcia Cobar disse…
A Beth sempre me emociona com seus textos sensíveis. Sinto muito que sua Mãezinha esteja se distanciando na mente... Mas o coração vai estar sempre cheio de amor.
Abs
Márcia
Beteh, que amor lindo e incondicional...
Que lindo ver uma filha com tanta admiração assim pela mãe...

Sei o coração transbordante de amor e carinho que voce tem e agora entendo o porquê...uma mãe assim só pode ter mergulhado os filhos em muito amor, carinho e dedicação e hoje, é somente o retorno de tudo isso que ela fez pelos filhos amados...o que voce é hoje voce deve, realmente, à sua mãezinha querida.

Obrigada por compartilhar conosco um momento tão lindo e vivido e entendido com tanta sabedoria.

Beijos com muito carinho
Liz
Macá disse…
Beth
Que momento precioso - na foto e na sua memória - e que você nos passou com essa sua forma poética de escrever.
Adorei conhecer a D.Rita que você tanto admira.
beijo grande
Elaine disse…
Lindo de matar! parabéns, Beth. Sem palavras.

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel