Pular para o conteúdo principal

"Uma foto, mil lembranças", Há mais amor entre o céu e a terra do que julga nossa vã filosofia, primeiro texto para concurso é de Grace Olsson

Eu não sei ainda  como vai funcionar a publicação dos textos de quem participar do concurso e tem blog, mas como este da Grace (fotógrafa profissional que vive na Suécia) é o primeiro e porque ele é de uma profundidade de fazer balançar qualquer existência, eu quis colocá-lo para motivar vocês a tirarem suas histórias e fotos da gaveta...

Obrigada Grace!


____________


Não é o sofrimento das crianças que se torna revoltante em si mesmo,
 mas sim que nada justifica tal sofrimento

(Albert Camus)

"O nosso primeiro encontro se deu em 2006. Entre centenas de crianças…você me chamou a atençao. O sorriso desdentado, as mãos em feridas, os cabelos desgrenhados. Nenhum deles correu para mim… Mas você correu. E me agarrou como se eu fosse a sua tábua de salvaçao. E, naquele exato momento, eu pensei que seria, sim.

Desde aquele dia, nao tive outra intençao a nao ser retirá-lo da guerra, das doenças. A ganância do homem fez de você uma vítima. Os dias que passamos juntos foram inesquecíveis. Momentos de rara beleza. Tê-lo ouvido falar meu nome, tocado meu rosto, lambido meu nariz fez de mim uma pessoa melhor. Seu jeito doce e sua história sofrida me tocaram profundamente.

Mas o que nos uniu näo foi o desejo imenso de te dar uma vida melhor. Foi o amor…o sentimento que nos leva a nao querer que a pessoa amada jamais sofra.Eu creio que tê-lo encontrado me deu forças para viver uma vida que na época, era muito desinteressante. E perdê-lo me levou a um caos desconhecido. Por meses sem fim, eu vivi no limbo. E um ano depois, eu decidi retornar ao Continente Africano. Eu precisava recolher os destroços de mim mesma.E descobrí que um pedaço de mim tinha-se partido. Ter revisitado o lugar em que você viveu a curta estada de vida na terra me fez crer que nada é por acaso.
Seu pais continua em guerra e, diariamente, dezenas de criancas iguais a você, perdem a vida. E nao creio que se você tivesse voltado para Goma, em vez de Kinshasa, teria sobrevivido. A guerra é insana. Triste e angustiante. E eu nada pude fazer por você. Ou eu poderia ter brigado. Mas, nao fiz. E, até hoje, me arrependo de nao tê-lo raptado.

Eu quero que você saiba que, se nao fui te buscar é por que eu fui impedida de viajar por meses sem fim. Os planos que eu tinha de vê-lo e tentar junto à ONU para impedir o seu retorno ao país natal foram anulados. Sabe?Nunca devemos acreditar em promessas. Estava tudo certo de que você nao seria mandado de volta para casa.Mas algo estava errado na última vez em que nos encontramos e eu tive que pagar uma quantia alta para ter acesso a você. Sempre fui contra pagar propina. Mas para ter você de volta, eu pagaria o que fosse necessário. Por você…eu passei por cima de meus valores. Levei meses tentando conversar aquele que seria seu pai a te aceitar como filho. No início, ele alegava que estava velho demais para conviver com criancas pequenas e sugeriu que protegêssemos uma somaliana, Fatuma. Mas eu nao queria. E quando uma vez doente, ele me viu depressiva e percebeu que você era uma das razöes…nao pensou duas vezes…E deu o aval.
Pena que foi tarde demais. Um mês depois, um aviao cargueiro levou meus sonhos. E junto a oportunidade que eu teria de finalizar o processo e dar a você uma vida diferente de tudo o quanto você tinha vivido.

Com você, eu aprendi a ser crianca. Hoje, eu vivo a contradicao de conviver em um corpo de adulto com uma alma totalmente infantil. Brigo para mudar isso. Você me ensinou a abolir todo materialismo gritante. Hoje, eu sobrevivo com pouco. E se busco MAIs é por que sei que posso fazer muita gente feliz. O mundo anda caótico. As pessoas continuam egoístas. E a natureza cada dia mais devastada. Nunca vi, R., tanta criança perder a vida de forma cruel e covarde como agora. Nunca vi tanta criança vivendo pelas ruas, mendigando e clamando por um lar. Elas nao precisam de muita coisa, nao. Precisam de um pai e uma mäe que facam tudo pela felicidade delas.Por que ter um filho é mais do que expulsá-lo das entranhas. Filho é cuidar sem espera de retorno algum. É a doaçao mais sublime da face da terra.Tem gente que acha nao ser capaz de se doar a uma criança. O que falta nessas pessoas é perder o medo da entrega e, em muitas a capacidade de deixar o egoísmo de lado, abrir o coração, e se entregar. Sem medo de perder a individualidade.

Ontem à noite, enquanto eu fazia a mala para ir a Macedônia e conviver com criancas, cujos pais foram largados à própria sorte, depois da Guerra nos Balkans, eu me perguntei para onde a vida vai me levar. O que a vida quer de mim… E, desviando meus pensamentos em direcao ao céu, eu vi que estrelas esparsas estavam sobre mim. De repente, do nada, uma estrela piscava sem parar. Por alguns segundos, eu tive a sensação de que ela estava olhando para mim. Tenho certeza que era você. VALEU!TER ENCONTRADO VOCÊ FEZ DE MIM UMA PESSOA MELHOR. E, hoje, sinto está preparada para largar tudo que construí para trás. Tudo em nome da missao que creio ser a minha, desde o dia em que te encontrei…Mas, por favor, de onde vocë estiver, me ajude a suportar tanta frieza vinda de pessoas que deveriam ser mais solidárias. Eu preciso ser mais infantil. E fingir que nao percebo nada…para o bem daqueles que precisam de mim…”

Muita gente me fala que A GENTE SÓ DEVE SE DOAR A QUEM NOS PEDE AJUDA. E EU DISCORDO. ACHO QUE O VERBO DOAR É ALGO VISCERAL, VAI ALÉM DE NÓS. QUEM QUER AJUDAR OUTRO, NAO PRECISA RECEBER SINAL ALGUM. EXCETO, SINAIS DIVINOS."

....

O texto da Grace Olsson, publicado ontem em seu blog e está participando do concurso "Uma foto, mil lembranças".

Comentários

Anônimo disse…
Chorei tanto daqui. Lindo, puxa :)
Lúcia Soares disse…
Impossível não se emocionar ao ler o texto.
Conheço a Grace de comentários em muitos blogs, sei de sua luta pelos desvalidos. Tentei comprar o livro dela várias vezes, mas não consegui.
Esse texto devia ser hors concours.
Imagino a dor dela, em perder uma criaturinha linda e com a expressão tão doce quanto a desse anjinho.
Que ele esteja feliz, onde estiver.
Beijo para a Grace.
Luciana disse…
Emocionante, belo.
Parabéns Grace, por tudo.
Beth/Lilás disse…
O trabalho da Grace é lindo e de coração, admiro-a muito e já até comprei o livro dela para poder dar um pouquinho da minha participação.
E sem contar que ela faz fotos maravilhosas.
bjs cariocas
BLOGZOOM disse…
Estou totalmente emocionada! Eu tenho amor por meus semelhantes. Eu concordo com a frase: ACHO QUE O VERBO DOAR É ALGO VISCERAL, VAI ALÉM DE NÓS. QUEM QUER AJUDAR OUTRO, NAO PRECISA RECEBER SINAL ALGUM. EXCETO, SINAIS DIVINOS - alias, pratico e compartilho deste sentimento.

Beijos e obrigada por trazer um conteudo tao bonito.
Wilqui Dias disse…
Super exemplo...deu muiiita ispiracao pra escrever para o concurso Somnia, confesso estou meio perdida...(nao nas regras, mas no que falar, como falar enfim perdida em mim mesma) mas sim, vou participar....adorei o primeiro texto, linda historia, triste tb, impossivel nao chorar e admirar. bjs
Roselia Bezerra disse…
Olá, querida
Toda doação é divina por excelência!!!
Tenha paz e alegria!!!
Bjs fraternos e ótimo fim de semana.
Essa estória de vida da Grace é linda demais. Doação verdadeira, sem palavras, mas sim com ação. Essa pra mim é a verdadeira religião. Beijos às duas,
Maariah disse…
Um modo muito bonito de iniciar o concurso, texto bastante emotivo que me levou a questionar sobre a minha própria vida e o que poderei eu fazer, por pouco que seja, para ajudar a minorar um pouco o sofrimento de alguém.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que