Pular para o conteúdo principal

"There must be something more", Deve haver algo mais...

There must be something more ,
Somnia Carvalho, 2010
Mixed midia work, 70 x 90
(música inspiradora: “42”, Coldplay)

Ontem enterramos meu avô materno e o mais triste, claro, foi ver a situação de minha avózinha Maria.
Com 82 anos, dos quais mais de sessenta foram vividos juntos de seu companheiro João, ela estava totalmente desolada.

Ela gemia como quem geme de muita dor. E como não é raro nesses casos pedia para também poder ir junto dele. "Nós combinamos de ir juntos!", dizia ela.

Nesses momentos eu penso sempre em tanta coisa, mais do que normalmente já matuto.

Foi bonito ver a família junta. Eu poderia pensar que nunca nem nos vemos e parece hipocrisia estar todos na hora da morte de um membro para chorar juntos, mas não foi o que senti.

Senti, ao contrário, a importância de se manter os laços e de se tentar estar em família nem que sejam raríssimas as vezes. A importância da solidariedade, do consolo e do abraço nas vicissitudes da vida.

(Se você olhar rápido talvez pense que só há algo negro na tela, mas se olhar com calma vai começar a achar que "deve haver algo mais")
 There must be something more, detalhe, Somnia, Carvalho, 

Foi muito gostoso, apesar da circunstância, rever alguns das muitas dezenas de primos e primas, tios e tias, gente distante quem faz parte da minha infância e ajudaram a ser quem sou, ainda que seja no sentido de eu negar o que eram e gostavam para escolher outros caminhos.

Em 94 anos difíceis e simples, mas bem vividos, meu vô João, cuja vida foi anônima para quase toda a humanidade ontem reuniu dezenas de pessoas em torno dele. Contou-se casos, reviveu-se conversas, seu jeito durão ou não de ser. A memória parece uma forma boa de mantê-lo vivo. E mesmo no anonimato sua vida ajudou a construir tantas outras.

Fiquei olhando para minhas crianças correndo no gramado em volta do local onde estávamos... Em parte, graças ao meu avô, sua decisão de sair da roça em Minas, por exemplo, junto a tantos mais outros milhares de eventos conectados eu podia ver exatamente Ângelo e Marina como eram.

Não é louco? Pensar que nossa existência é tão única? Tão incrivelmente mágica? E tão absurdamente fugaz?

Ao sair de lá senti novamente a mesma sensação de tempos atrás, pensando na falta que meu querido pai também me fazia... Sim! Com certeza "deve haver algo mais", como diz a música do Colplay, inspiradora de uma das minhas mais negras telas. E esse algo a mais a gente já sente pelo fato das pessoas que estão mortas viverem dentro de nós e de nossas mentes... Alguns dias de forma mais nebulosa e escura e em outros mais iluminada e esperançosa.

É... talvez por essas razões e também porque como só o que sabemos da vida é que a morte faz parte dela Coldplay tenha dado ao seu álbum, cujo tema é a morte, o nome de Viva la vida.



...

42

"Those who are dead are not dead,
They're just living in my head.
And since I fell for that spell,
I am living there as well.

Time is so short
And I'm sure,
There must be something more.

Those who are dead are not dead,
They're just living in my head.
And since I fell for that spell,
I am living there as well.

Time is so short,
And I'm sure,
There must be something more.

You thought you might be a ghost,
You thought you might be a ghost,
You didn't get to heaven but you made it close,
You didn't get to heaven but you made it close,

You thought you might be a ghost,
You thought you might be a ghost,
You didn't get to heaven but you made it close,
You didn't get to heaven but you oh-oh oh-oh.

Those who are dead are not dead,
They're just living in my head."


42
Aqueles que estão mortos não estão mortos,
Eles só estão vivendo em minha mente.
E desde quando eu caí naquele feitiço,
Estou vivendo lá também.

Tempo é tão curto
E eu tenho certeza,
De que há algo mais

Aqueles que estão mortos não estão mortos,
Eles só estão vivendo em minha mente.
E desde quando eu caí naquele feitiço,
Estou vivendo lá também.

Tempo é tão curto,
E eu tenho certeza,
De que há algo mais.

Você pensou que poderia ser um fantasma,
Você pensou que poderia ser um fantasma,
Você não chegou ao céu, mas você chegou perto,
Você não chegou ao céu, mas você chegou perto,

Você pensou que poderia ser um fantasma,
Você pensou que poderia ser um fantasma,
Você não chegou ao céu, mas você chegou perto,
Você não chegou ao céu, mas você oh-oh oh-oh.

Aqueles que estão mortos não estão mortos,
Eles só estão vivendo em minha mente.

Comentários

Beth/Lilás disse…
Minha querida Sonia!
Eu também sou fã ardorosa desta banda e veja como eles são bem mais do que simples roqueiros, falam muito em suas letras e belas melodias.
Nossos amados parentes se vão, mas ficarão para sempre, como ferro marcado quente em nossa memória, em nossos genes.
Tadinha da vó, deve ter sido uma dor imensa se despedir do marido amado!
As coisas que me desmoronam são doença e morte. Às vezes o pensamento de me despedir de um ente amado me atormenta e aí eu corro a pensar outra coisa para pôr neste lugar.
um grande abraço, carioca
Danissima disse…
Beth,
que bonito este teu comentario sobre ficar marcado com ferro quente...
Danissima disse…
Somnia querida,
deve haver algo mais que transcende o nascer e o morrer. Que liga nossos laços antes do berço e apos a morte.
Mas a opiniao da filosofa, que pensou em ser freira, é muito interessante!
Gostei muito da maneira como vc descreveu o velorio, como encontro familiar e tendo as historias do avô como protagonista... Que morte bonita, assim!
Que bom que ele saiu de Minas e criou o entorno no qual vc nasceu.
abraço apertado
Lúcia Soares disse…
Por isso viver é tão perigoso! Porque estamos sujeitos a sair por aí, nos despedindo dos entes amados.
Tempo de reflexão. Interessante que meu olhar para os velórios era só de lugar onde encontrar parentes que há muito não se viam. Mas não é, absolutamente apenas isso.
É nos unirmos na mesma dor, é estarmos ali, solidários uns com os outros.
Meus sentimentos. E que sua avozinha aprenda a viver sem o amado, para que a curtam ainda mais.
Beijo nela e na sua mãe.
Beijo!
Sergio disse…
Eu sinto muito pelo seu avô! Agora, morando tão longe da familia este assunto me assusta um pouco. Imaginar que algo possa acontecer e eu talvez nao tenha tempo de me despedir, de reencontrar os familiares que não vejo ha muito tempo e nao conseguir compartilhar minha dor com ninguem...
Me lembrei com seu texto de quando minha avó morreu e meu avô, tão duro e severo, sentou-se no tumulo dela e chorou como criança. A partir daquele dia nossa relação mudou totalmente porque pela primeira vez eu vi nele um ser humano sensivel demonstrando o amor que tinha por aquela mulher. Ficamos muito mais proximos e acho que fui a única neta que conseguiu enxergar nele um avô bonzinho, rs.
Sua avó deve estar sentindo a mesma dor agora!!!
bjs
Luciana disse…
Somnia, sinto muito pela sua perda. Uma pena grande pra sua avó que perdeu o companheiro de uma vida. Difícil.

Beijo

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que