Pular para o conteúdo principal

Complexos familiares e familiares muito complexos

(Kym and Rachel, entre o amor fraterno e seus desdobramentos, "Rachel getting married")

Todos nós teríamos histórias incríveis para escrever vários livros se tomássemos a gama complexa de sentimentos que nos envolvem e nos enlançam aos membros de nossa família: o amor, o ódio, as brigas, as culpas, diferenças de pensamento, as pressões, os valores.

Com Kym (Anne Hathawa) e Rachel (Rosemarie DeWitt), ambas protagonistas do drama "Rachel getting married"(O casamento de Raquel), filme de 2008, mas que eu só tive o prazer de ver (e não tirar da cabeça) esta semana pela tevê a cabo, não é diferente.

Kym e Rachel são irmãs e se reencontram num momento no qual suas vidas estão em caminhos, se não opostos, extremamente diferentes. O casamento de Rachel com um doce e admirável músico é a razão de fazer com que Kym seja liberada da clínica de rehabilitação onde está internada. Sendoa ssim, os altos e baixos desse reencontro se darão durante toda a festa de casamento a qual, diferentemente das nossas tradições brasileiras, são festejadas durante vários dias.

Após três ou quatro dias na mesma casa convivendo a família do noivo, a família da noiva e os amigos mais próximos eu penso inicialmente que haverá motivos suficientes para que um dos parceiros desista do investimento, mas não é o que acontece.

Neste inspirador filme os medos das duas irmãs são confrontados. Ao contrário do que o lindo reencontro das duas deixa entrever sobre a relação mantida por elas, quando a película avança vemos como o amor foi na verdade sendo carcomido por sentimentos inúmeros construídos ao longo de suas vidas. Ainda há amor. Ele é o motivador do encontro, mas como não cair em suas armadilhas familiares novamente?

Os ciúmes e a disputa pela atenção da família levam as duas a remexer em baús de memória adormecidos. Kym ainda se comporta como a menina mais nova, a irresponsável, a maluca e destemida porque parece precisar provar para si mesma que suas escolhas não estão aquém das feitas por sua irmã. Rachel, por mais que ame a irmã, tem raiva e mágoa por ter sido sempre deixada "de lado" pelo pai e pela mãe. Por sempre ter sido a filha certinha e ter estado ao lado deles sente que o amor foi dedicado apenas a sua irmã. Em suma, elas continuam disputando amor e atenção assim como faziam desde menininhas. Os complexos assumidos ao longo de suas vidas, seja os imputados pelos pais ou por elas mesmas, fizeram com que fossem cada vez mais agindo conforme os papéis dados há muito tempo a cada uma e este agir conforme o esperado parece esgotar as energias de ambas irmãs.

Além disso, o ciúme acaba sendo estopim para mais sofrimento porque, quase sempre, fica escondido na agressividade. A proximidade da festa longa de casamento acaba ajudando a perceber o que Lacan antecipa em Os complexos familiares: não é a rivalidade entre os membros da família o causador maior do ciúme, mas "a agressividade máxima que pode ser encontrada nas formas psicológicas da paixão." Em outras palavras: a paixão que une os membros da família é a maior causadora de ciúme. É o amor que une Kym e Rachel o propulsor do ciúme, mais ainda do que o é a disputa.

As duas mulheres na faixa dos trinta anos ainda lutam para resgatarem-se a si mesmas. Desejam ardentemente serem elas mesmas, mas como serem elas mesmas se todas as vezes que se reencontram são os laços familiares a ditarem como agir e como pensar?

Uma das frases mais fortes do filme é dita por um colega do grupo de rehabilitação de Kym e também o amigo mais próximo do noivo: quando alguém sai de uma rehabilitação a última coisa que quer fazer é enfrentar sua família. Vê-la é um sofrimento. Encará-la e ter que suportar suas manias e sua forma de encaixar a pessoa em seu contexto é um desafio imenso demais para quem ainda não dá conta de seus próprios desejos como é o caso da pessoa viciada.

Até mesmo o cuidado exagerado e o amor do pai é interpretado pela mais nova como um peso. Até mesmo a dor do outro é sentida como desprezo às próprias dores. Creio que "Rachel is getting married" pode ser visto como uma análise muito bem feita sobre os laços familiares, como eles ajudam a construir, ainda que desconstruindo, o sujeito. Pode, ainda, servir como uma crítica aos indivíduos enquanto pai e mãe e como eles fingem assumir, mas não assumem a tarefa de educar e de cuidar porque isso tudo dá trabalho demais e em muitos casos preferem continuar agindo feito crianças.

Com o desenrolar da película nós acabamos por descobrir o verdadeiro drama da família. Percebemos também como ele está intrinsecamente relacionado à irresponsabilidade da mãe (Debra Winger) assim como sua maneira ausente de lidar com os filhos. Daí o divórcio, mais dor, mais ausência, mais falta e carência para as meninas que cresciam em meio a uma família desastrosa. Resta depois disso um pai amoroso (Bill Irwin que está demais nesta figura!) e incorrigivelmente dedicado tentando refazer os laços desfeitos.

Talvez o filme ainda tenha como objeto de crítica a sociedade americana como um todo. Aos seus valores volúveis (construídos na imagem da mãe quem deixa, por exemplo, a filha no dia do seu casamento para arranjar suas malas e a do atual marido para uma viagem de negócios) mas sua mania de tentar parecer serem os portadores das famílias mais lindas e perfeitas do planeta. Vejo isso na comparação entre a branca e americanamente triste família de Rachel em contraste com a família afro-descente, cantarolante e feliz do noivo Sidney (o músico e vocalista Tunde Adebimpe).

É ainda uma crítica ao egocentrismo inato do ser humano, mas também uma luz sobre suas qualidades. Saindo de seus lugares as irmãs conseguiriam perceber que tudo não gira apenas ao seu redor. Há o outro. Há o sofrimento do outro e há a maneira como este outro reage às nossas acusações. O outro não é só o algoz é também nossa vítima.

Apesar do tom dramático das discussões o filme é MUITO BOM! Assim dito em legras garrafais. É ainda agradável de se ver, pois o experiente Jonathan Demme (o mesmo diretor de "O silêncio dos inocentes" e o inesquecível "Fildadélfia"), consegue criar uma atmosfera um tanto mágica seja nos momentos em que o passado não atormenta a relação das irmãs e vemos apenas a pureza que as une, seja na beleza das músicas entoadas ou tocadas o filme todo pelo noivo, seus familiares e seus amigos músicos. A trilha sonora é magnífica e acordei no domingo ouvindo Neil Young só para sentir a atmosfera do filme de novo.

Se tiverem oportunidade de ver (esta semana está na programação da NET) vale muito a pena inclusive porque no final, com as declarações tão genuínas dos noivos e as pessoas próximas a eles, a gente continua acreditando que casar e constituir família tem sim sua magia de ser.

...

* Lacan, Jacques, Os complexos familiares na formação do indivíduo, Jorge Zahar Editor, 1984.

Comentários

Danissima disse…
So, adorei o post.
Da vontade sair correndo pra locadora...
beijos
Beth/Lilás disse…
Soníssima!

Eu vi, eu vi este filme há mais ou menos 1 mês e gostei muito também, mas peguei na locadora.
Realmente é um filme que mexe com as emoções da gente, principalmente quem tem algum parente envolvido com drogas ou bebidas. E a atuação de Anne Hathaway está excelente.
Gostei muitcho e rrrrrrecomendo também.
beijocas cariocas
Vivien Morgato : disse…
sua resenha me deu vontade de ver, outro dia estava passando em uma das hbos - acho - e não parei pra ver. Agora me arrependi...rs
Acho que lidar com os papeis que assumimos - ou nos foram atribuidos - pela familia é duuuuro.
Lúcia Soares disse…
Mais um filme pra minha listinha.
brigaduuu!
beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que