Pular para o conteúdo principal

Com vocês, as ganhadoras do 1o. "Miss Redação"!

 

Meu amigo, e também participante do concurso, Ed, disse outro dia que se ele ganhasse o "Miss Redação" (nome dado por ele ao concurso e que eu adorei!) ele estaria "de longo, chorando, segurando um buquê e agradecendo os amigos que votaram e acreditaram" nele... hihihi...

Pois então, esta é a parte chata de um concurso. Nem o Ed, nem a super Célia quem despontou por dias na votação, nem outros de vocês com votação expressiva puderam ganhar o concurso. Vale lembrar, porém, que não ganhar o concurso não mede a qualidade do seu texto por si só. Ele mede também o quanto a pessoa se envolveu em divulgar o concurso e a votação e creio que foi isso somada à visível qualidade dos três textos ganhadores que fizeram diferença.

Eu serei sincera em afirmar que fiquei muito feliz com o resultado. Eu adorei os três textos vencedores, da Grace, Stela e Dri, mas também admito que havia tanto texto bom que foi muito difícil para my self escolher dois deles, usando os dois laptops que tenho em casa. Creio, entretanto, que o valor máximo do concurso não está na eleição, mas na participação. E não estou falando por falar não! O resgate da memória. A escrita. A leitura. O texto. Esses eram os objetivos centrais do concurso.

Repito como eu me emocionei com os textos de vocês. Só para tomar um exemplo eu havia enlouquecido com o texto do Ricardo (2 votos), da Glorinha (2 votos), da Gislaine (7 votos) e tantos outros, com alguns que inclusive não receberam voto nenhum. Eu mesma precisava escolher entre um e outro e foi tão difícil. Acho que acabei votando no texto que mais havia me feito chorar, na história que eu quis repetir para quem encontrava, pois todas as vezes em que eu tentava lembrar de cada história eu me via pensando naquela, em especial.

Há a possibilidade (descobri meio tarde isso!) de fazer com que a escolha seja múltipla. Então poderíamos votar em vários textos ao mesmo tempo e não ficar num dilema para decidir em qual deles votar. Talvez essa seja uma boa saída para a próxima edição.

Eu sou coração mole e fiquei super triste de não poder mandar tela para todos vocês. Ou ao menos para quem foi bem votado (cest la vie! :).

Foram 430 votos distribuídos entre 13 pessoas, já que três delas (também com textos de tirar fôlego) não receberam votos. Eu sei que muitos não tinham intuito de concorrer, mas de participar sem contar outros problemas. A Loide, por exemplo, estava em plena mudança de Portugal para a Suécia e assim vai...

Os textos que mereceram destaque na votação foram:
1o. lugar: Grace Olsson, Há mais amor entre o céu e a terra do que julga nossa vã filosofia, do blog Grace Olsson, fotografi".
2o. lugar: Stella Bataglia, Alegria, alegria! Esta foto é nossa!
3o. lugar: Adriana Cechetti, Sempre existirá Paris.
4o. lugar: Célia Barbosa, "O primeiro vôo solo da minha pequena"
5o. lugar: Ed Cruz, Onde mora a Felicidade?, do blog "O vermelho nítido no vestido branco".
6o. lugar:  Ana Flávia, Quando Euripa conheceu a Europa (do blog "Europrosa").
7o. lugar:  Beth Q., Para sempre em meu coraçãodos blogs "Mãe Gaia" e "Me and you".

A vocês um abração apertadinho de obrigada!
...

Com vocês... as "misses" quem são mais do que apenas um textinho bonito...


Bem, eu pedi às três vencedoras que me enviassem algumas palavras para dizerem ao seu público como foi participar do concurso. As três se vestiram maravilhosamente, nuns longos brilhantes e cheios de plumas e paetes, colocaram a faixa, tomaram o microfone e disseram assim:








3o. lugar: 
(Fugacidade  n. 19 para Adriana Cechetti)

Pra mim, participar do concurso foi mais importante do que possa parecer. Desde pequena eu adoro escrever. Decidi ser jornalista ainda menina porque sabia que era das palavras que eu gostaria de sobreviver. Assim o fiz, me formei jornalista, passei anos escrevendo textos pra algumas revistas, mas um outro sonho atravessou meu caminho: trabalhar em televisão. Desde então, as letras ficaram um pouco esquecidas. Por isso, achei que não conseguiria mais escrever. E foi graças ao concurso que me reencontrei com o universo que tanto me fascina.

Obrigada a todos que votaram! E parabéns a todos que aqui se dedicaram a dividir histórias profundas e emocionantes: uma foto, mil lembranças e muitas sensações!

Adriana Cechetti, "Sempre existirá Paris".


2o. lugar:
 (Fugacidade n. 20 para Stela Battaglia)

Alegria foi o sentimento de participar do concurso do blog de Sônia, a borboleta pequenina que um dia pousou em minha sala de visitas - uma "filha mais velha", adotada e querida, companheira de estudos e conversas onde está hoje o famoso pianista pintado por ela, inspirada em Rachmaninoff.
Arriscar a colocar um texto na internet foi bom. Foi bom o gosto de expressar em palavras o tanto que a vida trouxe em acontecimentos. Foi aconchegante receber votos ( cada um, para mim, representava uma espécie de "torcida" para a história vivida pelos protagonistas do texto). A expectativa, as atitudes de amigos cercaram este tempo de emoções; e a participação plena de empenho do velho garotão loiro, ainda cheio de charme, trouxe mais vida ao texto criado. Por isto, alegria, alegria, esta tela é NOSSA!
Receber uma tela sua, Sônia, é ver concretizado,também em pinceladas, o sentir revelado pela primeira vez na tela digital. É guardar este tempo em cores, num espaço da minha casa, da minha intimidade.
Foi bom estar ao lado de pessoas sensíveis, que expuseram e compartilharam suas lembranças. Todos os textos tiveram forte carga de emoção e beneficiados foram os seus leitores, entre os quais me incluo.
A disputa final, Sonia, é um reconhecimento do valor de seus quadros para nós, participantes. Obrigada pela oportunidade!
A vocês, que leram meu texto, obrigada, também! Só fez crescer em mim o desejo de escrever. E compartilhar!

Stela Battaglia, "Alegria, alegria, esta foto é nossa!"

1o. lugar:  
(Fugacidade n. 21, para Grace Olsson)


Para mim foi bom participar por que eu descobri que, com um simples concurso, a gente tira grandes lições. Vibrar com cada votinho que ia mudando no marcador.
Foram meus colegas da faculdade de Direito quem deram a maior parte dos meus votos; Além de blogueiros, amigos do Facebook, e amigos dos meus filhos. Esse concurso trouxe meus amigos de volta. Alguns que nem lembrava mais e que se lembraram de mim quando souberam do concurso.
Com este texto eu comecei a exterminar meus fantasmas, porque a perda daquele menino doeu demais. Aliás, ainda dói até hoje. Nao há um dia em que eu nao chore. O que eu aprendi com o concurso é que os amigos dos meus filhos só votam em texto depois de lerem. Isso me deixou feliz. Ouvir de meus filhos que seus amigos, só votariam em meu texto depois de lerem todos os textos, sinaliza de que a juventude tem jeito. Nao pensei em nada novo quando eu decidi participar.


Grace Olsson, "Há mais amor entre o céu e a terra, do que julga nossa vã filosofia"

Parabéns meninas! E se você não participou nesta edição não se preocupe, já tenho aqui o tema para a próxima! 

Comentários

Mais do que merecido...só fiquei tristinha pq estou de olho há muitooooo tempo nessas telas magníficas! Ainda vou ter uma nem que seja comprando...rsrs beijos, foi ótimo participar, apesar de não estar muito bem, como vc sabe, mas valeu! Beijão,
Lu Souza Brito disse…
Parabéns meninas! Sim, são textos lindos, emocionantes, todos 3. Também acrescentaria a esta lista o texta da Gi e do ED.
Mas fiz questão de ler TODOS. Achei uma delicia ver tantos textos carregados de emoção, cada um nos passando uma forma de ver a vida.
E fala a verdade se Mãe não é mesmo um ser poderoso? Em quantos textos elas foram temas????

Beijos Somnia!
E conta logo do outro, ahahahah.
caso.me.esquecam disse…
aaai, que quadros lindos!
*oficialmente arrependida de ter ficado de fora do concurso :/
Ed. disse…
Foi deliciosamente empolgante participar desse concurso!
Inspirador e estou aqui contando os dias para um novo tema.... parabens as ganhadoras. Muito orgulho da cechetinha, minha menina da sexta série!
Eu gostei de participar, ser lida, conhecer gente nova, etc. Sinto orgulho de ter participado com pessoas de alto gabarito. EU QUERIA TeR ALGO MAIS A DAR AOS MEUS REFUGIADOS. O VALOR DA TELA, EU IREI REVERTER.
Por eles , eu sou capaz de tudo. Exceto matar e roubar(mas se precisar roubar comida para dar a eles, eu farei, sim).

Agradeço, de coração, àqueles que votaram em meu texto e, tbm, Somnia e os autores dos demais textos.
Dias felizes.
Dri Cechetti disse…
Adorei participar também! Foi uma ótima ideia esse concurso e que seja o primeiro de muitos...

Sr. Ed, vc sabe que vc é um dos meus autores prediletos! E adorei a ideia do Miss Redação...rsss

Obrigada a todos, mais uma vez!
Lúcia Soares disse…
Todos os textos foram ótimos.
Emocionei-me muito com o da mãe que foi visitar a filha na Europa, mas votei em outro. D
Deveria, sim, poder ter votado em mais de um, né? Às vezes é até injusto se votar apenas em um.
As telas são lindas e é um super-presente.
Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que