Pular para o conteúdo principal

Somnia vende tudo com 50% de desconto: "aproveita que eu tô facinha!"


Madonna,
Somnia Carvalho, 2003
Látex sobre tela, 60 x 80

Ano Novo é sempre um novo começo. É tempo de renovar-se. De se desapegar. Todas estas atitudes nos ajudam a experimentar o dia a dia com ânimo e olhar novo. Dessa forma, redecorar ou repaginar o visual próprio e da casa, da forma que dê, acaba dando uma boa força nisso tudo.

Foi algo assim que li na edição de janeiro de 2011 da revista Casa Claudia e foram tais idéias que me levaram a este post.

Daqui uns dez dias começo uma pequena reforma na nova "casa" para onde iremos e vou me despedindo dessa daqui. De volta ao Brasil, numa vida a quatro e não mais a dois, é hora de um canto maior.

Separando as telas da vernissagem e fazendo o post das vendas na Suécia percebi que é tempo de praticar esta renovação, além da óbvia idéia de poder vender de novo minhas pinturas.

Para dar um empurrão na sua e na minha renovação resolvi fazer uma liquidação, de quem tá facinha facinha, com 50% de desconto em todas as telas por um mês. De 19 de janeiro a 19 de fevereiro, quando o caminhão de mudanças vai estacionar em frente do prédio de novo...

Semana passada celebrei com Renato 9 anos de casamento. Foram:

9 anos,
9 mudanças
9 diferentes "casas" vividas.

9 é um número completo. Representa fim de um ciclo. Obrigatoriamente início de outro. E eu? Eu não vejo a hora de começar tudo de novo!

Bom, depois desta tentativa maluquetes, as que restarem vão estar lá com a gente para contar a nova história. As vendidas? Hum, espero que sejam muitas! Elas estarão iniciando um novo ano em nova companhia e poderão fazer parte de outras histórias! E se acontecer de eu "perder" alguma, eu vou é adorar!


Figurativos

Isabelle, heter Jag!
(Releitura de tela de Isabelle Tuchband)
Somnia Carvalho, 2010
Tinta de tecido sobre tela, 70 x 90

Isabelle Tuchband tem sido uma inspiração de desprendimento e uso de cor há bastante tempo para mim. Aqui, duas releituras: a primeira, "Madonna", é de um detalhe da tela "Santa Ceia", da artista, e a segunda, cujo título (Isabelle é que é o meu nome!) remeti à própria pintora e brinquei em sueco, foi de mais uma de suas encantadoras mulheres.

Essas duas telas são as únicas não originais. As outras todas criei assim do âmago do meu complicadinho ser. :) Entretanto, também não são reprodução, são por assim dizer uma cópia muito livre (por isso releitura) sem preocupação com fazer outra tela igual a de Isabelle, mas numa tentativa de apreender as formas e cores de Isabelle e, ao mesmo tempo, pôr na tela minha personalidade.

O resultado das minhas telas é sempre mais certinho do que as telas de Isabelle e poderia se dizer que, enquanto suas mulheres são praticamente um auto-retrato da artista, as mulheres das minhas, mesmo me esforçando para não sê-lo, são muito parecidas comigo mesma... Assim é a arte da pintura.


Violeta Paz,
Somnia Carvalho, 2010
Acrílica sobre tela,
90 x 90
(música: “Gracias a la vida”, Violeta Parra)

Pura e literal fertilidade foi o que me levou à Violeta. A idéia primeira nasceu da semana lilás da blogagem da amiga Criativa Glorinha, no ano passado. O processo de criação desta tela foi contado com detalhes no post "Violeta Paz! é que eu me chamo".

Fases,
Somnia Carvalho, 2004
Óleo sobre tela, 1,00 x 1,20

Depois de uma fase conturbada, de dúvidas causadas pelo meu doutorado, quando a dor da perda de meu pai foi dando espaço para outro sentimento mais tranquilo, foram as cores e a espacialidade de Chagall que me pegaram...


A Sereia,
Somnia Carvalho, 2003
Óleo sobre tela – 1,68 x 1,90

No chão do ateliê de minha ex-professora de pintura, a Elô, fiz este pano enorme... Na época o marido viajava muito... Tinha desejo, saudade, tudo misturado representado numa tela onde a Sereia olha fixamente quem a encara e diz: "Vem!"


Welcome!,
Somnia Carvalho, 2008
Acrílica sobre tela, 40 x 60

Uma tela que fiz pensando nos nossos muitos amigos feitos na Suécia, alemães, poloneses, brasileiros, suecos, dinamarqueses, franceses, gregos etc, para pôr na entrada da casa e dizer em várias línguas: Seja muito bem vindo!


Abstratos


Hallelluya,
Somnia Carvalho, 2010
Acrílica sobre tela, 70x90
(music: "Hallelluya", Jeff Buckley)

"Hallelluya" foi resultado de uma onda de inspiração vinda da mesma blogagem da Glorinha, somada ainda ao desejo de pintar o que eu sentia das músicas. Na semana do azul criei esta tela, num misto de iluminação vinda da amiga virtual, do mar em frente de casa e de Marina quem vinha crescendo dentro de mim...

There must be something more ,
Somnia Carvalho, 2010
Mixed midia work, 70 x 90
(música: “42”, Coldplay)

Conversando com uma amiga brasileira, a Mafer, através de mensagens, ela me falava do quanto vinha sofrendo a perda de um grande amigo dela e de seu marido... O professor, mestre, orientador, homem cheio de idéias, cheio de atitudes para salvar o mundo e ajudar as pessoas havia se ido... E ela estava sem entender o sentido das coisas... A tristeza me contagiou.. Lembrei de meu pai, de amigos idos e da questionadora "42", do Colplay. Ouvindo por horas seguidas a música saiu esta tela aqui, cuja título se traduz por "Tem de haver algo mais".


Paisagens


Skåne,
Somnia Carvalho, 2008
Acrílica sobre tela, 80 x 1,00


Ven Island,
Somnia Carvalho, 2008
Acrylic on canvas,
35 x 70

A vontade de voltar a pintar na Suécia surgiu primeiro do desejo insaciável de tentar reproduzir abstratamente as paisagens daquele país imensamente azul. Foram muitas viagens, muitas idéias e duas das telas são estas daí de cima... Na época falei delas no post "Criar é preciso"...


Projeto "All we need is love", pintura e colagem

"All we need is love": o abraço
Somnia Carvalho, 2010
Mixed midia work, 70 x 90
(música: "All we need is love", Beatles)

"All we need is love": o colo
Somnia Carvalho, 2010
Mixed midia work, 70 x 90
(música: "All we need is love", Beatles)

Do projeto "All we need is love", do qual falei bastante neste post e neste outro também, duas telas cuja inspiração é o amor e as reproduções de Andy Warhol. Tal como outras tantas, é difícil deixá-las, mas se alguém gostar muito eu deixo... Sempre que uma tela se vai outra nova acaba automaticamente surgindo na minha cabeça e no tecido branco...

Natureza morta

A la Matisse, 2009
Somnia Carvalho,
Acrílica sobre tela, 80 x 100

Desejo de me desprender, de não buscar reprodução real, de aprender a me soltar e soltar e soltar... De um desenho em preto e branco de Matisse veio inspiração para esta tela colorida e sem perpectiva...

Então é isso!

Se alguém se interessar por alguma das telas, tiver qualquer dúvida, pergunta ou troca é só escrever para "borboletapequeninanasuecia.blogspot.com" ou escrever nos comentários do post.

O preço do frete para o Brasil fica algo em torno de 15 reais, se a gente tirar a moldura e o preço das telas - na promoção maluca - varia de R$250 a R$1.300 reais.

Hasta la vista Baby!

Comentários

Oi Borboletinha! Hj estou muito down, por isso não sou boa companhia...mas se eu tivesse dindin ficaria com a primeira tela a Madona, linda e de colorido forte, como eu gosto e a natureza morta, que me lembrou realmente Matisse...amei...mas espero que consiga vender tudinho...Fico feliz que tenha te inspirado através da blogagem das cores, pra mim, a melhor de todas as que orquestrei. Beijos flor! Sucesso nas vendas!
Andréia Faria disse…
Oi,
sempre passo aqui e nunca comento!

adorei suas pinturas e tambem ficaria com umas se pudesse. so achei estranho que eu vim gostar de duas bem diferentes. adorei aquela skone e a dos vultos mortos.
parabens!
ah e com a musica fica ainda mais forte.
Beth/Lilás disse…
Tudo muito lindo Brabuletinha, massssssss você poderia facilitar colocando os precinhos, não achas?
Tá parecendo aquelas lojas chics que não mostram o preço e aí a gente fica inibido perguntando um, dois e depois desiste.
beijuuuuuuuussssss, cariocas
Somnia disse…
Bom dia Glorinha! eu sei como sao dias assim... espero que a energia volte logo!

as duas telas que vc gostou tambem adoro muito e essas sao as mais baratinhas... rs...

beijocas
Somnia disse…
oi Andreia! seja bem vinda!

curioso vc falar da tela "42" porque uma outra amiga me falou dela ontem por email. Ela disse ter chorado muito. Engracado ne essas coisas?

eu me acabei quando fazia a tela e sempre imaginei que ninguem conseguiria gostar dela por ser tao dark... mas...

abraco, volte sempre!
Somnia disse…
Betona fofolete,

eu sei... rs... ce tem razao! mas a intencao nao era parecer chic! amiga! era mesmo porque sou uma arrrtista nada nada objetiva e tem tantas questoes quando se diz o preco que fiquei sem saber se punha ou nao...

mas como vocce e outras duas pessoas me pediram por email eu vou sim postar as telas com precos!

beijocas
ai voce pode comprar umas 5 e soma com a sua que ta ainda no deposito, so aguardando eu me mudar daqui um mes...

aquela de gratis, claro!

rs

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que