Pular para o conteúdo principal

A terminar pelas vendas..

"Orange", Somnia Carvalho, 2010
(A tela atrás destas florzinhas foi feita sob encomenda para minha amiga polonesa Dorota, ao final da vernissagem)


Em junho do ano passado juntei todas as telas pintadas na época da Suécia em minha própria casa, convidei os amigos e fiz uma vernissagem, da qual falei aqui e também aqui.

Dei-me conta esses dias, quando separava as telas ainda não vendidas, que ainda não havia publicado as telas compradas naquele dia e nem terminado a história que havia começado com muitas flores dos amigos.

A vernissagem-exposição foi organizada mais ou menos assim: dividi minha casa em três grandes sessões e espalhei as telas pela casa toda. Os visitantes eram guiados por títulos e informações sobre cada obra, além de uma apresentação geral sobre o que consistia cada sessão.

- "All we need is love", projeto que reunia as telas cuja inspiração foram casamentos, histórias de família e fotos de vários personagens,
- Abstratos: "Pintura e Música", com as telas pintadas a partir da sensação que eu ia tendo ao ouvir uma única e determinada música.
- Paisagens, que juntava várias telas criadas a partir de paisagens da Suécia
- Diversos, telas antigas sem determinação específica.

No primeiro e no segundo projeto os visitantes podiam ver a tela e ao mesmo tempo selecionar e ouvir as músicas relacionadas a cada um. Minha idéia era permitir que a pessoa entendesse melhor o processor criativo de cada tela e o que poderia ter passado por minha mente ao criá-las.

Embora cada processo e cada experiência seja única e dificilmente pode ser divida de forma objetiva com o outro, eu acredito que meus amigos, amigas e os amigos deles e delas que estiveram lá tiveram uma experiência de pintura diferente. Muitos disseram ter uma sensação ao ver a tela sozinha e outra ao observá-la ouvindo a música selecionada por mim e usada na criação.

Em meio à alegria de ver toda aquela gente, cuja história vinha de cantos diferentes do mundo, passeando pelo espaço e discutindo telas que eu havia criado veio uma rápida surpresa. Logo após os primeiros quinze minutos uma jovem polonesa, amiga de minha amiga, também polonesa, do curso de sueco, se apaixonou por uma tela e disse: "Essa é minha! Como faço para comprá-la? Você pode reservar já para ninguém mais pegá-la?" "Ahn?"... E foi assim... Eu estava de novo vendendo meus quadros, vendendo algo que havia me causado tanto prazer e agora perdia-se de mim e ia se juntando à experiência de outros. Foi uma sensação indescritível!

Sempre digo que os mais incrível em pintura é ver como alguém pode odiar a mesma tela que outra pessoa venha a amar...

É isso... Esse deve ser o último post dessa série sobre a vernissagem e também acaba sendo uma terceira dica de como pôr você mesma para frente.

Aqui apresento algumas dessas telas vendidas, embora eu não vá me deter na explicação de como as criei por pura falta de tempo. Também incluo o nome das músicas usadas. Assim, você está convidado a clicar nelas e também buscar sua experiência. Espero que goste! e, se quiser, divida com a gente...



"Spring", Somnia Carvalho, 2008

Esta tela aqui eu fiz inspirada nuns objetos comprados numa loja de decoração, a Lagerhaus. Ela ficou com a querida portuguesa Ludvina, cujo sutaque e coração de ouro eu não esquecerei jamais.


"Yellow", Somnia Carvalho, 2010
, Coldplay

Já contei com detalhe a história de "Yellow" num post anterior e foi tão curioso como tanta gente ficou louca por ela, incluindo a amiga Lucinha que cedeu a venda para uma das maiores amigas que fiz na Suécia, Nikol.



"No surprises", Somnia Carvalho, 2010

A foto não dá o valor que esta tela merece, inclusive porque ela é bastante escura e só com luz direta é possível ver o contraste de cores dessas várias janelas fechadas que dão para o nada. Foi outra disputada quase a tapas pelas amigas de lá, mas quem arrematou foi a primeira amiga sueca que fiz lá, Paulina.

"Bleu", Somnia Carvalho, 2010

"Bleu" também já foi tema deste post e foi a única tela que pintei até hoje, cujo comprador foi um homem. Meu amigo Nik, companheiro da Nikol, não arredou o pé enquanto não teve a tela na parede de seu apê. Na opinião dele, disparado a tela mais bonita de todas...


"Ode to my family", Somnia Carvalho, 2010

A mais demorada de todas, mais trabalhosa e exigente, "Ode to my family" foi feita com colagens de fotos pessoais da amiga Xu e seu marido Gus. É claro que, a priori, uma colagem não é nada complicado, mas tive que testar inúmeros materiais até encontrar como fazer as fotos em preto e branco aparecerem coloridas, sem ser sobrepostas. Sem contar a indecisão sobre como combinar as cores e o fundo e ainda agradar a uma esposa e um marido, tão diferentes um do outro.

Depois de terem selecionado dezenas de imagens marcantes em suas vidas e na vida de seus pais e avós, eles me entregaram tudo. Fiz a seleção, a colagem e a pintura enquanto me debulhava de chorar ao som de Cramberries... Todas as histórias juntas: a deles, a minha, a do grupo... E agora, a de vocês...


She, Somnia Carvalho, 2010
(Tela vendida para Katarzyna)

Uma grande surpresa foi esta tela aqui, da qual falei acima. Usei repetidas vezes a reprodução de uma foto da avó da Xu. Tirada muitas décadas atrás, a foto trás sua avó e suas amigas posando, todas de mãos na cintura, para o fotógrafo. Ao vê-las tanta coisa me veio à mente... Imediatamente pensei em "She", de Aznavour e fui desenhando - sem nenhuma preocupação com o bem desenhar, as mesmas mulherzinhas que eu fazia de presente para minhas colegas do primário.

Katarzyna (em português, Catarina), contou-me com lágrimas nos olhos porque sentia que a tela havia sido feita para ela... Estava vivendo um momento de separação e dor, mas também no qual ela se fortalecera como ela mesma...

E você, de qual gostou mais? Pode me contar o porquê?

Comentários

ai, salvei a foto da primeira florida. tao linda! gosto pelas cores, pela simplicidade tbm. por mim, tudo seria assim: colorido :)
somnia disse…
tambem gosto do colorido! e do azul!
Lúcia Soares disse…
Então! Eu gostei da "minha" mesmo, Yellow.
A Bleu também é lindimais!
Você é 10!
Bj
Somnia disse…
Lucinha linda,

Eu ainda me sinto mal de nao ter te entregado o Yellow! rs... se bem que minha amiga Nikol o ama como voce!
Maariah disse…
Ai, Ai, Ai. Muito difícil escolher. Uma coisa é certa, gostava de ver todas ao vivo.
Gostei da "Orange" gosto de cores quentes. O "Spring" não é decididamente o meu género de pintura, mas acho que foi a foto em que me demorei mais tempo. Gostei do primeiro imacto ao ver a foto e questionava-me se gostaria de ver o quadro aqui em casa. Do "Yellow" lembro-me do post e aqui está um bom exemplo de um quadro que gostava de ver ao vivo, gostava de ver os detalhes.

Mas gostar mesmo, mesmo foi do "No surprises" e do " Blue". O primeiro foi também amor à primeira vista e do "blue" também me recordo do post. Aliás, vou voltar a lê-lo pois lembro-me perfeitamente do que comentei. Quero ver se tem mais comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que