Pular para o conteúdo principal

"E então fez-se a luz!"

(Luminárias da ceramista Flávia Del Prá)

Eu tenho um hobby simplesinho há muito tempo, mesmo quando morava em apartamentos alugados: comprava uma revista de decoração, sentava literalmente de pernas para o ar, e lia a revista todinha.

Lia como um livro e sempre adorava entender como funcionava uma ou outra solução para a casa. Além de me distrair das pesadas leituras de tese e aulas, com aquelas fotos de espaços gostosos e tal, eu aprendi muito sobre decoração e fiquei viciada em bater os olhos numa casa e imaginar mil saídas para reformá-la e decorá-la. Sou pior que uma psicóloga quem não descansa nem numa mesa de bar com as amigas ao analisá-las em silêncio!

Então, desde a volta ao Brasil, uma das minhas alegrias mensais é ir toda serelepe até uma banca de revista (tem que ser numa banca! sou xiita!) e fazer o mesmo novamente. Compro uma revista, quase sempre Casa Claudia, e espero um momento só meu para me jogar num sofá macio e começar a passear...

Na Suécia eu saboreava a decoração escandinava nas revistas de lá e trouxe algumas comigo...

(Luminárias da ceramista Flávia Del Prá)

Uma das coisas percebidas é que, ao contrário da famosa iluminação a qual usamos no Brasil, feito com o forro rebaixado em muitas reformas, na Suécia a gente vivia praticamente só com pequenas luminárias e abajures. Iluminação no alto e fria apenas na cozinha e banheiro. O que era verdade também em quase todos os outros países visitados na Europa.

Trouxemos então na bagagem um tanto de abajures para espalhar pela casa daqui e dar aquela atmosfera aconchegante nas salas e quartos... Essas peças servem há outros objetivos além de iluminar. Elas decoram e dão uma sensação intimista bem maior.

Agora dêem uma olhada nos abajures da ceramista Flavia del Prá, quem conheci através de uma reportagem na Casa Claudia, e diz senão dá vontade de ter um em cada canto da casa? A artista viveu em Londres nos últimos anos e também traz de lá inspiração para criar esses ambientes quentinhos...

Se quiser fazer um tour pelo apartamento dela e se inspirar na decoração, tentar você mesma renovar alguns objetos, clique nesse link aqui:




Boa viagem, ótimas idéias e um delicoso domingo!


Comentários

noooossa, eu poderia ter todos esses abajures na minha casa hahaha sao lindos! coloridissimos, alegres, lindos! amei!
Lu Souza Brito disse…
Oi Somnia,

Eu ficaria com pelo menos uns tres desses. O colorido de flores com borboleta então seria o primeiro.
Vou lá conferir o link.
Mas você falando da iluminação, acho legal ter abajures aqui e ali, mas não só, porque gosto de ambientes MUITO claros. Meia luz só para jantar a dois e noite de amor, ahahahah.
Lu Souza Brito disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Dani disse…
Meu Deus, que luminárias são essas? Adoro estampas florais, ainda mais em estilo retrô, ainda mais com a palavra "cerâmica" envolvida na história!
Sim, abajures estrategicamente posicionados criam todo um ambiente e uma atmosfera, mesmo que seja num cantinho, não?

Bjs,

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que