Pular para o conteúdo principal

No meio do caminho havia... dois patos e cinco patinhos

(Cena do dia a dia estressante da primavera de Malmö, maio de 2009, foto da minha amiga Xu-Muié)


Desde o início da Primavera todos os patos do mundo vieram voando pra Malmö e a cidade encheu-se deles por todos os lados, mas foi só depois dos danados, que vieram cheios de segundas intenções, terem se reproduzido aos milhares que a cidade literalmente tem parado pra ver.

Essa é uma cena típica do nosso dia aqui. Em qualquer canto da cidade há famílias inteiras de patinhos atravessando as avenidas. Essa aqui é uma das grandes da região da praia e cruza a frente da minha casa. Com essa foto que minha amiga Xu tirou de manhã, indo pro trabalho, dá para ter uma idéia da vida estressante que a gente leva na Suécia.

Tem gente que detesta. Eu, vocês já sabem de longa data, sou deslumbrete e adoro. Acho demais a família rebolando pra lá e pra cá atravessando a rua com cuidado. E sempre vai a mãe (eu imagino que seja a mãe porque é um pato menor) e o pai atrás protegendo suas crias de uma forma invejável. Semana passada, quando eu voltava da escolinha com a minha cria, no banco detrás da minha bicleta, um pai-pato fez um "qrrrrrr" enfurecidíssimo pra mim! Ele imaginou que eu talvez fosse atropelar os seus pequenos.

O povo daqui respeita a época e os patos. Nem atropela (só vi um caso até hoje) e nem come...

Vida na Suécia é assim: eu tenho direito de ir e vir e o pato e sua família também!

...

ps: a semana foi intensa por aqui. Muito trabalho no curso e muita reunião na escolinha. Estou frustrada por não ter conseguido responder os super comentários da semana que passou e por ter postado tão pouco

Comentários

Eu também adoro, mas aqui eles são conhecidos como gansos. O que acho mais incrível destes pássaros é o fato de serem monogamicos.
O parceito é eterno e quando um deles morre o outro não arruma mais parceiro, fica viúvo o resto de sua vida.
Eu também acho tão fofo este andar que você descreveu, o cuidado com os filhotes, e a tranquilidade que eles tem de viver entre humanos.
amo.
bjks
Lúcia Soares disse…
Cena mais que linda! Vale a pena ter uma câmera à mão, sempre!
Luciana disse…
Adorei a família de patos, também eles circulam respeitados por aqui, mas nunca cruzei com uma família inteira assim.
Beijo
kelly disse…
Adoravelmente sem noção.....amei!
Unknown disse…
Esta imagem transmite sossego,tranquilidade,liberdade.Mas são dois patos adultos e seis patinhos folgadinhos!!!Ah ! Ah !!!
Mariel Stupp disse…
Que saudade da tranquilidade sueca!!! A tranquilidade no Brasil tem um ritmo diferente, nao tem?
Pra mim o Brasil tem uma tranquilidade mais ligada à pessoas e na Suècia à natureza.
Bom final de semana!
Ed. disse…
ahauahuahuahuahuahauhau
que bonitinhooooos

se fosse aqui no brasil, eles estariam em uma panela. certezaaaaa! não duraria o tempo de atravessar a rua
Anônimo disse…
Muié

Vc conseguiu (como de costume) descrever a cena de uma forma fantástica! Confesso que valeu a pena esperar quase 2 anos pra ser a primeira na fila dos carros pra conseguir captar o momento.

Beijos
Xu - fotógrafa de patos, nas horas vagas (rs)
Beth/Lilás disse…
Que beleza de foto da amiga Xu!
Essa 'pataiada' por aí, qualquer dia vai dar um bom caldo. hahaha
Ah, se fosse aqui no Rio!
Bem, não vou falar nada, senão vão me chamar de exagerada!
Mas, realiza a cena: essa turminha atravessando em frente do Alemão, da favela, minha amiga! Já imaginou!
bjs cariocas
Anônimo disse…
Que lindo !!
Somnia Carvalho disse…
ô Cris que lindo isso dos gansos!

sera que os meus patolinos da foto sao gansos entao?

eu sou muito ruim pra isso!

eu adorei a coisa da monogamia!!! beeem bonito mesmo!!!
Somnia Carvalho disse…
Lucinha, siiiim!

minha amiga é espertíssima! e com um Sony Ericson na mão ela faz horrores! rssss
Somnia Carvalho disse…
Lu,

então eu devo dizer-lhe querida que se voces ai ganham no Eurovision veja so que sem graça: nao tem familias inteiras desfilando e rebolando nas ruas pra la e pra ca!!!

eu sabia que a Noruega nao tava mesmo com a bola nem com os patos todos!
Somnia Carvalho disse…
Irene,

é verdade!!
os unicos a curtir aquilo eram os patinhos e meus amigos que fotografaram, porque os patos adultos estavam mesmo era neuroticos de nervoso cuidando dos pequenos...


vida de pai e mae nao e facil nao e???
Somnia Carvalho disse…
Mariel,

siiimm! e uma calma diferente mesmo!
acho que ficar tranquilo no brasil e tomar uma cerveja com o amigo, e comer um bolo e tagarelar na casa das amigas...

aqui normalmente tem a ver com a natureza... deitar no parque sozinho e sentir o sol..andar de bike e sentir o vento... e tambem tem muito mais a ver com uma tranquilidade pessoal, do tipo e algo mais individualizado mesmo...
Somnia Carvalho disse…
Ce gostou muie???

que otimo porque sua foto me rendeu um post e muitos comentarios... voce pode continuar seu selviço pra mim que eu to gsotando dos seus prestimos querida!!!
Somnia Carvalho disse…
Obrigada Kelly! e muito bem vinda!
Somnia Carvalho disse…
Ed e Lilas,

voces dois ai nessa cidade grande e cheia de gente que tem muito menos do que um patinho pra comer.. entao eu tambem concordo que no brasil eles nao durariam uma refeicao! rs... isso na verdade tem mais a ver com nossos problemas terriveis de desigualdade do que com maldade...

agora o negocio de ter paciencia no transito isso e incrivel... aqui e demais mesmo! eu acho que no brasil a maioria das pessoas que eu conheco sao estressadas no transito e matariam os patinhos e sua familia no segundo passo no meio da rua... uiuiui

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que