Pular para o conteúdo principal

O Princípio do Vazio

(Sentimento de vazio, Ben Goossens)
 
Já faz um bom tempo que eu não reproduzo textos de terceiros aqui no blog. Eu realmente só o faço quando gosto muito e faço de outros as minhas palavras.

Recebi a versão de "O princípio do vazio" em espanhol de minha amiga Jéssica. O texto d Joseph Newton foi originalmente escrito em inglês, mas aqui divido a tradução para o português.

Procurei mais sobre o autor, mas não encontrei nada além de milhares de reproduções desse mesmo texto em muitas outras línguas.

Ótimo sábado ao som de música de coral em latim daquele meu programa fantástico...


...


Princípio do Vazio

Tens o hábito de juntar objectos inúteis, acreditando que um dia, não sabes quando, poderás precisar deles?
Tens o hábito de juntar dinheiro, pois pensas que no futuro te poderá fazer falta?
Tens o hábito de guardar roupas, brinquedos, sapatos, móveis, utensílios domésticos e outras coisas que já não usas há bastante tempo?
… E dentro de ti?
Tens o hábito de guardar o que sentes, discussões, ressentimentos, tristezas, medos, pessoas, etc?
Não faças isso!
É anti-prosperidade!
É preciso criar um espaço, um vazio, para que as coisas novas cheguem à tua vida.
É preciso eliminar o que é inútil em ti e na tua vida, para que a prosperidade venha.
É a força desse vazio que absorverá e atrairá tudo o que tu desejas.
Enquanto estiveres material ou emocionalmente carregado de coisas velhas e inúteis, não haverá espaço aberto para outras oportunidades.
Os bens precisam de circular.
Limpa as gavetas, os armários, o teu quarto, a garagem, dá tudo o que já não usas.
A atitude de guardar um montão de coisas inúteis, amarra a tua vida.
Não são os objectos guardados que param a tua vida, mas o significado da atitude de guardar.
Quando se guarda, considera-se a possibilidade de falta, de carência.
É acreditar que amanhã poderá faltar e tu não tens meios de prover as tuas necessidades.
Com essa postura tu estás a enviar uma mensagem para o teu cérebro e para a tua vida.
1 – Tu não confias no amanhã.
2 – Tu crês que o novo e o melhor, não são para ti, já que te alegras em guardar as coisas velhas e inúteis.
Renova-te…
Limpa a tua alma, joga fora os ressentimentos, as mágoas, os medos, os desentendimentos, as tristezas.
Essas coisas amarram a tua vida.
Guarda somente alegrias, carinhos, felicidade, confiança, fé, amigos, bondade, amor…
Coisas que te fazem voar bem alto.
Sê feliz.

Joseph Newton

Comentários

marcia disse…
oi...passando para conhecer novos blogs....amei o seu espaco , um abraco e vou add aos meus favoritos!!!
Mariel Stupp disse…
Recebì esse e-mail ainda na semana passada...nao poderia ter chego em melhor hora, quando comecei a mudança e sempre bate aquela indecisao "jogo fora? mas eu posso precisar depois...serà??". rs
Depois dessa jà foi metade embora!!!
Lúcia Soares disse…
Sônia, isso aí nada mais é do que filosofia oriental. O Feng-Shui é milenar e prega isso mesmo. Eles estão certos. Mas eu olho pras minhas gavetas cheias de convites de casamento, de aniversário de criança,de bilhetinhos, de cartas...e não jogo fora. Acho que a gente não deve entulhar objetos, sei lá...Mas escritos são quase a nossa memória. Não consigo jogar fora.
Beth/Lilás disse…
Barbuletinha querida,
Isso é uma verdade verdadeira, como diz minha mãe mineira!
Eu não sou de entulhar, nem guardar muitas coisas, mas como a Lucia aí emcima disse, cartas, fotos, lembranças escritas são difíceis de jogar fora, fico com pena!
beijos cariocas e bom domingo para você e sua linda família!
Somnia Carvalho disse…
Hej Márcia seja bem vinda!!!

vou te visitar também!!!
Somnia Carvalho disse…
Mariel, comigo foi o mesmo nessa mudanca de novo!

antes de começar a me mudar tanto de casa eu guardava ao menos um trilhao de papeis, tudo sobre minhas aulas desde o primario...

guardava muito e guardava roupas que gostava, mas nao me serviam mais...

dai fui começando a me desfazer de muita coisa em cada mudança e tem sido muito bom...

prefiro sempre dar pra alguem do que jogar! ao menos a gente sabe que alguem pode fazer bom uso daquilo que nao nos serve mais...
Somnia Carvalho disse…
Super Lúcia e Super Lilás,

eu tombém não consigo jogar esse tipo de coisa fora...
eu tenho conseguido me desfazer de objetos que eu sempre pensei que me serviriam, ou de outros que tinha um apego besta... tipo uma roupa que comprei em ocasiao especial mas nao usava ha mais de 5 anos... fui dando, dando, dando...

mas acho que a gente tambem tem que aprender com essas filosofias nao so a se desfazer, mas nao acumular bobagem... as vezes me pego comprando por impulso e acho isso pior do que acumular o que ja tenho...

beijocas
maria disse…
sou sua fa!!quando 'crescer' quero ser igual a vc!
Eveline disse…
Oi amiga Sonia,
Sabe que eu guardava tudo..., nossa tipo assim até pedrinha de um passeio que adorei na escola, hehehe.
Mas fiz um curso de 5'S (tecnica japonesa de organização)e achei muito legal, comecei aplicar, e sabe que funciona, mas claro nas devidas proporções, cartões, convites, cartas (do tempo do correio escrito)..., não consegui até hoje me desfazer. Afinal toda a teoria tem suas exceções!
Boa semana
Beijos
Eveline
Beth/Lilás disse…
Brabuleta!
Sobre este tópico "O princípio do vazio", estou fazendo uma referência
dele lá no meu novo post. Depois confira!
bjs cariocas

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que