Pular para o conteúdo principal

O dedo de vocês na leitura da obra de Kurt Trampedach

("Morgen. Gruppe af kvinde og mand henholdsvis liggende og siddende på en seng",Kurt Trampedach, 1972-1973)

Vocês ainda se lembra da escultura do dinamarquês Kurt Trampedach, a última das três obras dinamarquesas que coloquei na seção "O que você vê nessa obra?". Sim, foi há quase dois meses e a minha mudança para a nova casa me fez esquecer de concluir a leitura com vocês. 

A partir da minha tradução do título em inglês que havia abaixo da obra no Museu (já que eu não leio dinamarquês) foi que a maioria de vocês acabou por conduzir sua leitura a respeito da obra do artista.

Eu traduzi o título "Morning. Group of Woman and Man, one lying and one sitting on a bed" como "Manhã. Grupo de mulher e homem, um mentindo e o outro sentado na cama. "

Entretanto, minha tradução rápida não levou em conta que lying também pode ser entendido como deitado, prostrado. Minha tradução teve a ver, claro, com minha leitura da obra. Eu também vi um casal infeliz. Por algum motivo eles haviam brigado, se distanciado. E em minha leitura a mulher fingia dormir enquanto o homem se remoía por algo. Vi aí o jogo de interesses que há entre os casais e vi um jogo de sedução também, apesar de ver que o homem sofria mais do que a mulher que "jogava" com o parceiro.

Foi a leitura da amiga e leitora Xu que me fez despertar para o título em dinarmarquês da obra.

Vendo como 4 pessoas (até agora) enxergam de formas diferentes o mesmo tema, eu comecaria pelo título da obra. 
Ao ler a legenda em inglês, não traduziria "lying" como mentindo... e sim como (apenas) deitado. Também enxergo a escultura mais de madeira que de gesso. Não apenas pela tonalidade, mas pela rigidez da cena. A imagem me mostra mais tédio e mesmice, que briga ou mentira.
Para mim, uma típica manhã de um casal é: ou a correria do dia-a-dia (que não é o caso), ou curtir juntos a preguica de um sabadão! Estes dois parecem estar cansados de ter que olhar um pra cara do outro todo dia de manhã.
Vidinha mais ou menos, hein!

Beijos
Xu

Incrível eu querendo dar uma de "crítica de arte" e indo parar na minha tradução da tradução. Eita nós! Bom, o fato é que não tenho um dicionário de dinarmarquês e vou pedir ajuda para os "univeristários". Quem aí sabe dinamarquês pode talvez ajudar se a melhor leitura seria deitado ou mentindo... Embora eu ache que a tradução da Xu parece muito coerente e embora, também, a obra deva falar por si mesma e pode falar diferentes coisas para cada um de nós.

"Morgen. Gruppe af kvinde og mand henholdsvis liggende og siddende på en seng".

De qualquer forma queria relançar a obra aqui de novo e pensar na possibilidade do título ser lido como a Xu sugeriu...

Então, pergunto de novo: o que você vê nessa obra? A mudança de título sugere outra leitura a você? Você concorda com a Xu sobre o tédio e mesmice ou vê outra coisa aí?



(Kurt Trampedach, 1943)


Só para acrescentar uma informação: a escultura do homem que aí está foi moldada no próprio corpo de Trampedach. O artista usou a si mesmo como modelo para várias de suas obras e ficou famoso por isso também. Qual seria, na sua opinião, o intuito de Trampedach ao usar o seu corpo e não o de outra pessoa como modelo? O artista quer revelar-se a si mesmo e revelar seus dilemas e angústias? É o Kurt Trampedach sentado ali tão desiludido e cheio de tristeza ou é qualquer um? 

A data em que foi feita a escultura, início dos anos 70, pode sugerir alguma via de leitura?

Sou toda ouvidos! Para tudo o que vier!

Comentários

Unknown disse…
Somnia,
Quer rir um pouco comigo ?
Fiquei olhando, olhando essas esculturas e no fim acabei rindo de mim mesma quando pensei: "Bom, já que a Somnia disse que a escultura foi moldada no próprio corpo do Kurt, era mais confortável que o moçoilo ficasse sentadão,"na boa" enquanto alguém jogava argila ou seja lá o que fosse nele, né mm ? Bem, então quando chegou no rostinho, o cara perdeu a respiração, e teve que fechar os olhos, abrir a boca pra respirar, e ficar com cara de agonia, já que não poderia se mexer, respirar direito e nem mesmo fazer um xixixzinho.Pronto.Pra mim, é isso! rsrs
Beijão,
Cláu :) SP
Lúcia Soares disse…
Oi, Sonia! Pra ficar mais cômodo pra você, respondo aqui ao seu comentário no meu blog. Lá no final, eu não disse que assim que desse o clic pra publicar eu já saberia que deveria ter falado de alguém mais? Você foi uma delas. Não queria o post mais longo do que já estava e não tinha esquecido você. Depois vou falar, viu? Adorei você ter se manifestado. Você é uma fofa!
Quanto à escultura: continuo achando que tem alguma conotação sexual aí. Será que não?
O artista se usar como modelo acho que é usual. Muitos fazem isso. Talvez seja tão desconfortável se deixar moldar que ele preferiu fazer consigo mesmo. Ou é o ego, a vaidade....Ou achou que ele representaria melhor o que queria passar. Vai saber o que anda pela cabeça do artista, heim?
(Ajudei nada! Rsrsrsr)
Eveline disse…
Oi amiga
A sensação que me passou foi como se ele quisesse expor ao mundo alguma frustação, alguma dificuldade que de outra maneira não teria como expor. É tão palpavel a "derrota", que me deu até uma certa deprê....
Teu blog continua lindo.
Boa semana
Beijos
Anônimo disse…
I inclination not approve on it. I think nice post. Particularly the appellation attracted me to read the unscathed story.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que