Pular para o conteúdo principal

"Na Suécia também não tem"... como entrar de sapatos na casa dos outros


("Um par de sapatos", Vincent Van Gogh, 1886)


Eu incorporei tanto essa mania européia e também muito sueca de tirar os sapatos todas as vezes que visito alguém ou em minha própria casa que eu quase me esqueci que por mais de três décadas eu havia existido de jeito diferente.

Lembrei-me disso outro dia na aula de sueco, durante um grupo de conversação. O tema sobre o que pegava bem e o que pegava mal de se fazer na Suécia acabou parando nessa coisa de tirar ou não os sapatos. O pessoal que estava no grupo era da Polônia, da Bulgária e da Inglaterra. Então o professor foi deduzindo algo assim, depois de todo mundo concordar que haviam de tirar os sapatos na casa de um sueco, ou ao menos perguntar se deveria ou não. Disse o coordenador do grupo: "ah! okey, parece que nisso há um consenso e em todos os países é igual.

E então eu parei: "pera lá! No Brasil não é assim não..." Quando eu então expliquei que no nosso país a gente não tem esse hábito coisíssima nenhuma e que eu vim adquirir isso aqui, as duas polonesas começaram a rir e a comentar algo do tipo "nossa! que povo mais estranho! Imagina chegar da rua com  o pé sujo e entrar na casa de alguém sem tirar o sapato!"

Daí blá blá blá eu fiquei tagarelando com meu sueco fraco, mas com meu teatro forte e explicando pra uma das polacas que era mais insistente que ela só achava "a-normal" porque ela sempre havia vivido num lugar onde o hábito é esse. E expliquei ainda com muita paciência o óbvio: se ela fosse viver no Brasil acabaria por entender melhor que não temos tanta essa necessidade como se sente em países frios e provavelmente ela se aculturaria como eu me aculturei. 

E diante da cara de espanto e desaprovação delas e do sueco que liderava o grupo fiz questão de enfatizar: "Sim. Não tiramos. Isso porque o clima é to-tal-men-te diferente do da Polônia e do da Suécia e são raríssimas as vezes em que pegaremos lama e neve do lado de fora de casa. Ninguém entra com sapato cheio de lama, mas se você for numa festa na casa de uns amigos vão entrar com seu salto alto lindo simmm!

É claro que existem exceções, do tipo se você mora numa fazenda, se você tá reformando o quintal, sei lá... mas o comum é que a gente chegue casa adentro com os mesmos sapatos que estávamos na rua. 

E elas? Elas ainda continuavam lá com aquela cara de que falavam com alguém de outro mundo (outro mundo muito deselegante, claro!). Foi então que não tive dúvida e emendei: "No Brasil, inclusive, se você fosse convidada para um jantar na casa de alguém de quem você não é super amigo ou parente, por exemplo, e chegar tirando o sapato e entrando de meia preta, como os suecos e europeus fazem aqui, você teria chance de ser encarada de três maneiras. Um: "putz! que nega mais sem noção, tirando sapato na casa de quem nem conhece!", ou seja, ficar sem sapatos na casa de estranhos não combina, porque tirar sapato sugere intimidade, totalmente o contrário do hábito daqui. Eu preciso tirar os sapatos e tenho tirado nesses dois anos na casa de qualquer um que fui, principalmente se não sou íntima da pessoa. A chance número dois seria de que os outros olhassem pro seu pesão sem sapato e pensassem: "Cacilda! deve estar um chulezão com os trinta e oito que estão fazendo hoje!". E a chance número três seria de acharem que você estaria bem mal vestida sem seus sapatos.

Bom, só sei que, embora elas não tenham se dado por vencidas, eu sei que aculturar-se e acabar achando que o que se vive no momento é o normal é algo beeem comum. Vivo isso diariamente e creio que, em muitos pontos, conhecer algo diferente e mudar os hábitos é mesmo muito interessante. As polonesas deveriam passar um tempo no Brasil pra aprender a usar um salto alto lindo numa festa na casa de alguém. Deveriam conhecer um lugar que lhes pusesse à prova! 

Agora vejam vocês que, apesar de ter brigado em sueco com as chatinhas da moçoilas, e ter tentado fazer com que elas e o pessoal entendesse as diferenças culturais me dá até uma coisa de pensar que no Brasil você vai invadir minha casa de sapatão... Que seu salto vai riscar o meu carpete de madeira e que, pior, a sujeira grudada no seu sapato vai contaminar aquele ar de lugar limpinho e meio sagrado que é a minha casa e a casa de todo mundo...

Isso não é totalmente contraditório???

Pois é assim que a gente fica quando vive num lugar tom diferente. Meio maluco, total neuras!... Você não acha???

Comentários

Dualidade disse…
Adorei o teu blog! Passarei sempre por aqui.
Érica disse…
Quando é cultural, tudo bem. Mas quando minha mãe me obriga a tirar o sapato na casa dos outros, eu fico doida. Não tem motivo, e qualquer coisa obrigada é chata.
Beth/Lilás disse…
Well, noutro dia falei lá no blog que aqui em casa temos este hábito direoto, mas é só entre nós, claro!
Jamais pediria isso a um visitante e nem gostaria que ele tirasse seus sapatos em minha casa, me sentiria constrangida e achando que estão me achando 'chatinha'.
Mas, chatinhas mesmo foram essa suequinhas aí, heim!
Morri de rir com a sua explicação assim meio...sem noção! hahahha
bjs cariocas
Engraçado né, nós brasileiros vms para outros países e nos adaptamos super bem e como vc mesma disse, acaba esquecendo de nossas culturas e achando tudo isso normal!
E vejam só, essas pessoas nos chamando de esquisitos... vê se pode??

beijos
É verdade, isto é muito contraditório.
Estas criaturas deveriam entender que primeiro devemos respeitar a cultura dos outros e não sair por aí dizendo que tudo é estranho.
Que no Brasil tomamos banhos com frio e com calor e mesmo quando moramos em lugares frios mantemos este lindo costume higiênico.
Tantas diferenças.
Aqui nos esteires, que claro foi colonizados por euroupeus também existe este hábito e reforçado é claro pelos asiáticos.
Como eu tenho cachorro e um quintal enorme, tira o sapato quem quer, cada um com seu hábito.
Mas e muito engraçado não?
bjks
Anônimo disse…
Aha,ha esse post me lembrou uma tia que tenho! sempre que chegamos na casa dela temos que tirar o sapato e calçar uma sandalinha he, he. Posso dizer que me sentia meio mal, minha mãe odeia essa mania dela. A casa dela é impecável! Fiquei uma semana lá para estudar e já estava me acostumando também. Acho que talvez cada um acaba se acostumando de seu jeito, ou não se acostuma de jeito nenhum ( acho que esse é o caso da minha mãe :)

beijos querida!
Luciana disse…
Eu tenho, e já tinha no Brasil, esse problema com sapatos dentro de casa, em especial no meu quarto, então adoro que aqui os sapatos ficam na entrada. Passei essa minha neura contra os sapatos dentro de casa para minha mãe. Lá no Brasil chegando em casa já tirava os sapatos, na verdade geralmente sandálias, e ia direto para o banheiro lavar os pés e calcava a sandália de usar em casa. Se alguém entrava com sapatos no meu quarto, após sair eu já limpava. Isso porque geralmetne podia sentar no chão, colocar umas almofadas e não gostava de saber que o piso estava sujo.
Algumas visitas também as vezes deixavam 'rastro' de areia pela casa.

Aqui nas festas na casa da família do meu marido mantemos os calcados.

Diferencas e diferencas.

Beijos
Mari disse…
Aqui em casa nos adaptamos a isto rapidinho. Estamos no Canadá há dois meses e as crianças já entram pela porta tirando os sapatos.
No brasil eu nunca pedi pra ninguem tirar os sapatos, mas devo confessar que não eramos muito chegados em andar pela casa de sapato. nem tanto pela limpeza mas porque eu adoro andar de meias e acabei passando esta mania para as crianças. Sapato é só pra sair de casa e olhe lá!!!
Lúcia Soares disse…
A gente se acostuma com tudo. É só precisar. Higiénico é. Mas imagina se a pesoa colocou, sem nem pensar, uma meia feia, velha, até com furinhos e foi trabalhar e de lá sai direto pra casa de um amigo. Chega lá, tira o sapato, exibindo a meia "caidinha"? E ninguém repara? Ou tira a meia também, junto com o sapato? Eu sei que pra mim ia ser muito chato! Pé é algo tão "particular", né não?
Lúcia Soares disse…
Higiênico, pessoa...
Somnia Carvalho disse…
Uau gente boa!

os comentários me fizeram pensar e pensar e pensar... Legal demais saber! na minha realidade eu não conhecia mesmo gente que pedia pra tirar o sapato aí no Brasil...

Achei tão legal os comentários de vocês que escrevi outro post e queria continuar a prosa lá...

Lucitia, normalmente meia é um negócio que a gente sempre pensa aqui.. rs.. tipo, não importa o sapato com que vou, mas a meia tem que estar impecável! haha...

inclusive porque pedicure é algo bem raro aqui. Carissimo também e não é como são 6 meses de inverno ninguem quer mostar os pés pro outro não!

beijos a voces todos!
Fernando Borges disse…
Em São Paulo é comum esse costume em algumas casas.
Claro que na maioria dos casos o que é padrão é entrar de sapato/tênis e tudo, sem nem cogitar o oposto.
Tenho um amigo que faz isso sempre e na primeira vez que ele foi na minha casa (e eu ainda não conhecia esse costume dele), achei bastante esquisito rs

Tirar o tênis/sapato na casa de alguém, ao menos aqui no brasil, realmente sugere intimidade.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que