Pular para o conteúdo principal

"Na Suécia também não tem"... câmera no elevador

(Cartaz do fantástico livro de George Orwell, "1984", cujo tema é a sociedade vigiada)


Uau! Vi agora o montão de comentário nota dez que vocês enviaram e estão enviando sobre o post dos sapatos na Suécia. Vou fazer um outro texto deles todos, porque eles merecem!

Por agora só não aguento não comentar essa outra coisinha diferentésima da Suécia em relação ao Brasil. E se você vive em cidades grandes, como eu vivia em São Paulo, você vai notar a diferença com certeza!

Há um bom tempo percebi isso, mas voltando agora há pouco da casa da Wilma, um amor de senhorinha carioca de quem eu comprei uns salllgadinhos bem brasileiros, me dei conta disso de novo. Eu estava lá no elevador e fiquei olhando pro espelho fazendo caras e bocas, medindo se meu cabelo tava acertado, se a sombrancelha tava tirada, contando o número de rugas do lado direito, sabe essas coisas? E aí me veio assim: "nossa! será que alguém viu isso tudo?". Por alguns segundos esqueci-me de onde estava e remeti-me ao Brasil onde eu vivia dois anos atrás. 

E dei um suspiro aliviada me lembrando de quando eu, aí no Brasil, me sentia vigiada quase o tempo todo. Lembro-me do ódio terrível que eu sempre tive das câmeras por todos os lados, mas sobretudo nos elevadores dos prédios onde eu morei e por onde eu passava. Até naquele momentinho íntimo de descer do meu apê até a rua eu sempre parava o que tinha vontade de fazer, como conferir a cabeleleira como fiz hoje, porque olhava para meu rosto refletido naquela bola preta no teto do elevador e... parava.

Eu vou pesquisar mais ainda com Renato e outras pessoas que trabalham em empresas aqui e posso continuar a falar do assunto se vocês tiverem mais material aí. Até onde eu conheço, como prédios públicos, museus, hospitais, escolas, apartamentos particulares não há câmera nos elevadores. Em dois anos aqui eu mentiria se dissesse que vi uma câmera em algum elevador e também não vi em nenhuma vendinha, lojinha ou o que seja. Não vi mesmo!

E por que não tem câmera no elevador? Porque não tem porteiro. Eu sei que isso dá outro post da série "Na Suécia também não tem...", mas é isso aí. Não tem porteiro porque sai caro demais ter alguém só para olhar a entrada do prédio. Sai caro porque há pouca mão de obra não especializada aqui e um porteiro não seria mão de obra barata como é no Brasil, já que o índice de alfabetismo é de 99% e o pessoal todo acaba querendo trabalho especializado. Então, não ter porteiro deve ser o primeiro item de uma lista de muitas explicações para o fato de não ter câmera no elevador. Massss... acho que essa é uma explicação mirradinha. Não tem porteiro porque a Suécia é um país razoavelmente seguro. Se eu comparar com o Brasil, no item criminalidade, parece jardim da infância. 

Se há crimes aqui? Claro, há sim, mas a maioria - felizmente - diz respeito a roubo de bicicletas, carros ou casas. O número de assalto a mão armada é baixo e é não é comum ver isso nos jornais. 

A capa de um dos jornais gratuitos que circulam por aqui hoje, por exemplo, trazia um cara que roubou o cofrinho do MC Donalds de um fundo para crianças, na cara de todo mundo, mas até onde entendi o texto e vi a foto ele não estava armado não. Contudo, uma notícia assim e é algo que incomoda muito quem vive aqui há mais tempo. E isso também é algo bom. Não tomar como normal é o primeiro passo, creio.

Já ouvi muitos suecos ou gente que está aqui há anos dizendo que Malmö está muito perigosa. Apesar disso, é bom lembrar que a gente deixa as bikes e os carros estacionados nas calçadas a noite toda. A gente vai para o playground e deixa as bolsas nos carrinhos, onde há dezenas de crianças com seus pais brincando a tarde toda. Eu já voltei algumas vezes da casa de amigos ou do cinema, o que seja, para casa a meia noite, uma da manhã com Renato ou sozinha,a pé ou de bike, cantarolando. Sem medo, sem lenço e sem documento. 

Isso só para ilustrar rapidamente porque eu creio que não seja necessário o porteiro nos prédios daqui... E agora eu preciso parar porque tenho que continuar a escrever meu trabalho do curso para amanhã cedo, e porque esse post me daria material para escrever uma tese de umas 300 páginas pelo menos...

Eu creio que graças a um sistema social mais igualitário, graças a uma segurança que ainda se pode ter por aqui as câmeras na Suécia não são, ainda, uma neura e uma necessidade que se faça notar. Isso tudo quer dizer que se você vier visitar a Suécia, ou ao menos Malmö, a cidade da Suécia onde eu moro que é a terceira maior do país, você poderá fazer maquiagem rápida, ajeitar o cabelo, acertar a gravata, conferir o batom ou até mesmo fazer aquela limpeza geral nas suas queridas narinas, acertar a roupa íntima que está incomodando, fazer caras e bocas ou falar sozinho feito doido banguela. Não importa. Sem Big Brother, sem nada você poderá provar de alguns bons minutos de liberdade. Só não vale liberdade com odor, ok?

Bom, deixa eu ir! Me desmintam aí se eu estiver errada ou se vocês conhecerem outras realidades por aqui que seja diferente dessa que descrevi e me ajudem a rezar para que assim seja por muito e muito tempo, amém!

Comentários

Beth/Lilás disse…
Ô borboleta, é isso aí!
A diferença entre ter câmera no elevador, nos supermercados, caixas eletrônicos, bancos,elevadores, ruas é diretamente ligada ao grau de segurança e civilidade de um povo.
Pois aqui, mesmo tendo todo este aparato, os caras tão roubando descaradamente! Na vrdade quem não tem liberade aqui somos nós, vigiados, enjaulados e lesados!
Sorte sua em poder viver nesta beleza de país! Amém!
bjs cariocas
Mariel Stupp disse…
Que saudade dessa segurança sueca!! As vezes acho sim que eles exageram em certos aspectos pra assegurar a segurança (como aquele disk-nao-sei-o-que pras pessoas ligarem quando estao se sentindo inseguras de madrugada nas ruas), mas adorava circular, e mal acreditava na paz que sentì quando voltei de uma festa às 4 da manha sozinha pra casa. E olha que Floripa nao tem a mà fama das metròpoles brasileiras!
ps: eu nunca passo gloss em casa, o ritual é SEMPRE elevador, o gloss jà fica junto com a chave de casa na bolsa. rsrs
Que delícia deve ser viver num país assim... se ser sentir presos e vigiados o tempo todo... o que mais gosto desse seu cantinho é o modo como conta seus "CAUSOS" hahahaha

Um beijão para vc e para seu filhotinho!!
Mr.Jones disse…
Puxa, eu achando que câmera oculta teria no mundo todo. Acredita que eu não me sinto seguro nem se quer em provadores de lojas. Certeza que naquele cubiculo apertado deve ter alguma micro camera.(seja lá o motivo qual for,"segurança ou evitar troca de peças e tal", mesmo assim é o fim da picada. Depois que inventaram Câmera digital e ocultas, acabou a PRIVACIDADE mesmo. Meus amigos ja comentaram que baixaram videos na net na categoria provadores e cabines de loja.
Nem nas praias as pessoas podem tomar um banho de mar sossegado. Se teve o azar do biquini cair, a sunga se perder...^Se ferrou...clicaram e ja será publicado na net (rindo)
Mr.Jones disse…
Oi, convidando para fazer a uma visita ao caçula(blog novo) do reino. Direcionado p/ crianças, papais e mamaes.
abraços
www.mundocoloridodieguito.blogspot.com
Somnia Carvalho disse…
Hej Lilás!

Sim... em muitos casos eu acho que a câmera já não adianta mais. Sabe? Tipo tem lá a câmera só para dizer: não se sinta a vontade, ok?

um saco...
mas entendo que em muitos casos de segurança seja mesmo necessária... fazer o que ne?
Somnia Carvalho disse…
Mariel,

acho que é isso que eu tento explicar, mas talvez só quem já passou por uma situação assim, de ficar um tempo num lugar tão seguro pode conseguir me entender...

a sensação de paz é algo que não tem explicação...
Somnia Carvalho disse…
Ah é Barbie! você gosta dos causos então?

haha... eu tenho tantos pra contar! acho que se tivesse tempo escreveria uns dez posts por dia.. sou uma contadouuuura de cauuusos..rss
Somnia Carvalho disse…
Mr. Jones, incrível! sempre penso o mesmo!

e quando tô feia no trocador eu ainda fico mais pirada! hahaha

verdade! mas eu acho que é lei avisar que tem câmera nao e??? eu achava que fosse...

claro! ja passei no filho mais novo! e e tao animado quanto o seu reino!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que