Pular para o conteúdo principal

A ginga brasileira e os olhares suecos

(Grupo de brasileiros de uma escola da cidade, jogando capoeira no centro, Malmö, abril de 2009)

Foi num final de semana desses aqui da Primavera que eu e o Ângelo estávamos passeando pelo centro da cidade. Numa das praças centrais, a Gustav Adolf, tinha uns moços e umas moças brasileiras sentados tocando o berimbau, chamando aos poucos o povo pra ver uma cena de capoeira.

A sensação super gostosa de ouvir nossa língua e de sentir-se tão em casa no meio da Suécia fez com que sentássemos ali do ladinho deles e fez com sangue brasileirinho do Ângelo gritasse forte. Ele começou a dançar feliz, assim como algumas dezenas que estavam por ali começaram a chacoalhar seu esqueleto.

Mais um e mais um grupo parando... "Capoeira. É do Brasil", alguns muito informados diziam.

E então mais alguns cinco, dez, vinte, cinquenta... Uau! Em uns dez minutos a praça juntou umas centenas de pessoas em círculo. Tudo totalmente natural, tão natural quanto se junta gente em torno daqueles caras que ficam no centro de São Paulo e conseguem juntar gente em torno deles em minutos, apenas contando "causos".

E então os morenões e morenonas com camiseta do Brasil começaram a jogar capoeira. E mais gente parando... e mais comentários e olhos esbugalhados.


(O olhar curioso do Ângelo e de centenas de passantes , Malmö, abril de 2009)

Foi tão curioso ver tantos suecos e alguns estrangeiros vendo com um olhar tão diferente para aquilo que eu já conheço tanto e me é tão familiar. A capoeira tem, inclusive, assumido uma dimensão diferente pra mim desde que estou aqui. Há capoeira na aula de body combat, por exemplo, e eles são tão fascinados que eu pensei: "caramba! como posso dizer que sou brasileira sem saber jogar capoeira?"

Bom, só sei que o pessoal ficou embasbacado. E os meninos que jogavam faziam numa discontração danada. Sem nenhum esforço. Tranquilos e falando com aquele sotaque todo nordeste: "cara tô quebrado!", disse um deles que não deu conta de fazer o salto no ar.

E eu? eu lá cantando as letras conhecidas, com o Ângelo comendo uma banana e uma pêra balançando as perninhas. E eu? eu tirei foto feito estrangeira e pedi o nome do grupo (que eu evidentemente esqueci) a um deles para escrever no blog...

Enquanto isso, no meio da roda de curiosos, os loiríssimos suecos, adolescentes ou mais velhos, parados em frente, com seus cabelos lindões preparados para "tentar pegar as suequinhas" na Primavera ficaram com um olhar tão babão, tão perdidos quase lamentando assim: "agora com esses caras de calça grudadinha, dançando assim com esse corpão moreno como é que a gente vai atrair a atenção?"

É e foi assim mesmo que eu vi na rua do lado um rapaz sueco a tocar seu violão solitário. A roda de capoeira virando a esquina havia desviado dele todos os olhares. Ninguém o ouvia, inclusive porque o berimbau, o batuque e a voz dos brasileiros tomou conta do pedaço.

(O cantor sueco solitário, perdendo na própria casa, Malmö, abril de 2009)

Foi um dia de sábado muito bonito do início da Primavera em que o Brasil invadiu a Suécia e que os brasileiros provaram o gostinho de serem os melhores entre os suecos no meio de uma cidadezinha sueca.

Comentários

Luciana disse…
Adoro capoeira, até pensei em fazer, mas me faltou coragem e tempo. Agora tá difícil.
Nossa, deve ter sido muito legal.
Espero que eles venham por aqui e que eu encontre.
Beijo
Lúcia Soares disse…
Imagino como deve ser emocionante dar de cara com um grupo cultural do país da gente. Entendo o prazer do Ângelo ao ouvir e ver, porque o rítmo é delicioso mesmo, os movimentos são um misto de luta e dança.Muito melhor do que encontrar grupo de brasileiros fazendo algazzara na rua, como dizem que os turistas fazem, pelo mundo afora.
Bom que você estava no lugar certo, na hora certa. Uma feliz coincidência.
Nossa, fiquei até arrepiada só de imaginar.
Quem nunca viveu fora do Brasil não tem idéia de como é esse sentimento de reencontrar nossos pares mundo afora.
bjks
Ju Moreira disse…
Sonia amore...Tu esqueceu de comentar uma coisinha básica: Os brasileiros estavam no sol, enquanto que o sueco solitario insistia em continuar na sombra. Tu já viu algum sueco em dia de sol não procurar uma graminha ou um raio solar para se esparramar?

Faltou um pouco de estratégia da parte dele. ;) hahha

xero grande
Anônimo disse…
Aha,ha, é isso aê! o Brasil chama a atenção onde passa! :) Fiquei com pena do cantor sueco...:)

Beijos Somnia!!! amo seu blog! toda dia dou uma passadinha aqui!!
Ed. disse…
Eu não sei jogar capoeira.
mas sei jogar beijos bem abrasileirados!

Então ai vão muitos beijos em vc e no angelito que ta uma coisa de lindinho. saudades em verde e amarelo
Mariel Stupp disse…
Que delìcia!!
Como é bom encontrar algo que nos lembra nossa terra, né?
Tem coisas que eu nem gosto, mas sò de ouvir quando estou fora do Brasil me emociono. Nao passo a gostar, mas me deixa mais pertinho do lugar, o que jà é màgico!
Somnia Carvalho disse…
Foi gostoso sim gente encontrar o pessoal, embora pra mim não tenha assim sido suuuper emocionante, porque foi aquela sensacao de sentir-se em casa, sabe? gostoso, natural mesmo!

foi super bom nesse sentido!

mas acho que embora eu ate queria, capoeira nao sera minha praia, porque eu faco uns movimentos no bodu combat e fico que nem velhinha de 90...

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que