Pular para o conteúdo principal

"Uma canção antiga"


("Zemer Atik", The Drexel University, Álbum Mediterranean Ensemble, Bill Koutsouros)

("Zemer Atik", Gustavo Bulgach)


Bom dia! 
Que sexta-feira mais linda aqui na cidade de Sumpaulu! 
Ontem choveu tudo que podia chover e fiquei ilhada no shopping Higienópolis, depois de uma consulta, porque precisava pegar uns exames. 
Tentei por uns 40 minutos conseguir um guarda-chuva lá e vocês acreditam que eles tem coragem de pedir 98 reais por uma sombrinha da China? rs... pois é! pois é! Este Brasil brasileirão muito "éstranju", dizia um amigo nosso norueguês...

Por outro lado, vejam só! Apesar da inundaçãozinha básica e do trânsito caótico, de ainda terceiro mundo nos transportes, que peguei na Barra Funda apenas um dia antes, hoje, apenas um dia depois, a mãe natureza me sorri com um dia azul, solzinho, passarinho cantando na janela... pois é! pois é! É esse Brasil brasilerão "muchu stránju", diz outro espanhol... E porque não dizer hoje: lindo!

Isso realmente a Suécia não é muito capaz de proporcionar!
Época de chuva são meses de chuva...
Época de frio são meses de frio...
Época de céu azul fica restrita a algumas semanas no ano... Lá na minha Suécia! rs...
Me lembrei hoje, logo ao acordar de um grupo brasileiro que sempre amei ouvir: Mawaca. 

Ontem, enquanto caminhava - ou nadava - pelas ruas de Higienópolis, eu cruzei com tantos judeus indo para a Sinagoga no fim do dia que fiquei inspirada. Só agora percebo...

O Mawaca, quem eu aprendi a gostar com minha amiga Jamnete lá pelos idos de 98 e já tive o prazer de ouvir ao vivo certa vez no SESC Pompeia, é um grupo formado por 8 mulheres e liderado pela pesquisadora Magda Pucci. Com um repertório de deixar os amantes da música global enlouquecidos elas buscam nas raízes de várias culturas diferentes canções vibrantes, cheias de vida e inspiração. 

É o caso de "Zemer Atik"! E vejam só que couusa mais louca é nossa cabeça! Eu busquei um CD delas que tenho, mas no meu Spotify, e a música que pegou hoje foi esta aí! Ouvi várias vezes e quis mandar no post pra vocês! Só quando fui pegar a letra etc percebi que se trata de uma canção judia! Legal né?

Não achei a versão do Mawaca no youtube, então coloquei duas lindíssimas, uma tocada por uma orquestra e outra mais popular, mas sem a voz das mulhereríssimas do Mawaca. Tentei compartilhar a versão do Spotify no meu twitter, mas o link parece não abrir... Daí lembrei de ver o site delas, as Incríveis Vozes do Mawaca, e, claro! elas disponibilizam trechos de todas suas músicas por lá.

Você pode ouvir "Zemer Atik" neste link aqui: http://www.mawaca.com.br/. Clique em "escute músicas, CDs e novidades". Depois selecione o álbum "CD plus Mawaca". É um preto, com uma lua Minguante... Clique na música e saboreie...

Curioso... Essa vivência de ontem que me levou a escolher inconscientemente uma música pra ouvir hoje e agora conscientemente me leva a escrever a vocês, também tinha a ver com o fato de ter recebido um email lindo da Nina Sena, uma leitora do blog, quem nunca comentou, mas diz se inspirar com as músicas que de vez em quando coloco e assumir pra ela muitas delas, mas gosta muito do que lê e ouve. Também blogueira, ela escreve no "Entre mãe e filha" e "Crônicas de uma Menina Feliz". Além dela, a Paloma (ai que feliz eu sou com minhas leitoras!) me mandou nos coments uma música da Elis para partilhar isso de uma música inspira a outra! A-mei! Obrigada!

Isso tudo não é lá muito fantástico?! Eu adoro! Tem músicas as quais só vim a conhecer por intermédio de blogs que leio e se tornaram parte de minha vida. Curioso e filosófico... Causalidade era exatamente o tema de minhas últimas aulas antes de ir pro hospital numa das turmas!

A Nina já me enviou também seu texto para participar do nosso concurso "Uma música, mil lembranças", o qual começou muito bem com o Super Texto do Ricardo! Tenho o texto da Nina, o da Indrig, outra leitora que chegou até aqui por conta de música e foi quem primeiro enviou o texto para o concurso! (viu! eu não esqueci não queridinha!) para publicar logo logo! Então é melhor vocês irem separando aquela música e produzindo o texto para mandar porque eu acho que este concurso vai ter muuuuita coisa valiosa pra gente viver junto e muita gente boa para ganhar obra de arte da Magnânima Somnia Carvalho! :)

Com os hormônios ainda à flor da pele vai, então, em várias versões, "Zemer Atik", a letra original e as traduções abaixo pra vocês, porque cada povo tem dentro de sua cultura coisas tão lindas como parte de sua história que só pode valer muito a pena a gente ter contato com tudo isso! E só temos mesmo que aproveitar tanta tecnologia a serviço dessa intensa troca cultural!

Ótima Sexta-Feira! Quem sabe semana que vem eu tenho uma tela para vocês! Afinal eu já estou começando a melhorar e já não tô mais tão estranha... como cantava o Dalton... ui que véia! 

Somnia.


Zemer Atik
(Dança tradicional israelense)

- No original, em macedônico, acho -

"Od nashuva el nigun atik vebazener yif veye ëerav
Od gavia meshumar nashik, nashik, alizei einayim ulevav
Tovu, tovu ohaleinu. ki machol hiftaiía
Tovu, tovu ohaleinu, od nashuva el nigun atik."

...

Ancient Melody

"We will return again to an ancient melody
and the song will linger on. 
When we raise our glasses together 
our eyes and hearts will be bright. 
How good are our tents 
because there's dancing there. 
How good are our tents, 
Still we return to an ancient melody 
and the song will linger on." 

...

Canção Antiga

- Traduçãozinha minha do inglês para o português -

"Vamos nos voltar de novo para uma melodia antiga
e a música ainda se manterá.
Quando nós levantamos nossos copos juntos 
nossos olhos e corações se tornarão brilhantes. 

Como são boas as tendas,
porque há dança lá. 
Como bom são as tendas, 
Vamos ainda retornar a uma melodia antiga
e a música ainda se manterá."



Comentários

Nina disse…
Vc inspira!!!e traz coisa novas, isso é bem legal...

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que