Pular para o conteúdo principal

Diário num Exílio (Radioativo): dia 3

(Sad Hulk, in: Digital Bus Stop)

Depois do Lexotan do dia 02 bemmmm... eu.... fiquei o dia meio abestalhada. Não é à toa que a personagem do Terça Insana conseguiu tanto material para aquela peça! Bemmm... eu demorei umas horas pra acordar direito e tive alta do hossspital. Eu tomei um táxi. Me sentei na diagonal do taxista, como indicado pelo físico nuclear. Foram só 4 quadras até o hotel. Acho que não matei o homem! Então... bem... eu cheguei no flatezinho que eles dizem chamar-se Higienópolis e entendi que ele fique quase dentro do Minhocão. Ainda assim... bemmmm... Eu precisava comer. Eu tinha recusado o almoço branco, pálido e radioativo do hossspital e tava com o estômago nas costas. Eu fui descer o elevador e um homem saiu do seu apê com seu filho... Eu olhei logo pra ele e disse: "Não vem comigo, porque eu tô doente! Desçam no próximo!" Bem... aí ele fez uma cara de susto! Mas eu protegi o moleque dele! ... Então, eu saí e eu fiquei feliz de subir a Ângélica no meio da tarde e andar pelo bairro mais lindo de São Paulo. O efeito do tranquilizante finalmente tinha passado e estava por mim mesma. Então, bemmm.. Notem que o efeito do tranquilizante passou, mas não a influência de Abili Dorel... fui andando assim fugindo de todo mundo nas ruas. Quase como se tivesse lepra invisível. Difícil porque brasileiros andam de mãos abertas e não se importam em empurrar você na calçada... Aí, meu... eu ia pra rua! E se visse uma criança, o que vi poucas, ou grávida eu atravessava a rua... Fiz isso, consegui chegar num TrashBonalds e pedir discretamente, quase como uma ladra sussurrando: "Moça, tô doente, você precisa me passar um mc cheddar com coca zero. Tô o dinheiro! Espero lá!". Bem... aí eu saí com meu pacotinho, sentei-me numa escadaria de onde eu avistava o povo saindo do shopping Higienópolis. Comi sozinha. Devorei aquele lanche todo. E bem... aí eu me senti um pouco deprê. Claro! Porque onde é que se quer estar neste momento? Em casa com os pimpolhos lindos. Facetas rosadas me beijando. Ali eu era uma fujona sem poder relar em ninguém... Sim foi deprê. Bem... então me dei conta que estava acontecendo. Depois de 1 mês sem tomar hormônios... Bem... Tentem entender... uma pessoa normal tem sei lá aquela porra de T3, T4 entre 0,46 até 4,0. Se ela estiver perto do 4,0 ela está com hipotiroidismo. Lenta! Manja? Esta pessoa vai ficar muito lôca de podre! Com sono, com cansaço, deprimida, cérebro falhando, memória fraca... suor etc. Então os médicos vão receitar hormônios pra ela. Bem... Eu estava, uma semana e meia atrás, com... Pasme! Isso faz cara de horror! Eu estava com 80,0. É sério! Cê consegue imaginar o quanto de lôca de cansaço que eu tava? Por que eu párava as aulas e olhava pros alunos dando exemplo do que era cortar o rabo do macaco para explicar o que era sentido literal e simbólico? Bem... depois de tudo isso eu pensei que sou mesmo uma Super Heroína. Já era antes dos poderes radioativos. Bom... voltando então... onde eu tava? Bem... eu então me dei conta que a deprê vindo assim me tomar naquela calçada em Higienópolis tinha a ver com o fato da médica ter me dado meio comprimido de Synthroid, meu hormônio, no período da manhã. Segundo ela, do jeito que andava meu metabolismo sem remédio um mês, se eu tomasse a dose toda que tomo (125 mg) eu tinha uma parada cardíaca. Contece então que meu metabolismo quase morto passou de 80 para sei lá quantos! Comecei a sentir de tudo! O mundo! Tudo! Bem... aí eu comecei a ficar muito cansada porque estava trabalhando por dentro! Muito grogue! Muito lôca! E eu que pensava que a radiação do Hulk me faria mal! Que nada! É o que me acontece toda vez que inicio estes hormônios pra substituir minha falecida Borboletinha. Sãos uns 4, 5 dias muito lôca daí volto a ser normal! Quem sempre fui! Bem... não se pode culpar a medicina que me salva! Deixa eu falar... Bem... aí eu tava com fome né?... Mas não podia comer no hotel! Eles não tem serviço de quarto e bem... eu só fiquei sabendo depois que estava aqui... O restaurante tava cheio de gente e até pensei em irradiar todo mundo com meus poderes, mas desisti. Aí eu saí caminhando de novo apreciando o ar da noite e pedi um sushi num restaurante meio podrinho... Pedi meio do lado de fora e fiquei esperando na rua... Sempre assim! Peguei o pacotinho e devorei salmão no hotel... Fiquei no facebook, no blog até onze e meia... Me dei conta que era tarde e caí nos braços de Morpheu... Dessa vez... por minha própria conta, sem Lex, sem nada! Acordei hoje as nove e cinquenta da matina... E pensei: putz! Há cinco anos, desde que fui mãe, que eu não faço uma coisas dessas! Acordar as dez da manhã! Não se pode mesmo ter tudo!

Comentários

Danissima disse…
minha querida amiga borboleta radiotiva,
fiquei com pena de vc comendo mc e sushi sozinha. As vezes, é bom estar sozinha, né? mas imagino que vc esteja ficando cansada da situaçao...
quantos dias mais?
domingo vc estara em casa, nao?
vai se afundar no chocolate?
beijios
Marcela Orsini disse…
Te desejo muita forca e luz nessa experiência que está tendo. Bjs e boa recuperacao. Marcela.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que