Pular para o conteúdo principal

Diário num Exílio (Radioativo): dia 4



Hormônios à flor da pele. Emoções jorrando escada abaixo. O corpo tenta entender o terrível e (não seria bom?) impacto da volta dos hormônios dentro dele. Cansaço, inchaço, de saco na lua! Chora. Se arrasta pelas ruas para comprar um lanche. Os hormônios é que estão fazendo isso comigo? Come feito vira num cantinho. Facebook. Volta. Deita. Dorme muito. Acorda. Facebook. Tanta gente me faz companhia. Fala com um e outro. Facebook. Por sorte existe este mundo virtual. Inteligente o loiro chato de cabelos cacheados! Chat. Chateia. Chato. O dia não passa. Choraminga. Quero meus dois! Quero meus três! Facebook. Fala. Ri. Algum telefonema. Conversas boas. Escreve. Pensa. Blog a todo vapor radioativo. Facebook. Facebook. Facebook. É só o que me resta? Saudades de casa. Xororôs. Aguarda por visita e  encomendas na calçada da Angélica. As pessoas passam. Apressadas. A noite chega. Vão pra onde? Voltam pra onde? Pensam o quê? Saint-Exupéry tinha razão. Não sabem de onde vêm. Não fazem idéia pra onde vão! Os carros buzinam. Os ônibus lotados. Os passos rápidos. Sou Wim Wenders observando o mundo. Sou uma cineasta atenciosa. Por este prisma, o mundo é lindo. Ah! A beleza do segundo! Ao mesmo tempo não estou no mundo. Sentada ao longe, só, na calçada. Ninguém sabe de mim. Só quem não está no mundo consegue observá-lo. Uma, duas, dez fotos. Observo. Um filme. Uma esquina. Ninguém me vê. Não sabem nem deles mesmos? Ai meu Deus! Estou tão fora do mundo. Conseguirei eu voltar a habitá-lo? Como se faz para ir pro mundo real? De novo! Chegam provas de alunos. Não consigo! Ganha jantar entregue à distância pelo amor da vida. Ganha chocolates especiais. Se delicia. O amor é magnífico e tem gosto de bolo de chocolate molhadinho da Jean et Marie. Distância. Retorno ao exílio. Facebook. Xororô. Facebook. Êpa! Não entendo! Não consigo sair. Quem sabe de mim? O Facebook! Quem fala comigo? O Facebook. O Facebook me engoliu? Ele me engoliu? Eu só existo no Facebook! Eu sabia daquele loiro horroroso! Eu sabia que não poderia confiar nele! Como saio daqui agora? Fiquei tanto tempo que não sei mais de mim aqui fora. Existia lá. Existi tanto. Agora não existo mais fora? Quem sabe de mim aqui fora? Choro. Vazio. Dorme para a sexta chegar logo e voltar pra casa! O dia 04 foi o dia de fato triste do exílio. Ainda bem que está quase, quase no fim. E finalmente... o dia chega!

 
 (Fim de tarde, Avenida Angélica com Minhocão, april de 2012, 4o. dia do exílio, foto de Somnia Carvalho)
 
(Início de noite, Avenida Angélica com Minhocão, april de 2012, 4o. dia do exílio, foto de Somnia Carvalho)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que