Pular para o conteúdo principal

Como blogueira virei uma péssima respondedora de emails...


O email também morreu?

Não sei quanto a vocês, mas tenho me tornado cada vez mais péssima para pôr meus emails em dia.

Provavelmente tem a ver com falta de tempo. Depois de ter filho percebo que aqueles emails gigantes nos quais eu elocubrava sobre a vida de quase todas minhas amigas e também sobre a minha parou quase completamente. 

Tem a ver também com o fato de ter me mudado para a Suécia há dois anos e meio e ter me distanciado da vida real dos amigos, portanto, o email acabou se tornando um meio mais ou menos superficial de manter contato, já que eu preciso manter toda a relação virtual e não só um pedacinho dela.

Isso pode ser explicado também, segundo meu marido tecnologizado, através da mudança que vem ocorrendo de comportamentos. O email, para milhares de adolescentes e jovens, já tem sido visto como algo ultrapassado, velhinho assim como as cartas. E gente que tem usado de outros meios mais rápidos e dinâmicos de comunicação, como os sms dos celulares, sites de perfis como orkut e facebook e blogs (como é caso de moá) não tem sentido mais desejo de escrever e responder emails.

Sim! É verdade que não sou mais adolescente, nem jovenzinha, embora me sinta como tal, mas segundo Renatão, eu (e vocês amigos e amigas blogueiras aí) me encaixo no perfil de gente bem moderna em comunicação.

Creio que meu caso se explique por todas essas e algumas outras razões ainda. 


O blog do ciúme

Um outro fator interessante e que foi me dando bode de responder emails foi que, mesmo após ter enviado a muitos amigos o endereço de meu blog, eles terem me escrito várias vezes com perguntas do tipo: "E aí Sônia, como anda a vida na Suécia?"...

Okey! Eu entendo que escrever no blog não é a mesma coisa que falar diretamente com cada um, mas se o blog, que traz aquilo que mais tem me interessado a cada momento, não interessa a quem gosta de mim, o que posso esperar então? Preciso escrever contando como anda a Suécia e enviar foto pessoal para cada amigo querido? Bom, a vida anda meio corrida e aí, como eu já disse, cai em outro problema.

Minha amiga alemã, Nikol, me disse que ele adora usar o facebook. Eu uso também, mas não tão bem como poderia. Segundo ela, o blog é algo sobre mim e no facebook eu posso saber dos amigos. Sim! É verdade e eu gosto. Deixei de usar o o orkut por todos os motivos anteriores também e porque comecei a ficar com preguiça de responder comentários repetitivos como: "E aí, tudo bem?". Ainda assim eu sei que poderia sim me dedicar mais a isso, mas não me dedico. 

Se não escrever email, perder o interesse por orkut etc pode ser falta de interesse nos outros então me pergunto: seria eu ou muitos dos blogueiros egocêntricos?

Falamos nós apenas do que nos interessa e o resto não tem pressa nenhuma?

Sei não. Pode até ser, mas não somos os únicos a sofrer desse mal.
Mesmo amigos e amigas queridíssimos meus sofreram com o meu interesse pelo meu blog ou ainda sofrem. Alguns me confessaram, inclusive, o quanto sentiram raiva, ciúme ou tristeza quando viam que eu vinha até aqui e falava de algo nada a ver, mas não "tinha tempo" para escrever para elas.

Mesmo quando eu, tentando tirar forças de onde eu não tinha, escrevia algo mais animador e alegre, alguém entendia que eu não tinha problemas e que estava sendo egoísta de pensar só nas minhas férias ou na minha vida na Suécia. 

Lembro de uma querida amiga que passou um bocado de tempo chorando a troca de sua faxineira, quando eu não tive tempo de falar que vinha me matando para dar conta do neném, casa, escola e tudo aqui sozinha, sem família no inverno, mas como eu só havia dito no blog que tinha ido viajar, ela deduzira que comigo, claro! estava tudo sempre ótimo.

Houve vezes em que até mesmo pensei eu em deletar o tal blog do ciúme, já que gente que eu adorava ficava maior triste de ver que eu viajava e estava super mega ultra feliz (coisa que elas, na verdade, imaginavam do pouquíssimo que eu escrevia aqui), enquanto elas sofriam que só sem que eu me mostrasse solidária.

A verdade é que o blog do ciúme tem um pouco de realidade e tem um pouco da Sônia, mas é pouco demais para conseguir causar esse furor todo. Eu não consigo fazer do blog um diário. Eu acho um porre diário, para ser sincera. E eu sou Polyana mesmo! Eu não tenho vontade de falar quando p da vida, eu gosto de tagarelar quando feliz... Sou assim!

Daí que pensei que "dane-se!". Quem quisesse pensar que eu não me importava, quem quisesse concluir que eu não tinha mesmo nada para fazer na fria Suécia e por isso vivia escrevendo, que pensasse! Eu, por minha conta, continuaria escrevendo o que me interessasse e trocaria com quem estivesse a fins de.

O que concluí é que meus interesses são muitos. Talvez por isso, inclusive, pincelo alguns blogs por semana e acabo escolhendo os temas de cada um segundo meu interesse do dia ou da semana. Tem dias que quero escritas suaves e animadoras. Tem dias que quero idéias críticas e audazes. Tem dias que quero poesia e música e em outros cores e idéias para decorar e criar. Não consigo visitar os blogs que gosto diariamente. Admiro quem consegue, mas eu não consigo admistrar meu tempo mais do que isso. 

Tudo isso é totalmente normal, mas como vocês já sabem que adoro um chicotinho nas costas, fico me punindo diariamente com a idéia: "Não escrevi ainda para fulana!" "Não respondi aquele email da ciclana!" "Preciso contactar minha querida fulana de tal..." "Preciso perguntar como foi a viagem de ...."

Os emails não vão e a culpa fica. Não porque acho que eu seja obrigada a fazê-lo, mas porque adoro demonstrar amor por quem eu realmente me importo. Entretanto, contudo, todavia, vou empurrando com a barriga e, encontros mesmo, eu só tenho com os amigos do Brasil e que vivem em outros países, quando volto a minha terra duas vezes por ano, ou quando eles me visitam. 

A maior parte dos meus amigos e amigas não me escrevem mais. Não sei se porque eu não escrevo ou porque, eles próprios, também estão vivendo o desinteresse pelo email.

E mais um dia e noite se vão sem que eu cumpra o item eterno da lista de tarefas. Ao invés disso, depois de tomar meu banho quentinho e por meu pijama listrado, sento na minha caminha limpinha, da qual troquei todos os lençóis e capas de edredon. Me aconchego no meu quarto cheirosinho que limpei até agora pouco, ligo a luz do abajur e escrevo um post como esse. Meio sem pé nem cabeça, mas que continua a me coçar nos dedos mais do que qualquer outra coisa...

Como blogueira virei péssima respondedora de emails também porque escrever aqui é bão que é uma coisa... E viceia que é uma praga...


Comentários

Anônimo disse…
Eu tou recomeçando a escrever e-mails, para não ser só blog e Facebook. Mas falta de hábito, nossa ! :-P

Posso adicionar você no FB ?
Camila Hareide disse…
Blog viceia mesmo! Eita nóis, eu também não escrevo mais muito e-meio não....

beijo
Lúcia Soares disse…
Me vi em você, Sônia! Às vezes me encontro com alguém da família, ou amigos, que me perguntam algo e digo: contei lá no blog, você não leu? E a pesssoa logo muda de assunto...Por isso falei a bem poucos da família sobre o blog.
Diferentemente de você, eu escrevo melhor sobre meus problemas que minhas alegrias...
Mas é isso, as pessoas sempre acham que a grama do vizinho é mais verdinha, isso é um fato incontestável. Bj
Beth/Lilás disse…
Bão, seguinte: tô que nem você.
Minha caixa do yahoo tem 124 emeios, acredite se quiser. Não tenho mais saquinho para abrir aquele monte de emails com anexos que demoram às vezes mais de 2 minutos. E o pior é que não tenho coragem de falar isso pros meus amigos que sempre me enviaram isso.

Mando ainda alguns emails para contato de algo que vou fazer ou quando quero conversar algo particular com amigas blogueiras ou família, mas te digo uma coisa, fico decepcionada com aquelas pessoas que não se renovam, que continuam achando que lá no orkut é que tem tudo de bom para se ver e fazer na Net.
E sabe do que mais? Eu tenho muito para dizer sobre esse assunto, então vou ali, bolar um texto para expelir todo este fel amargo que me corrói a alma. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


beijos cariocas
Beth/Lilás disse…
Oooooooops! Eu queria dizer 1240 emails!
Somnia Carvalho disse…
Jo Ann queridoca,

eu tambem quero tentar, alias me prometi escrever cartas pra minha sobrinha e nunca fiz.. ela ja me mandou mas eu...
Somnia Carvalho disse…
Camila,

viceia! e to viceiando nas musicas que vc anda colocando la no seu pedaco... sou safada, andei entrando e ouvindoa s musicas, mas nao comentei nada depois... so aproveitei do que vc ofereceu... rs
Somnia Carvalho disse…
Lucinha,

engraçado voce falar mais das agruras e eu das alegrias nao?

eu nao sinto motivacao em falar quando to de saco na lua... hehe

então... eu ate entendo que o blog nao deve ser uma obrigacao pra quem quer saber de mim... mas se quer saber algo tao generico, entao eu nao preciso ter tanto trabalho ne? rs
Somnia Carvalho disse…
Lilasissima,

uauuu! quanto email!!!

deleta tudo que forward! haha...
eu ja ha alguns anos so deleto o que vem encaminhado... dane-se quem mandou... nao quero mais saber... normalmente entre 1000 emails desse um pode ser mais ou menos interessante...so! eu nao perco tempo!

betissima, e cade o texto azedo? eu nao vi nada azedo no seu blog? hahaha fui la seca procurar pra ver se voce tambem mostrava o fel! mas non achei! so eu fico de ruimmmmm snif snif
lola aronovich disse…
Somnia querida, chegando atrasada por aqui, pra variar. Mas me identifiquei totalmente com este post, a começar pelo título. Antes de ter blog, eu escrevia looooongos emails, principalmente pra duas amigas. Depois do blog, isso acabou (bom, uma das amigas não respondia nunca, e a outra começou a trabalhar duro e teve que parar de escrever, e até de ler, esses emails gigantescos, então acho que minha onda de emails quilométricos acabou antes do blog). Mas isso que vc disse tb me espanta: o caso de muitos dos nossos amigos pessoais ignorarem totalmente o nosso blog. Pô, nossos blogs são bem pessoais, a gente tá sempre falando da gente e da nossa vida. Vc ainda inclui montes de fotos recentes. Pra quê repetir tudo que falamos no blog num email?
Vez por outra encontro um amigo que não vejo faz tempo, e ele quer saber como vai a vida. E eu pergunto: pô, vc não lê o meu blog? Sabe, entra lá uma vez a cada quinze dias, que tá tudo lá... Muito estranho. Acho que é um desejo pela exclusividade mesmo.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que