Pular para o conteúdo principal

O que você vê nesta obra? "Garota na ponte", de Edvard Munch

(Garota na ponte ('Mädchen auf der Brücke') Edvard Munch, cerca de 1900, foto de Hanneorla)

Infelizmente já se passaram cinco meses desde que eu postei a última tela na seção "O que você vê nessa obra?". O curso de sueco intensivo me tomou todo o tempo de visitas a museus e aí faltou inspiração para continuar, já que os museus me são uma fonte de inspiração para muitas coisas. Entretanto, como disse rapidamente num outro post, estivemos em Hamburg, no norte da Alemanha semana passada e visitei o Kunstalle, um museu muito bom, que me surpreendeu bastante pelo acervo importante que tem. Não gostei e não gostamos de Hamburgo, no geral. Tudo muito grande e difícil de ir, mas do Museu uau! Babei...

Lá pude ver algumas das obras pelas quais sou louca de amor e conhecia apenas de ver e ler nos meus livros. Entre outras telas fantásticas como algumas de Chagall, Kirchner, Rottluf e Nolde, tive o prazer de ser apresentada à "Garota na ponte", de Edvard Munch.

Sobre esse intenso artista norueguês (cuja biografia "Behind the scream", meu Renato me trouxe de presente de Oslo, direto do Museu Munch) há muitíssimo para a gente falar, ao menos tentar. Por agora vou deixar que ele fale por si mesmo através desta tela. Quero primeiro ouvir o que vocês acham, o que sentem ou sabem da obra.


(Detalhe da tela "Garota na ponte" ('Mädchen auf der Brücke'), Edvard Munch, cerca de 1900, foto de Renato Cechetti, Kunstahallen, Hambug, agosto de 2009)

De novo o que vale é o que a obra passa pra cada um. Vocês podem acrescentar o que vêm na obra com o conhecimento que tem de mundo, de outras obras de arte ou do artista. Podem simplesmente dizer se vêem alegria, tristeza, beleza ou feiura, tentando mostrar o que no quadro sugere essa idéia. A cor? O lugar? A forma como foi pintado? O que há nesse quadro de Munch que lhe faz ver o que você vê?

Eu sei que a maioria de vocês não lida com obra de arte no dia a dia, mas é um exercício de reflexão. Pensar uma obra como essa e pensar o que ela passa pra cada um é também auto-conhecimento. A arte fala coisas sobre o mundo e sobre a gente mesmo.


Então, é legal quando vocês dizem se gostaram ou não, mas para gerar conversa e reflexão é é legal que vocês digam também o porquê. Vocês podem se guiar, por exemplo, por alguns detalhes. Alguns de vocês "viajaram na maionese", como vocês mesmos disseram, nas últimas telas, mas isso é já um começo.

Pensem na época também que isso deve ajudar...

Vamos lá! Não me deixem sozinha nesse nosso passeio por museus virtuais! Depois que vocês se manifestarem eu conto como foi ver a obra ao vivo e a gente tenta aprender um pouco mais sobre o Munch juntos. Agora eu passo a tela...

Comentários

iscadeleopondo disse…
estranho... primeiro pareceu que a garota loira com o chapel na mão parecia entediada, como se estivesse esperando alguém para poder voltar para casa, mas depois passou a aparentar estar triste...

Acho que ela está esperando a amiga que está com um cara que ela também gosta, mas que nunca trairia a amiga (ou quem sabe irmã?!) e num tentaria ficar com o carinha...

Enquanto tem 2 desocupadas que num estão fazendo nada do lado dela, talvez fofocando, fazendo a jovem que eu considero a principal, ficar mais entediada ainda...

hahaha, viajei legal agora... ou estou vendo muita novela das 7...
Até mais ^^
Anônimo disse…
Começando a minha viagem...
Pra mim a garota loira està em conflito. Ela leva a mesma vida regrada e pré-definida pela sociedade da época que as outras duas amigas, mas as outras duas vivem em aceitaçao, enquanto ela, em frustraçao.
Cenas da minha pròpria vida na adolescencia, quando ainda morava em cidade pequena e me incomodava ver todos fazendo tudo igual sem parar pra pensar se era realmente o que queriam? Talvez, mas foi a primeira coisa que me veio a mente vendo a expressao da pobrezinha.
Anônimo disse…
Começando a minha viagem...
Pra mim a garota loira està em conflito. Ela leva a mesma vida regrada e pré-definida pela sociedade da época que as outras duas amigas, mas as outras duas vivem em aceitaçao, enquanto ela, em frustraçao.
Cenas da minha pròpria vida na adolescencia, quando ainda morava em cidade pequena e me incomodava ver todos fazendo tudo igual sem parar pra pensar se era realmente o que queriam? Talvez, mas foi a primeira coisa que me veio a mente vendo a expressao da pobrezinha.
Anônimo disse…
Ixi..quero pedir desculpas..achei que o botao "publicar comentàrio" nao tivesse funcionando e tanto nesse post como no de cima eu publiquei repetido! Pode apagar tanto o repeteco como esse, e vou tomar mais cuidado, confiar na màquina! ;)
Beth/Lilás disse…
Weel,parece que a moçoila de branco não tem o mínimo interesse pela paisagem que as outras duas estão absortas vendo, tanto é que ela está de costas para a paisagem, pensando talvez na noite caliente que teve ontem ou que não teve, daí esse olhar nostálgico, distante.
Bonito quadro do Munch e sei que a minha interpretação não deve ter nada a ver, afinal o cara passa muito do interior psicológico de cada um e aquele dele do Grito, apesar de achar feio, fica nas idéias para sempre. É, sem dúvida, um pintor fantástico e impressionista.
bjs cariocas
Mari disse…
A principio eu achei que ela estaria entediada, mas quando olhei a pintura em tamanho maior, ela me pareceu bem triste. Ela certamente não queria estar ali naquele momento, mas eu diria que sua tristeza tem algum outro motivo.

Que coisa mais dificil!!! Aproveitando: hj eu vou ao Royal Ontario Museum, aqui em Toronto. Vou me lembrar de vc e tentar desvendar o que está por detrás das telas, rs.

bjs
Maariah disse…
A rapariga de branco está, mas não está. Fisicamente está ali, na ponte, mas mentalmente não está. Acho que não está em lado nenhum. Por qualquer razão, ela simplesmente ali. Não está a pensar em nada, a decidir nada, acho que talves nem esteja triste com nada. Acho que o que a incomoda tem uns contornos que a fazem desistir. De quê? Não sei. Mas se ela estivesse, sei lá, a pensar algo, podia estar a olhar para a paisagem, tal como as outras duas, ou até mesmo como está, mas não com um olhar vago, fixo em nada.
Somnia Carvalho disse…
Pessoal,

Esses comentários estão muuuito bons! juro!!!

fui pra Paris e li alguns antes de ir, fiquei pensando no que vcs disseram! alguns tiveram sacadas maravilhosas e ai me fizeram viajar na maionese la pelo museu d orsay tambem...

eu nao vou responder aqui porque os comentarios vao virar o post sobre o quadro ok?

PODEM MANDAR MAIS COMENTARIOS QUE TAMU ESPERANDO

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que