Pular para o conteúdo principal

"I love Paris..." sem querer causar inveja...


Pessoar bom de prosa,

A caipira aqui vai alçá voú sozinha amanhã...

Será a primeira vez que viajo e passo a noite sem o meu Ângelo, desde que ele nasceu há dois anos e um mês atrás. Simmm, simmm é verdade. 

Eu sei que pode parecer rííídiculu para quem não tem filho pensar que isso signifique realmente algum passo, mas é. E não é fácil de dar. Ficar sem meu marido nunca foi problema. A gente viveu o namoro de 6 anos sempre separado, cada qual trabalhando, estudando numa cidade. Casados, ele viajava direto e eu tinha as vezes uma semana, duas para programar qualquer coisa que quisesse fazer. Eu também já o deixei para borboletiar pelo mundo, mas com o Anjo mudou tudo.

Esse cordão que eu venho tentando cortar e vou tentar cortar o resto da vida é grosso que só sentindo. E quem primeiro me incentivou a alçar vôo para uma terra que eu amasse e fosse pertinn daqui foi o amorzão da minha vida, o Renato. Como ele não gosta de repetir destinos, mesmo que o destino seja? Parrrriiiii... então, eu repito. 

Estive em Paris pela primeira vez em 2002 com esse amor aí. Desde então nunca mais fui a mesma. Amo a cidade. Acho linda. Não tenho problema com os franceses, embora eu nem fale francês, só engane. E não tenho problema com as baguetes debaixo do suvaco ou mesmo com as baratas que poderiam assustar minha cunhada Dri, que já chegou pelas bandas e com quem vou me encontrar lá.

Paris, para mim, é o lugar mais lindo que já fui... Eu sei que parece clichê, mas é assim... Conheci inúmeras capitais da Europa e é claro que eu não posso comparar com o que não conheço, mas dentro da minha pequenina experiência é demais!

Levou um ano para eu aceitar a sugestão do marido amigo. Agora me sinto conseguindo deixar o Ângelo sem achar que sou a única responsável pela felicidade e bem estar dele. Eu não sou, mas toda mãe é idiota suficiente para achar que é. E consigo achar que ele não vai sofrer e que eu vou ficar bem. Consegui decidir e vou bonitinha com minhas milhas. Ainda tenho dinheiro para gastar que o Estado sueco depositou na minha conta porque, como mãe na Suécia, a gente ganha um salário para cuidar do filho por um ano. Então, ontem chegou minha devolução do imposto de renda. Não é supimpa!? Ainda posso comer uns crepes deliciosos e dar uma bizoiada nuns vestidos coloridos, nuns livros do museu mais lindo do mundo, o Museu D´Orsay. Precisaaar do cheque que chegou eu não preciiiiso, mas é uma delícia saber que é meu.

E só para completar a óperazinha mistura com novela mexicana eu hoje fiquei no maior xororô. Claro! Tem escolha que não passe por indecisões e culpas? Não! E não era só por deixar os dois grandes amores, mas porque tava com saudade de minha mãe, minha família e tal... e tem dias que nem uma viagem a Paris parece perfeita... 

Inventar drama do que deveria ser uma festa só não dá não é? 

Daí pus na minha vitrola moderna o DVD lindíssimo e inspirador da Vanessa da Mata (Multishow ao vivo), que minha sogritia me enviou e sacudi a poeira, dei a volta por cima.

Esse DVD parece que me resgata das profundezas do meu eu. A Sônia que amava a Vila Madalena e seus vestidos e bares descolados. A Sônia que pintava no ateliê da Eloísa e vendia alguns quadros. A Sônia que professora de redação, saia-se bem em qualquer conversa, discussão ou apresentação. A Sônia que um dia caiu de amores pelos impressionistas do D´Orsay e mudou o tema do doutorado de Adorno para Anita Malfatti. E é essa Sônia que vai embarcar no sábado de manhã. Essa que ama de loucura o filho mais lindo do mundo com o marido mais fofo do mundo, mas que pode e deve ter momentos só seus, porque foi por essas e outras que um dia esse triângulo começou...

E eu só tô aqui cantando que nem a Ella Fitzgerald... "I love Paris in the spring time..." lá lá lá...




I love Paris in the spring time
I love Paris in the fall
I love Paris in the summer when it sizzles
I love Paris in the winter when it drizzles

I love Paris every moment
Every moment of the year
I love
Paris, why oh why do I love Paris
Because my love is here


...

Atualizando...

Gentemmm só para dizer que tem tanto comentário legal deste e dos outros posts abaixo e eu havia programdo de responder antes de viajar, mas agora já são onze e tanto da noite e claro que deixei pra arrumar tudo em cima da hora... De modos que agora tenho que ir dormir para madrugar amanhã no aeroporto. Beijos, pensarei em vocês enquanto estiver caminhando pelo Senna, ouvindo francês pela rua e tomando um vinho com a Dri. Depois eu volto pra cada comentário carinhoso que foi feito aqui. Bom fim de semana!

Comentários

maria disse…
eu tambem amo paris. e adoro essa musica. ja fui la umas 8 vezes.e nao me canso. se vc gosta de impressionismo vale a pena visitar o museu marmotan.la esta o maior acervo de obras do monet.o museu quai branly,pertinho da torre, tb eh maravilhoso.cheers!!
É difícil realmente, mas vamos combinar, Paris vale a pena ein? rs.
bjks
Anônimo disse…
Se divirta !
Pena que não vou estar em Paris para comer uma crêpe com você !
Beijos !
Camila Hareide disse…
Ah, Paris é uma festa! O Museu D'Orsay é uma festa! Os cafés são uma festa. E a culpa, menina, faz parte! Afinal, fomos criados numa cultura que a promove (o maior país católico do mundo, né? "Arrependa-se" e blablabla). Mas é bom começar a cortar seu cordão, e nada como uma viagem à cidade-luz para isso! Se afunde nos queijos fedidos e nas jarras de vinho da casa, e nos croissants, madeleines e macarrons e baguetes à lá suvacô. Ai, que inveja!

Divirta-se, muito!
Anônimo disse…
Totalmente contra a intençao (ou nao!!): causou inveja!
Causou a maior inveja porque Paris é a cidade européia que eu nao conheço e que mais quero conhecer!! Espero ver tudo o que encanta o povo nossos pròximos meses.
Confie que o Angelo vai estar bem, descobrindo o mundo dele e de braços aberto quando a mamma dele voltar, com as baterias recarregadas pra dar ainda mais amor (possìvel?) pra ele.
Uau!! Parabéns pela escolha!!

Não se sinta culpada por nada, ele também tem o pai que também é responsável por não só passar alegrias, mas para ensiná-lo o caminho que deve seguir para se tornar um homem feliz e de caráter!!

Faça sua viagem maravilhosa e volte muitooo feliz para seus amores, e para nós aqui, amantes dos seus escritinhos que são deliciosos e nos fazem viajar para esse delicioso mundo da verdade e do amor!!

beijos e Boa Viagem!!

Ah tire muitas fotos, heim??
Ju Moreira disse…
A forma como vc descreve Paris é a mesma que descrevo Estocolmo. Amo Estocolmo. P mim, uma das mais belas cidades pelas quais já passei. :)

Mas aproveita bastante Paris! E, por favor, mata saudades por mim dos cafés deliciosos q sinto tanta falta. :)

Divirta-se querida... ;)
Daniela disse…
Eu não conheço muitas capitais da Europa, só algumas...rsss...mas Paris é D-I-S-P-A-R-A-D-A minha preferida!!!

Amo, amo, amo, amo Paris. Estive duas vezes e é o lugar pra onde eu SEMPRE quero voltar. Só andar naquela cidade me deixa com a alma feliz.

Aquela torre piscando foi a coisa mais linda que eu vi na vida.

Aproveite Paris e não se culpe. A mãe do Ângelo sempre vai ser melhor mãe do Ângelo depois de uma viagem a Paris :-)))

Divirta-se!
Beth/Lilás disse…
Ai que deu uma invejinha mesmo, daquelas brancas sabe cumé!
Todas já falaram tudo e só posso dizer que você é admirável com seu pensamento amoroso e ao mesmo tempo libertário - vá com Deus e divirta-se muito!
bjs cariocas
Mari disse…
Esta história de cortar o cordão umbilical é complicada. Ainda hj eu fico toda saudosa quando as crianças saem de perto de mim e sempre fico com peso na consciencia quando não os levo comigo a algum lugar, mesmo sabendo que eles não vão se divertir!!!
Mas Paris é realmente linda e merece o sacrificio. Eu só fui uma vez mas morro de saudades. Dos poucos lugares que conheci no mundo, é sem duvida alguma o que mais gostei.

bj e boa viagem
Beth/Lilás disse…
Bom Dia, borboleta passeadeira!

E aí, já chegou?
Conte prá nós tudo, não esconda nada.
bjs cariocas
Maariah disse…
Somnia,percorro os teus post, um atrás de outro, quero dizer alguma coisa. Gosto de ler mas tenho sempre dificuldade em participar. O interessante do blog, para além de uma pessoa que me parece muito bem formada, é também os assuntos e as discussões que aqui encontramos.
Este post por exemplo, eu não sei se vou ter filhos, não faz parte dos planos, mas nunca se sabe. Então, se chegar a ser mãe quero ter a capacidade que aqui demonstras. Não tenho filhos mas sim, entendo o quão dificil possa ser dar este passo. Mas é a capacidade que tens para o dar que demontra a óptima mulher que és.

Em relação às discussóes aqui gerados, vou já, já participar no post sobre o quadro de Munch.
Eveline disse…
Oi amigam tudo?
Nossa, Paris é meu sonho de consumo, um dia ainda vou conhecer, faço curso de francês só para o dia que puder visitar a cidade aproveitar o máximo minha viagem.
Curta muito e aproveite ao máximo, tenho certeza que quando voltar será muito bem recebida pelos teus amores que estarão morrendo de saudades.
Beijos e muita luz.
Eveline

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que