Pular para o conteúdo principal

Com quantos botões se faz uma homem e uma mulher?

("Life Explained: as diferenças entre homem e mulher", por Cliff Pickover)

É claro que eu não lembro direito o tema, mas estava eu e Renato, meu engenheiro e virginiano marido para quem nunca ouvir falar, falando de alguma coisa. Quer dizer, eu falava de alguma coisa. Ele ouvia. E aí falei de mais algumas muitas e ele ainda quieto. Até que me irritei e questionei se ele não podia ser mais claro ao expressar o que sentia e pensava sobre o assunto, porque pra mim, óbvio! não era tão simples assim aquelas questões patati patatá... 

Daí, mais tarde, ele me veio com essa imagem, rindo feito bobo e disse:

- Esse aí sou eu!

Não aguentei e ri também. Dele. Eita piadinha machista idiota! Ri porque sabia que ele sabia que a piada era total machista e que aquela não era explicação nenhuma daquilo que eu havia pedido antes. E também porque ele sabia que me irritaria. Bom, o caso é que apesar da piada ser repetida, achei a imagem criativa. Não sei até que ponto o autor acredita na definição rasa sobre homens sobre: "complicadas e descomplicados", mas da forma como feita no site me fez rir de como brincou com isso. E o que ainda é pior (ou melhor) é o único botãozinho do homem ligar pra cima e desligar pra baixo.

Acabei trazendo a polêmica imagem, porque achei curioso como ao ver algo assim a gente já assume que a definição simplerrérrima sobre como são os homens seja sempre sinal de que são superiores. Melhores. 

Por que ser simples e ter a função de ligar e desligar pode em algum caso ser melhor do que alguém que liga desliga, aquece e esfria, colore descolore? A verdade é que a idéia machista de que mulher é um rio de complicação é tão forte na gente mesma que quando vi eu ri de raiva do marido, mas ainda assim tive que forçar pra pensar. Sou sim isso aí, mas isso aí não é ruim!

Eu tenho certeza que não posso generalizar, porque conheço homens tré complexos também. Da mesma forma conheço mulheres (algumas, porque eu não atraio muito gente objetiva e simplificada: eu sou filósofa, artista e pisciana!) bem diretas e simples. Entretanto, contudo, todavia... em se tratando de Sônia e Renato, eu tenho a ligeira impressão que somos bem como a imagem acima tenta definir. Ele objetivo, eu subjetiva. Ele pá pum, eu: "então, mas..." Dou e dou voltas, falo da cor da camisa do garçom que estava servindo o restaurante em frente, quando vou falar que o vinho é bom. E nunca digo "tá bom ou tá ruim", sempre explico. É subjetividade pra ninguém botar defeito.

Isso se eu ver por um prisma. Se olhar por outro, a coisa pode ser vista bem mais positivamente.

Eu sou mesma cheia de botõezinhos, mas eles não são sinais só de complicação. São de complexidade. E ser complexo não é necessariamente um defeito. É uma diferença que há entre eu e meu homem. 

Há tantos assuntos em que eu sou moooito melhor que o amore mio, tipo pra achar coisas perdidas (ele é totalmente cego, mesmo de óculos), organizar tudo-quanto-é-tipo-de-coisa, fazer dez coisas ao mesmo tempo, como cozinhar, falar no skype, cuidar do filho, pintar a unha, escrever um post, pôr água nas plantas, arrumar a cama, secar a roupa, falar com a amiga no telefone E chupar cana.

Eu não vejo muito claro uma coisa só como ele, vejo mil coisas ao mesmo tempo, nunca fui e não consigo ser mesmo preto-no-branco. Ele tem a qualidade de se concentrar. Pôe uma coisa na cabeça e sem chance! É o tipo: pague para entrar, reze para sair! Ele vai até o fim, não importa se tá com sono, cansado, gripado, nada! Tem que fazer tese? Faz, caramba! Qual é a complicação? É o tipo que anúncia sempre o que pretende no próximo ano e sempre cumpre! Admiro! Embora ele também canse a gente, craaaro!

Mas tal como eu sou, vejo isso de ser cheia de nhenhenhem ai ai ai na maior parte das mulheres com quem convivo. E vejo também a complexidade que permite ir de lá aqui sem pestanejar. A piada aí de cima é engraçada, mas eu não acho que ela pode ser considerada só no aspecto ruim da coisa. A gente faz aqueeeela enrolação, as coisas são sempre mais complicadas e profundas, a gente quer sempre mais explicações e mais sinais, mas, ao mesmo tempo, a gente dá em retorno toda essa riqueza de botõezinhos, entende?

Quando digo a gente eu digo nós as mulheres que se identificam com o lado de cima do painel da foto. 

E você cara leitora ou caro leitor? Se identifica ou não com a generalização proposta pela imagem? E identifica ou não seu companheiro ou companheira? O que você acha da piada do autor?

Bom, respondam, please, mas é óbvio que eu preciso perguntar uma outra coisinha, porque não me contento com respostas simples, objetivas, diretas e sem graça:

POR QUÊ?


Comentários

Camila Hareide disse…
São mil coisas, sei lá. Eu hoje sou menos complicada do que já fui, mas a homarada bater no peito e gritar que são simplezinhos e descomplicados, sei não. É que os botões deles são ocultos pra eles mesmos, às vezes. Eles não sabem onde se pressionar, e quando não aguentam mais, não tem como controlar a temperatura pois não sabem onde é o botão e explodem!

Que tal? Serve essa?

beijo
Somnia Carvalho disse…
puuuutz! foi no botao voce hem!

sim... acho que tem isso: a gente sempre vai mais embaixo nas conversas e tudo o mais. A gente fuca fuca e escarafuncha ate entender a questao... mas ainda que eu diga a gente, tipo, nos mulheres, ainda parece generalizacao sem sentido... falando aqui nesse minuto me lembrei de um montao de amigas que nao conseguem entender seus botoes, nao sabe usa-los porque nao querem descobrir a complexidade que tem... elas acham que e so simples assim, mas nao e...
Raiza disse…
Eu não me identifico com a generalização não.Sou de Áries,bem simples e direta.Quanto as pessoas que eu conheço,é meio a meio,parte das mulheres são complicadas e a outra metade não,assim como os homens.No geral,acho essas piadas sem graça.
Lúcia Soares disse…
Ah, eu sou um poço de complicação! Mas não dou trabalho. Sou complicada comigo mesma. Mas sou objetiva, se tem que fazer, vou lá e faço. Se posso delegar, deixo que façam. Sei não...acho que sou assim...
Mas marido é prático, ele é de um botão só mesmo. Também não acho que seja coisa de ser homem ou mulher...Tenho uma amiga que é de um botãozinho só, e é linda, feminina, delicada. Vai da pessoa, mesmo...Sei não...
Beth/Lilás disse…
Ah, pois eu sou ariana e descomplicada, faço tudo, assobio e chupo cana. Meu marido não consegue entender eu lavando louça e falando no telefone pendurado no ombro.
Será que é mal de marido engenheiro, Somnia!? O meu também o é, por isso estou perguntando.
Engenheiros são chatinhos e muito cartesianos, tendem a simplificar tudo e nós o contrário, aumentamos e enrolamos muitas vezes o meio de campo, mas o que interessa é que damos conta do recado, né!
beijos grandes cariocas
lola aronovich disse…
Será que isso de homem só ter um botãozinho de liga/desliga tem a ver com eles não conseguirem fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo?
Eu me considero muito mais simples, prática, objetiva, racional, funcional, que o maridão.
E também não entendo como "coisas simples" equivalem a "coisas superiores". Parece que no começo éramos todos unicelulares, e aí evoluímos...
Mas gostei da imagem!
Anônimo disse…
Independente da piada ser engracada ou não, o botãozinho do homem tá virado pro lado errado! A minha leitura (xiii, esta é a resposta de outra série de posts...rs) é q a mulher é muito + ligada, independente de ser objetiva ou complexa.
Adorei a definicão da Beth/Lilás sobre os maridos engenheiros "cartesianos"!

Enfim, não pego mal com este tipo de piada. Mas tenho certeza q estou na parte de baixo, multi-funcional.

Xu
Somnia Carvalho disse…
Raisa,

eu nao gosto de piada machista tambem nao.. acho sem graca, mas o meu tontao do marido vindo com a imagem foi bem engracado...

Raisa eu conheco voce? voce vive aqui na suecia???? parece que ja te conheci aqui... ou to viajannndo?
Somnia Carvalho disse…
Lucitia,

e isso: e de pessoa! acho que o problema e quando a coisa vira: eles sao descomplicados e faceis a gente complicadinha e dificil.. bobeira!
Somnia Carvalho disse…
Lilas

acho que e mal de marido engenheiro! rs...

entao engracado que para certas coisas eu e que viro uma chata! porque complico e para outras ele e um chato porque quer simplificar demais!

entre nos dois e meio que o casamento perfeito... um completa o outro, apesar de sair faisca de vez em quando...

no seu parece ser o mesmo nao?
Somnia Carvalho disse…
Lola,

Se há uma coisa que eu acho que da mais ou menos pra generalizar e que a gente consegue mesmo ser multifuncional....

eu nao consigo me lembrar de uma mulher que eu tenha conhecido que nao seja... mas consig olembrar de muitos homens que nao o sao...

e isso eu tenho pra mim que tem mais a ver com o tnato de coisa que pedem pra mulher fazer do que pedem pro homem a vida toda...
Somnia Carvalho disse…
Muié,

hahaha... eles estao sempre no off?
haha... e a gente toda pilhada ne?

cafe da manha e a gente la: entao eu falei pra fulana... ela respondeu bla bla bla bla e o cara la

no off....

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que