Pular para o conteúdo principal

Os suecos "frios e sérios" em cenas nunca vistas antes...


(O começo da festa que quebra o gelo sueco: festa da Lagostinha, clique e confira o vídeo, Malmöfestivalen, agosto de 2009)

Só depois de dois anos vivendo aqui acabei participando do que, na minha opinião, é a melhor festa sueca: a festa da lagostinha (Kräftor), na abertura do Malmöfestivalen.

Essa época em que o país autoriza a pesca da lagosta (já que a pesca sem planejamento geraria a extinção dessas) há por todo canto milhares de suecos comendo os tais peixinhos. Se não estou enganada, agora restam apenas vinte dias oficiais para que se pare de pescar e comer lagostinha pelo país. 

Os suecos se reunem entre amigos, família ou em festas, como o Festival, para comer toneladas dos crustáceos regados a qualquer bebida que se possa passar pelas mãos. Foi também a única festa sueca em que vi milhares de pessoas bebendo ao ar livre, em praça pública, já que qualquer bebida alcoólica, em espaço público, é "meio que proibido" aqui. 

As mini lagostas não são, também na minha humirrrde opinião, a melhor coisa da festa não. É bontio de ver a decoração, bonito ver os pratos que eles trazem e tal. Que me mande queimar qualquer sueco ou brasileiro que ame comer o bichinho. Eu provei e não gostei. Acabei comendo mesmo os camarões. A lagostinha é forte demais para meu paladar e a imagem de comê-las não é agradável pra mim. Ainda assim, eu a-do-rei a festa se faz com muuuita alegria e, claro, comilança. 


(Prato de lagostinhas que Kenth e Ângela levaram para a comilança, Malmö, agosto de 2009)

O Festival da cidade reúne, há vinte e cinco anos, dezenas de atividades, shows, barracas com comidas internacionais, mas é só na abertura que rola essa super festa. Essa é a disparada a melhor parte do MalmöFestivalen, que você não deve perder ano que vem, já que sobre o deste ano eu estou falando um pouco tarde.

Milhares de suecos, suecas, escandinavos todos com gente de todo canto do mundo que passa visitando a cidade dançando, cantando, comendo e bebendo, não necessariamente nesta ordem.


(O amigo maluco e guloso Kenth que comeu uma tigela inteirinha de lagostinhas na festa, Malmö, agosto de 2009)

Não sei também porquê a maior parte é família e gente velhinha. A festa é mesmo tradicional, embora milhares de jovens também apareçam por lá, como a gente. Apesar disso, a maioria é mesmo gente velhinha que corre maratona, que dança, tira a gente pra dançar na frente do marido, beija agradecendo e tudo o mais! Foi, de fato, a única F-E-S-T-A com cara de festa como a gente conhece da qual participei aqui. As outras celebrações são sempre mais fechadas, entre as famílias e quem é estrangeiro fica meio de fora, caso não organize a sua própria. E mesmo quando é na rua é algo bem comportadinho. Eu  sei que o vídeo acima parece contidinho, e os senhorzinhos e senhorinhas estão assim com cara de bonzinhos e santinhos, mas a cara engana. 

Eles mandam ver mesmo! Eu tirei muitas fotos de um grupo que estava na nossa mesa e fiz algumas perguntas com o intuito de fazer um post mais instrutivo, mas as fotos ainda estão em poder de uma amiga. Essa festa é legal por ser total aberta: acontece na praça central da cidade, (Stortorget), com palco de show, onde outros senhores respeitosos de uma banda tocavam e cantavam músicas suecas invertendo as letras conhecidas por outras sobre encher a cachola.


(Na festa vale tudo, chapéuzinho, boca suja e dança ao ar livre, Malmö, agosto de 2009)

Sempre falando de bebedeira eles se matam de rir e comem os bichos vermelhinhos até se empanturrar. Tiramos muitas fotos com os tais e eu expliquei que era pra colocar no meu "site", ja que imaginei que eles estariam muito desatualizados com o mundo virtual. Ao contrário, um deles me deu seu cartão pedindo pra eu escrever o nome do site que ele iria conferir as fotos depois. 

Nos despedimos cedo da festa que prometia deixar todo mundo pra lá de bombaim e saí pululante, dei beijos nos "véinhos" todos ao meu lado e eles em mim. Abraçamo-nos e foi uma coisa suuuuper gostosa, sabe? Daquelas que a gente não se esquece!



(As amigas Cristina e Ângela e ao fundo os três casais de idosos nota 10 que conhecemos, mas de quem estou sem as fotos agora..., Malmö, agosto de 2009)

Bom, infelizmente já foi por este ano, mas fica o registro para o próximo... E se você vive por estas bandas, ano que vem não perca a oportunidade ímpar de ver que os suecos "frios e sérios"os quais a gente sempre imagina e ouve dizer não se parecem nadica com esses aí com quem topamos na festa, por exemplo.


(Renato, com a boca na botija, provando da loucura pela lagostinha sueca, Malmö, agosto de 2009)


E viva a lagostinha!


...

(Eu estou atrasada com as respostas dos posts ainda. Esse aqui já estava mais ou menos preparada, logo volto continuando as idéias dos anteriores e volto pra responder vocês ainda! acreditem!)

Comentários

Unknown disse…
Que legal!! Uma festa animada ! Com pessoas descontraídas Bem diferente da festa que fui quando estive aí! E o dia da viagem esta chegando ! Nos aguarde ! Chegaremos !!Vai rezando pra gente não se perder no aeroporto de Amsterdam !!!
Beijos !
Beth/Lilás disse…
Uau! Eu iria me esbaldar nestes lagostins, adoooro!
Mas, o maridex tem alergia a crustáceos, aliás a frutos do mar em geral, menos peixes. O Coitado desenvolveu esta alergia a uns 5 anos e já foi parar 2 vezes no hospital, hoje em dia pergunta milhões de vezes se a comida tem camarão ou não e passa distante das colheres próximas aos pratos do bichinho. Uma neura total!
E eu que adoro camarões, moro numa cidade com montes de restaurantes com camarões e peixes e quase não os como, em respeito a ele, né!

Mas, veja só como os gringos ficam soltinhos nesta festa! Nem parece a gélida suécia. Será que o lagostim tem alguma substância que favorece isso?! kkkkk

Adorei ver vocês na filmagem, tá lindona!

bjs cariocas
Lúcia Soares disse…
Ai, adoro lagostim também! Todo ano, no meu aniversário ou no de casamento, saio pra comer um prato delicioso, feito com eles. Divino!
Lúcia Soares disse…
Hummm, desculpa, esqueci do principal: o post foi ótimo, a descrição da festa e as fotos e vídeo falaram tudo. Você é 10!
Camila Hareide disse…
Dona Somnia, quem sabe ano que vem não vou aí te encontrar... E como esse povo curte um marvada, né não? Os meusaqui também são uns pudins de árco! Acho lindinhos os velhinhos, outro diaaté comentei num outro blog. Ainda quero fazer um post reservado à eles! E eu AAAAAMMMOOOOO lagostim. Comprei 1 kg congelado no salg no super outro dia... Seráque vou passar mal?

Otimo post, em resposta a um ótimo estímulo...

beijo
Somnia Carvalho disse…
Irene, pode vir que ponho mais agua na sopa da lagosta!

voces nao vao se perder nao! e eu ja falei lembra: se se perder em Amsterdan e facil... arruma um holandes grandao simpatico e vai passear pela cidade...


epa! brincadeirinha com todo respetioo sogrinha!

ja tamu preparando tudo aqui...
Somnia Carvalho disse…
Betona Lilas, Lucitia e Camila,

Que coisa todas voces sao faserrimas da lagosta!???

uau! muito mais gente que eu esperava! eu ate que queria gostar, tava animado na festa e os pratos eram bonitos, mas o gosto pra mim e terrivel... e tambem porque eles comem de um jeito estranho, dizem que cozinham mas pra mim parece cru...

E coitado do maridao Lilas! voce precisa comer sempre por ele entao!
Unknown disse…
O casal em destaque no vídeo é o Kenth, na cadeira de rodas e com um chapéu ridículo, é da Suécia. Do lado direito está sua mulher Ângela, e os filhos no esquerdo, Stephany e Sean que são brasileiros!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que