Pular para o conteúdo principal

Terceiro concurso de blogueiras da Lola: Maternidade


("Fátima", Chidi Okoye)

Molerada toda,

A Lola encerrou o segundo concurso (que eu infelizmente perdi de me inscrever, já que adoraria saber que eu consigo escrever um texto aceito como feminista) no qual a Marjorie que eu uau! acho booooa (no sentido literário da palavra, não a conheço pessoalmente) demais ganhou. Eu fui tão honesta quanto no primeiro: votei dos dois micros que tenho em casa, já que não conseguia decidir o que fazer. 

Votei na Marjorie (que ficou em primeiro lugar) e na Juju linda Moreira (que ficou em terceiro). PARABÉNS MENINAS!!! Eu eu também queria ter votado no texto da Denise que era sobre um caso da menina abusada pelo pai e sobre o julgamento da Igreja, com o qual eu tinha ficado horrorizada, mas daí pensei que ela já era tom famosa no pedaço que não votei. Cabou que parece que todo mundo pensou o mesmo e a Denise teve pouco voto... Reforço que não foi esse o critério que me fez escolher os dois textos que citei. O blog da Marjorie e aquele texto eu havia lido antes já e já gostava e o da Ju eu tinha achado incrível por trazer o tema do aborto na Suécia. O difícil do concurso é escolher entre textos tão diferentes e bons.

O terceiro concurso é sobre um tema que tenho certeza que muitas de vocês adoram: Maternidade. 

E mesmo vocês que odeiam pensar na idéia de serem mães. Escrever sobre como ser ou não ser mãe, o porquê de ser ou como ser. Tenho certeza que vocês têm textos para inscrever. O pedido é que eles sejam recentes, dos últimos seis meses. (Ah! e creio que deva ter o mínimo de afinidades com questões que a autora do blog defende, como textos que não sejam machistas, por exemplo. Sei lá, penso eu!) Tenho alguns, mas talvez eu até escreva um especial. 

Então fica aqui o convite para participar, para ler e votar novamente.

Boa Sorte!

Comentários

Muito bom esses concursos, né??

Maternidade é um presente de Deus, um dom divino, no qual passamos a conhecer o verdadeiro amor incondicional!

beijos
lola aronovich disse…
Somnia, querida, meu email é lolaescreva@gmail.com
Manda o selinho sim, please!
E sobre o post acima, sobre os frentistas na Suécia, meu marido é igualzinho ao seu: contesta tudo que eu digo! Lastimável, não?
Quando que eles vão se convencer que a gente sempre tem razão?

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que