Pular para o conteúdo principal

Apareceu a Margarida e portanto... a Borboleta!

(Eu, numa foto de brincadeira, mas que é símbolo de minha fase mais filosófica e "in" de toda minha vida, foto de Adriana Cechetti)

Em quase 5 anos de blog (que serão completados em maio deste ano) eu tive muitos prazeres. Escrever foi certamente o maior deles. Saber que estava sendo lida estava ali ó, coladinho com o primeiro. E receber comentários e reflexões acerca do escrito me fazia voltar ao prazer maior que era escrever.

Nesses anos todos eu senti uma coisa tal como uma "força maior" me compelindo a escrever, a dizer sobre o que eu sentia, a dividir, a pôr pra fora coisas e pensamentos íntimos. Eu revelei a cara de minha família. Eu falei do jeito que vivia na Suécia. Eu dividia (um pouco) dos dissabores e (muito) das alegrias de viver no velho continente.

E então eu voltei ao Brasil. Os posts foram se escassando. O medo de se expor demais num país não mais seguro quanto o de antes e de expor detalhes de minha vivência para gente brasileira com quem eu me encontraria se somaram ainda ao fato de que, nos primeiros meses (exatos 11 meses para ser mais precisa), eu não achei graça nenhuma de ter voltado. Eu sofri. E vocês sentiram isso nos escassos posts. Eu queria acordar na Suécia. Eu chooooreeeei baldes de lágrimas lembrando de minhas amigas e meus amigos suecos, brasileiros, poloneses, franceses, alemães, dinamarqueses e chorei lembrando da vista que eu tinha do Mar Báltico. Chorei quando olhava para o quadro enorme da ponte Oresund que ficava meio em frente onde vivia e separava Malmö de Copenhaguem.

Foram anos incríveis! Maravilhosos! E os amigos feitos lá me acompanham e eu a eles diariamente ou semanalmente. A amizade com a maior parte deles permanecerá. Tudo foi ao mesmo tempo árduo e lindo enquanto durou.

E então hoje abri minha caixa muito pouco visitada de email do blog e vi lá vários comentários de alguns de vocês me perguntando por que sumi. Entre coisas carinhosas havia o email longo da querida Ana Flávia, aquela Ana Flávia do Europrosa, quem "vive em Viena" e é filha da Dona Euripa que visitou a Europa. Lembram?

A Ana me pede para eu ser franca e dizer por que, afinal de contas, eu voltei a viver no Brasil. Se lá era bom, se viver lá parece ser o sonho de tanta gente diferente uma da outra e se aqui há tantos problemas o que me fez retornar. A Ana pergunta isso porque está num momento seu de reflexão e de tentar concluir o que também é melhor para ela. Em meio a muita coisa legal ela pergunta:

"O que fariam/ farão essas pessoas (que deixam várias coisas para vir para Europa) num ano ou dois no velho continente? O que as motiva? Se a Somnia morasse em Viena, o que ela faria por aqui que só aqui se poderia faze-lo? Teatro todo dia, opera e baile glamouroso de valsa sao fora de questao, que eu ainda nao ganhei na loteria:) E Kaffee und Kuchen nos charmosos cafés austriácos já me renderam 12 quilos extras na silhueta.
...
Porque, embora tenha turistado no comeco, e ainda continuo achando Viena linda, a rotina é tao igual a qualquer outro lugar: viver pra se garantir os meios de se continuar a viver."

Eu não sei se sei a resposta para todas estas perguntas, mas vou tentar pensar nela com agora...

No meu caso não sou casada com um sueco e o Renato tinha um projeto claro que era ir como expatriado (contrato especial com vantagens e privilégios diferentes de um contrato local) e o emprego dele estava "vago" aqui no Brasil. Ele tinha a chance de voltar. E voltaríamos com todos os privilégios mantidos de emprego, mudança etc. Isso pesou quando o contrato acabou. Ficar na Suécia significaria enfrentar por nossa conta o contrato da mesma empresa mas lá, com salário sem casa, carro etc etc garantidos. Significaria uma vida mais real e menos "glamourosa" do que levávamos sem contar que eu (além de dar os workshops e vender telas) ainda não estava trabalhando e tendo uma renda fixa.

Então este ponto pesou muito.

O outro foi, sem sombra de dúvida, o longo inverno. Eu aprendi a amar a mudança de estações. Estou mega feliz com essa chuva caindo em Sampa e o "friozinho" de 21 graus de janeiro. Eu choooooreeei outros baldes esses dias quando vi um filme ("Sempre ao seu lado") em que víamos as mudanças de estação todas se passando enquanto o cachorrinho ia envelhecendo esperando seu dono voltar. Não era o frio o problema, mas adoecer tanto. Ter o Ângelo sempre doentinho no inverno e gastar quase seis meses do ano tão quietos, tão calados. Era ótimo por um mês, dois, mas depois doía. O inverno dói na gente. E nem que você não queira, nem que lute como eu lutava fazendo amigos, indo à casa deles, organizando festinhas e viajando por muitos cantos a gente consegue evitar se deprimir. Tem gente que não deprime, mas fica triste. Fica quieto. E o Brasil, vocês sabem, é muita alegria todo dia. Claro! Aqui também há toneladas de gente deprimida, mas deprimir independente de nada na sua vida, apenas porque são cinco, seis meses que seu corpo não curte sol, então é algo bem diferente. Aqui eu sinto uma alegria diferente. Não essa alegria de carnaval (eu nem gosto de carnaval!), nem do futebol (eu não aguento mais ver futebol em tv), mas essa alegria da natureza. Esse azul que invade minhas janelas todas do meu apê todos os dias. O sol que tantos aqui reclamam, mas ilumina praticamente todos os dias do nosso ano a nossa vida.

O inverno sueco é escuro. É muito escuro. E o escuro, sempre falei isso aqui, era o pior de tudo. Três meses mais ou menos com dia começando as dez e terminando as três da tarde. E quando falo dia falo de um dia cinza, cinza muito escuro, sem nenhuma (nenhuma!) claridadezinha, ponta de sol, nenhuma esperança de que o sol brilhe a não ser que neve...

Entendem?

Então havia meu amor pela Suécia. Havia meu amor pela vida européia mais cultural, mais centrada e menos superficial-viciada-em tv-e-corpo que a brasileira, havia uma vida com a qual eu me identifico muito, mais segura e mais calma, mas faltava poder conseguir ser a Sônia possível unicamente no Brasil. Eu de fato amo coisas simples como pedalar até o mercadinho e fazer minhas compras. Eu adoro sentir a neve na minha pele. Eu a-do-ro ouvir outros idiomas e sobretudo eu sou fascinada por gente com mentalidade aberta. Gente que não se priva de viajar, ler, aprender em troca de certas regalias que temos no Brasil. Eu amava minha vida na Suécia e não foi por não amá-la que eu voltei. Se era uma vida cheia de rotina? Era. Era sim. Aqui também já se tornou outra. Rotinas são sempre rotinas. O problema é quando elas normalmente nos incomodam mais do que deveriam. Quando repetir uma ação nos faz ficar pensando "não aguento mais isso", "não suporto mais fazer aquilo"... A rotina lá era rotina, mas era muuuito menor do que a vivida aqui. O fato de eu conhecer alguém novo sempre me tirava da rotina. Ir a um lugar nunca visitado, o sempre ter algo para descobrir.

Neste quesito o Brasil me entedia horrores. Ainda assim é o lugar onde parte de mim pode se realizar e pode ser feliz... Parece contraditório, mas é assim mesmo... A gente fica maluco depois de viver fora e gostar da experiência... Fica partido ao meio.

Viver aqui não me deixa totalmente feliz. Não. Eu ainda sonho em viver novamente fora e ainda sonho em quem sabe um dia poder me dividir entre Brasil e Europa... não sei o quê... mas era uma decisão a qual precisava ser tomada e pesando tudo, as oportunidades de trabalho pra mim, a família com saudade da gente e a gente querendo que nossos filhos crescessem sentindo o amor dos avós, primos e primas então foi melhor ter voltado. Pra sempre? Provavelmente não. Provavelmente com outras saídas, não sei se definitivas... Isso só o momento a ser vivido dirá... Por ora eu consegui, finalmente, sentir alegria em estar aqui novamente. E torço, Ana Flávia e vocês todas e todos que me escrevem compartilhando essa dura decisão de escolher ficar ou voltar, para que consigam ver quais as razões que os prendem num lugar e quais as que os chamam para outro. Se são vocês falando ou se é a voz de outros compelindo vocês a não ficarem felizes onde estão ou não decidirem partir para onde desejam.

Seguir o próprio coração e mente eliminando o quanto conseguir de interferência externa talvez seja mesmo o caminho mais seguro a ser tomado.

Beijos e obrigada por compartilharem.

O blog não acabou não! Mas eu não dou conta com minhas criancinhas de férias! :)

Comentários

Érica disse…
Quando você se mudou eu fiquei triste....
Lembro que estava no laboratório de informática do departamento do meu curso quando li. Mas a vida é assim. Desde que nasci moro no mesmo lugar. Já viajei muito, mas não o suficiente para ser uma pessoa viajada. Também nunca fiz intercâmbio. Mas toda vez que vejo alguma imagem de filme com neve meu coração dói demais. Lembro dos 15 dias que fiquei no interior do interior dos EUA na casa de uma amiga muito querida. Lembro das vezes que fui na casa dela, só uma no inverno, as outras no verão. Lembro dela. Das pessoas que conheci lá. Mesmo nunca tendo morado lá, é o lugar que mais me identifico fora de casa, é como se fosse minha outra casa.

Um dia, vou ver, vou tentar contribuir com as minhas razões de porque eu quero ir, para onde ainda eu não sei.
Somnia Carvalho disse…
Lindo Érica! Lindo depoimento! obrigada por abrir seu coração e partilhar isso com a gente... quando puder falar suas razões eu vou adorar ouvir!
Danissima disse…
Somnia,
adorei este post, tao aberto!
deu vontade de te abraçar!
beijos
Jo Andrade disse…
bom dia mesmo,que bom que vc consegui escreve ou fala o que senti, eo nao consigo, boa sorte para vc e sua familia. bjs
Lúcia Soares disse…
O ideal, então, seria viver o outono e inverno do Brasil e a primavera e verão da Europa, já pensou?
Mas como não é viável ainda, acho que fêz bem em voltar.
Muito linda a preocupação de vocês de que os filhos cresçam ao lado dos parentes. Nem sempre é bom, mas é importantíssimo esse laço, desde que a família se dê bem. Eu, que vivo longe dos netos, sei o quanto faz falta o convívio.
Enfim, fico feliz por você estar feliz aqui na pátria amada.
Beijo!
Nina disse…
Ahhh que bonitinho. Tu falando assim, do céu azul pela janela...mt fofo. Em Manaus, quando estive lá em julho passado, ficava todo mundo reclamando do sol escaldante, e eu lá, curtindo aquele calorzinho úmido.
Onde moro nao é tao frio, e o dia no inverno escurece mais tarde, lá pelas 5. Mas posso bem imaginar a tristeza de se ver sempre dias mt frios e escuros. Deus me livre.
Lembrei agora de quando cheguei aqui, depois de alguns dias quentes, um dia marido viu no noticiario e falou: amanha vai fazer um grau! E eu: um grau? pelo amor de Deus! E ele: mas vai ter sol!! E eu: que? quem se importa menino?? olha esse frio de 1 grau, meu senhor! E ele falou: vc vai ver a importancia disso um dia.

E é assim que entendo o significado do sol nas nossas vidas aqui. Em Manaus tem sol TODO santo dia. E o que se tem demais, nao se da valor. Aqui é outra coisa. Na Suécia, mas ainda.

Curta seus dias no Brasil!
Mas eu nao gosto nem de pensar na possibilidade de um dia voltar a morar aí. Sei lá, a última viagem me chocou mt e sao tantos motivos pra isso, nooossa. De qq maneira, acho que ainda volto. É meu país, sabe? Mas é um país mt injusto, mt esnobe e mt hipócrita e isso ainda me dói mt...

Sonia, nao entendo porque as pessoas falam tanto em viver na rotina. Eu adoro rotina, sem ela, me sinto perdida.

Mas, as pessoas sentem tédio na europa. Porque??
Ja li mts pessoas falando sobre isso.
Eu acho que é porque no Brasil a gente vive num estresse terrível todo dia. E acha que isso é bom, ou ja esta acostumado a isso. Da a impressao de quem tem sempre algo acontecendo, nao é? O noticiario fala sobre coisas terriveis todo dia. Vc tem sempre que se adaptar as novas armacoes dos bandidos, vc nao pode confiar inteiramente na sua amiga, tem que ter cuidado em falar a verdade pra nao magoar os familiares, ahh tanta coisa.
Ja vi mt gente deprimida em morar aqui. Mas a pergunta é? porque mora aqui entao criatura???????? vai pra casa!

Sei que ha motivos e motivos. Mas tem gente que fica pelo status. Isso nao é legal, nao é bacana. Tem que ficar, como vc disse, se o coracao pede isso. A gente tem que aprender a ouvir nosso coracao. Sempre.
Peco a Deus que no dia que nao me sentir mais feliz aqui, que tenha forca pra voltar pra casa quando necessário. Mas até lá, curto minha vidinha rotineira, tranquila e mt gostosa que tenho aqui e que amo muito.

ps. desculpa o longo comment :-(

2. tbm sinto falta da familia perto, de ver os sobrinhos crescendo, da uniao bonita das filhas da minha mae... mas parece que nesta vida nao se pode mesmo ter tudo.
Anônimo disse…
Faz tempo quero ler o Blog, mas nem tenho tempo para uma visitinha e justamente hoje foi possível. Adorei o que vc escreve e te entendo perfeitamente, também gostaria de encontrar uma forma de me dividir entre Europa e Brasil, pelo menos até ter a certeza do que realmente quero. Amo a tranquilidade e segurança da Europa mas sinto falta da família e das vantagens laborais do Brasil, assim que sei o que vc sente.Sei também que no momento certo vou tomar essa decisão. Um beijo grande cheio de carinho. Marinêz ( que vive entre Espanha e Portugal)
Beth/Lilás disse…
Caríssima Brabuleta!
Já dizia nosso querido maestro Tom Jobim: " Que “viver no exterior é bom, mas é uma m… e viver no Brasil é uma m… , mas é bom”?"
Olha, sei lá, eu acho que viveria bem em qualquer lugar, desde que ali tivesse respeito e humanidade para comigo e com as pessoas a minha volta.
Pelas duas vezes em que estive na Europa tive a maior sorte, pois só vi tempo bonito, céu azul, mesmo fazendo frio como agora na Espanha, mas eram dias lindos e o sol estava lá no céu, iluminando e trazendo alegrias aos corações. Penso que a falta dele por tanto tempo deve ser terrível, não consigo nem imaginar direito isso que nos fala, pois só de pensar me dá medo, muito mesmo.
E olha que nem sou de pegar sol, vivo me protegendo com filtro solar e nunca vou a praia que é logo ali na esquina, mas preciso saber que existe a luminosidade do astro lá fora e o mar por perto.
Eu choraria também muitos baldes como você, pois o que viveu lá foram tempos muito lindos e eu que já vou fazer 5 anos também pela blogosfera e a acompanho desde sempre, sei bem o que passou neste último ano, um misto de tristeza e alegrias.
O legal é que vocês são abertos às mudanças e isso é muito bom, faz a vida girar e ter sempre novidades pela frente.
Vocês ainda têm muito pelo caminho e vão morar em lindos lugares por este mundo afora.
um grande, super beijo, carioca
Ana Flavia disse…
aaaaai só vi agora! Maior correria aqui com provas na faculdade.

Te amo, Somnia! Obrigada pelo carinho em responder assim tao exato, redondinho.
Beijao!
Gabriela disse…
lindo post! nao adianta, com cada mudança vem uma tristeza e felicidade.. me mudei recentemente de cidade aqui no sul (5horas de distancia de cada cidade) e ja senti tristeza e felicidade... sempre nos apegamos com alguma coisa e nao gostamos de outras, nao tem jeito... sempre penso em morar fora, a europa é tentadora mas essa coisa do escuro iria me deixar triste com certeza..teria q achar outro pais..

continue escrevendo, cada vez q entro no teu blog e vejo q tem post novo, mesmo q esteja nublado, sinto um solzinho vindo do pc =D heheh

bjos!!
Anônimo disse…
Oi Somnia,
Eu já visitei seu blog outras vezes, mas nunca comentei. Meu interesse era exatamente conhecer a experiência de alguém que retourou para o Brasil. Vira-e-mexe eu tenho vontade de voltar, mas é complicado. Eu moro no Canadá, meu marido é daqui e está super bem na sua profissão. No entanto, pra mim, que sou da área da saúde está sendo super complicado me estabelecer na minha área. De vez em quando bate uma frustração e eu penso em voltar. Por enquanto, pesando os prós e os contras, continuo ficando. Só não sei até quando.
Obrigado por compartilhar sua experiência. Ajuda bastante a refletir. Um abraço, e boa sorte!
Pancha
Lu Souza Brito disse…
ô Somnia, percebi mesmo que andava sumidinha e os posts escassos.
Esse negocio de não querer falar muito agora que está aqui, eu entendo. Sabe que eu reativei a conta do face e tenho por lá poucas pessoas, a maioria que conheço mesmo ou tenho uma relação mais proxima. Mas nao gosto de colocar link do blog lá, por exemplo. No blog eu escrevo coisas que não gostaria que todos do face lessem. Acho o blog mais intimo (estranho né, mas é assim que penso).

Eu que nunca enfrentei assim grandes mudanças (sair da casa da mãe e ir pra casa do marido não é lá grandes coisas né, ahahah), fico imaginando o quanto deve ser dificil estas escolhas. E puxa, tantos anos em outro país, com TUDO NOVO, até a rotina, normal né que você chore baldes de saudade e pense mesmo em voltar algum dia.


Mas você falando do sol, ah Somnia, eu não sei se me adaptaria em um lugar com pouco sol não. Sou daqueles tipo bicha besta que para no meio da rua e fala: 'gente, que dia lindo, que tarde linda, que ceu azulado'. Sou fascinada pelo sol, mar, noites estreladas. Enriquece meu dia, alimenta minha alma. Preciso!

E aí, quando vamos marcar pra tomar um café?
Elaine disse…
O que você falou do sol me lembrou do Lasar Segall, de como a pintura dele mudou, ficou mais colorida, quando ele veio ao Brasil. O sol traz mesmo uma felicidade que brota, e mudar de país traz uma dorzinha de deixar nossas origens e nossos amigos e familiares. Aí surgem novos laços fora e os sentimentos viram uma grande confusão. Quem nos dera desfrutar do melhor dos dois mundos ao mesmo tempo. Enfim...só posso desejar boa sorte nessa nova fase, Somnia. Pelos motivos que você deu, ela tem tudo pra ser ótima. bjs
caso.me.esquecam disse…
so quem vive aqui eh que entende esse post. no meu caso, eu nao penso em voltar. adoro sol, praia e tudo mais, mas... nem mesmo o fato de eu nao ter nenhum amigo em lyon me faz ter vontade de voltar a morar no brasil. :/
Unknown disse…
Olá Somnia,

É muito difícil voltar ao Brasil depois de vivermos em um lugar que sempre sonhamos em viver (ou talvez que nem tenhamos sonhado)..

É difícil se readaptar as correrias de São Paulo, o trânsito caótico, o medo contínuo de sair a rua...
Por outro lado é bom rever os amigos, os lugares, estar com nossa família e tb de termos aquela sensação de que "aqui no Brasil" não somos estrangeiros, é a nossa terra e acredito que todo brasileiro, mesmo os que vivem fora e não querem retornar, amam esse país, a nossa cultura e tudo de bom que aí temos..
Eu entendo os seus motivos, pq passei pelas mesmas coisas quando voltei de Londres e fui morar numa cidade pequena, com uma rotina menos corrida, foi difícil, demorei 1 ano para entrar nos eixos...quando enfim estava me adaptando mudei outra vez..
E agora, depois de 5 anos e 6 meses em Portugal mudo novamente e para a Suécia e cá eu novamente em fase de adaptação e sinto saudades de Portugal, do Brasil e tb de Londres...sim, aqui o inverno não é brincadeira, e sempre achei q o frio nos deprime um pouco sim, mas acredito que o melhor remédio é termos atividades e uma rotina, pois nos ocupa e nos ajuda muito.
Não sei se vou morar aqui para sempre, não sei como será, mas vou ficando enquanto for possível... porque sei que aconteça o que acontecer tenho sempre um lugar a minha espera que é a minha terra Brasilis..

Adoro seu blog e suas histórias!
Beijos, boa semana e tudo de bom!!!
:-)
Anônimo disse…
ola eu adoro seu blog e eu queria saber uma coisa
voce ja era casada com um sueco(se eu entendi certo)nao dava para voce continuar vivendo na suecia,e vir e ir do brasil para a suecia da suecia para o brasil a hora que quiser?
Somnia me sinto tão perto de você ao ler seus textos....
Parece que nos conhecemos de tempos que não têm início, dos tempos sem tempo....
Te admiro, respeito e ao mesmo tempo o carinho que cresce me faz ter vontade de dar um abraço, mas um abraço imenso daqueles sabe? aquele dos tempos imemoriais.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que