Pular para o conteúdo principal

Glögg, pepparkakor e Santa Luzia: os vários Natais suecos do mesmo dezembro

(Kenth, o Papai Noel metade sueco, metade brasileiro, assustador de criancinhas, nossa festa de Natal em casa, Malmö, dezembro de 2009)

Sexta-feira passada, enquanto o Renato celebrava com o pessoal do trabalho o fim do ano, eu recebi em casa dois casais de amigos. Um francês, Jocelyn, namorado da sueca Maria e os dois já conhecidos Gus e Xu. Além de nós, o cheio de cachos, Ângelo.

Me dei conta então que aquele era mais um dos muitos encontros que já tivemos esse mês de dezembro por conta do Natal. Não se trata apenas do nosso famoso amigo secreto. Aliás não é nem comum a brincadeira nessas reuniões.

Comum mesmo é tomar uma bebida típica deliciosa e quentinha, o glögg, que vende mais que água e que parece dar um certo trabalho para se preparar. Disse minha amiga Paulina, uma sueca que nos preparou outras dessas reuniões pré natalinas no domingo, acompanhada de um glögg que ela havia preparado ano passado com sua irmã. A receita que leva de batata e pimenta à canela, passas e vodka é o que não pode faltar em qualquer celebração que antecipe o Natal por aqui.

Normalmente, toma-se a bebida como aperitivo e só aí começa-se a comer toda a mesa de frios, peixes crus em conserva ou batatas, salsichas e almôndegas.

(Nina, a sueca derretida e de voz maravilhosa, cantando uma canção típica de Natal para a gente, nossa festa de Natal em casa, Malmö, dezembro de 2009)

Aliás, ingredientes parecidos como canela, cravo, pimenta é o que também vai numa bolachinha típica tradicional dessa época, a pepparkakor (receita aqui) que também acrescenta gengibre. É tradição que as famílias ensinem as crianças a fazerem suas peppakakor, assim como o pãozinho de Santa Lucia, as almôndegas e outras comidinhas do Natal. Leia um pouco mais com a Denise, que também viveu por aqui e presenciou as mesmas festanças e comilanças e também nesse site bem bacana.

(Ângelo em meio a molecadinha da escolinha. Com frio nas mãos não há brasileirinho que cante a música da Santa Luzia direito!, Malmö, dezembro de 2009)

O clima dessas celebrações é simplesmente delicioso. E há as cantorias, como a da Santa Luzia (que em sueco escreve-se Lucia, e lê-se Lucíía), nas quais a criançada se veste de Luzia, anjos, Papai Noel ou de Pepparkakor, que tem inspiração em histórias infantis.

Na escolinha do Ângelo os pais foram convidados, há duas semanas, a uma tarde com comilança e preparação de cartões de Natal. Eu, Ângelo e todos seus amigos e pais deles usamos purpurina, canetinhas, adesivos de Natal e preparamos os cartões que agora estão na nossa árvore de Natal em casa.

Sexta passada foi o dia da cantoria de Natal e o brasileirinho Ângelo que "se apresentou" em cima do sofá para mim, me pedindo para dizer "Bravo!", sucumbiu ao frio e ficou de muito mau humor no páteo da escola. Não era para menos! Três graus e na correria as "tias" suequíssimas não conseguiram pôr as luvas da molecada a tempo.


(Eu, Ângelo, Nikol e Iven concentrados no Tönten e sua thurma, Eslöv,, dezembro de 2009)

O Natal é por aqui, como em muitos outros países da Europa, a celebração da família. E mesmo a família do menino Jesus, sua mãe Maria e seu pai José foram tema de uma festa com almoço que nós três fomos com nossos amigos alemães (Nikol, de barriga de 5 meses, Nik e Iven) num restaurante, com cara de casa de fazenda, que celebra o Natal de forma típica há 39 anos. Se quiser conferir, tem um vídeo do Renato nesse link.

(A Luzia da festa do Restaurante e seus ajudantes, Malmö, dezembro de 2009)

Com uns cantores velhinhos linnndos, tocando sanfona e flauta, a gente dançou, cantou, bateu palmas, comeu e se sentiu total num clima de Natal Escandinavo. Em meio às festas, presentes, danças e cantorias, a Mamãe Noel, mulher do Papai Noel (Tönten, que se diz "Tommtem", em sueco e cujo nome foi motivo de piada do Renato, claro! já que Tönten lembra...) disse o seguinte:

- Estava todo mundo esperando a chegada do Tönten, mas não é sobre o Tönten que o Natal trata. É sobre Jesus, um menino que nasceu...

(Os dois velhinhos suecos simpáticos que me pediram para escolher uma música e não pararam de falar do Brasil comigo depois, Eslöv, dezembro de 2009)


A Suécia não é um pais religioso. A maior parte de sua população ou é atéia ou se afirma protestante. As igrejas ainda mantém a mesma decoração da época católica, antes da Reforma, mas o suecos adoram manter as celebrações típicas que relembram alguma história do Cristianismo. Todos eles adoram dizer que os suecos típicos vão três vezes à Igreja: quando são batizados, quando se casam e quando morrem, já que quase 90% dos velórios são feitos nas Igrejas.

É verdade que pouca gente é frequentadora de missas e celebrações, mas nessa época, como no Brasil, é comum alguns irem buscar algumas energias e alegrias para o ano que virá. O que me pareceu é que se eles não ligam muito para seguir as normas religiosas eles adoram aproveitar as festas todas e os feriados que a Igreja um dia instituiu.

(Papai Noel sueco é prático, jovem e sem frufru: o Tönten de óculos que cantava e fazia teatro do restaurante, Eslöv, dezembro de 2009)

(Presentes típico para as crianças: o calendário de dezembro em que cada portinha do dia abre um chocolatinho, Eslöv, dezembro de 2009)

Eu agora entendi porque minha amiga Lilás disse num comentário que ainda nem começou a pensar no Natal. Eu celebrarei o Natal no Brasil com minha família e a família do Re no nosso apê no Brasil. Estar com eles é o mais importante pra gente. E me lembro que celebrar na Igreja, quando eu era carola moderninha, era algo sempre renovador também, incluindo o tempo todo do Advento que eu adorava.

Advento significa para os cristãos o tempo de preparação espiritual para o Natal e aqui significa mais ou menos o mesmo, mas com uma prática um tanto diferente. A alegria da Noite do Natal se espalha pelo dezembro inteiro, inclusive porque oficialmente o Natal na Escandinávia começou sábado, dia 13 de dezembro e vai até a Noite do dia 25.

A dica de Madame Sônia é que você tente começar a comemoração do Natal antes. Pegue as receitinhas dadas neste post, convide uns amigos chegados, cante, dance e beba à moda sueca. O Natal fica muito mais divertido que sendo em um dia só e todo o trabalho de correr para lojas em busca de presentes, enfeitar casa e se preparar para a festa acaba rendendo mais alegria do que o que normante rende! Embora, claro, possa render umas gramas a mais também!


(E come e come e come... mesa do restaurante e só o início da festa, Eslöv, dezembro de 2009)


Comentários

Ju Moreira disse…
Brobuleta,

Minha sogrinha costuma dizer que no Natal as igrejas tb enchem! hehehe Acho q é so para ver o coral. heheh

Escrevi tb um "postezinho" sobre Lucia em 2007 contando a historinha da moça! E um no domingo sobre o glögg ehhehe estamos em sintonia em brobuleta?! ;)

xeroca
Unknown disse…
Que post mais legal! É muito interessante ler sobre os costumes e cultura de outros países. Adorei!
beijos
Lúcia Soares disse…
Sônia, que linda a cultura sueca. Acho que o Natal é isso mesmo, basicamente uma festa de confraternização, onde as pessoas param pra se encontrarem e para lembrarem o Aniversariante.
Só isso vale a data.
Bj e benvinda ao Brasil!
Camila Hareide disse…
Pesar de cê tá indo viajar, também postarei uma música pra você... Sõ porque você ficou com invejinha!

Aproveita muito suas férias na terrinha. E imagino que você adentre a terrinha via Sumpaulo, mas a música é simbólica, tá?

beijo e boas festas!
Beth/Lilás disse…
Made Somnia!
Este Blogger é muito safado, vive comendo minhas amigas, quer dizer, some com os blogs que indico e hoje mesmo pela manhã, andei colocando o seu e de outras que sumiram. Botei novamnte, vamos ver o que eles fazem agora.

Adorei tudo! Mas, ver o Angelinho com as mãozinhas congelando não foi muito legal, fiquei até aflita pensando no incomôdo do pobrezinho.
E o Papil Noel todo de vermelho e magrelo, faça-me o favor heim!
Pow, os nossos tupiniquins são até bem rechonchudos, mas esse daí, sei não! hehe

Sabe que você tá ficando com cara de gringa!? hahahha Quero só ver quando chegar aqui, branquinha e loirinha desse jeito, vão te estranhar!

Tua casa e a energia de todos nela estavam mesmo muito bacana. Parabéns, grande anfitriã que correu muito para deixar tudo assim bonito e fez até a árvore, caramba! Gostei de ver! Trabalhou mesmo, menina!

beijos grandes cariocas
Xu disse…
Bão demais esse negócio de ficar "fully booked" com jantares daqui, glögg de lá! Ainda + nesses dias de friozinho... ficar juntinho, aconchegado, com velas acesas. Eu só não consegui participar de um Julbord ainda. Quem sabe ano que vem.

Ah, só uma obs. sobre a Lucia... a pronúncia do Lucííía vem do Italiano... tipo, "Lutchia" (rsrsrsrsrs). A tal santa vem da Sicilia. Olha só, Xu também é cultura.

Bjos e uma ótima viagem pra vcs
... já to com saudade :-(
Maariah disse…
Provei Glogg quanto estive no início deste mês na Finlândia. Gostei, bastante. Agora com a receita vou aventurar-me também a preparar.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que