21 agosto 2008

A Suécia e algumas histórias (1): um irlandês na cadeira ao lado


Eu recomecei as aulas de sueco e, na mesma sala, gente de todo canto: França, Espanha, Colômbia, Japão, Tailândia, Alemanha, Romênia, Inglaterra, Grécia, Macedônia, África do Sul, Arábia Saudita e e Irlanda.

Mesmo em meio a esse pessoal tão diferente pra mim, acabei notando a presença de Darryn, um irlandês falante. Com o meu parvo conhecimento sobre a Irlanda eu apenas tinha a idéia de que os irlandeses são homens. Nunca penso em irlandesas, por exemplo. Sempre imaginei que eles gostam de beber muito nos pubs irlandeses e depois brigar com os torcedores ingleses, em estádios de futebol. 

Também fantasiei que eles são durões e machos-machistas, por causa do musical e do filme do Billy Eliot que, descobri com o irlandês da sala, nem é feito na Irlanda, mas no norte da Inglaterra. Não sei de onde eu tirei essa idéia! Coisas muito estúpidas que alguém pode saber sobre outro país, mas era isso mesmo. Eu parecia alguns gringos que acham que todo brasileiro vive de sunga na Amazônia.

Bom, fora a idéia abestalhada, o Darryn me pareceu apenas um aluno irlandês aplicado, mas eu fiquei lá imaginado sua história de vida, assim como tentei imaginar de outras pessoas da sala, inclusive de uma ou outra mais chatinha.

(Um pequeno e belo país chamado Irlanda)


É fato que em qualquer curso ou aula há sempre quem é mais calado e espera que a professora lhe pergunte algo. Sempre tem o aluno metido a saber tudo e o aluno que realmente sabe tudo ou se aplica em saber. Tem o aluno folgado, o aluno engraçado e simpático e por aí vai. E, depois de uns dois dias, acabei fazendo amizade com os franceses simpáticos, os espanhóis falantes e esse irlandês cheio de tirar dúvidas com a professora.

O Darryn, muito simples, vai de bicicleta na aula, como quase todo mundo. E, num desses dias, foi com uns chinelos que arrebentaram no meio da rua. Então, ele chegou arrastando-os, assim com se fosse bem pobre de marré-de-si. E na maior, mostrou pra todo mundo e disse no seu inglês carregado: "Essa porcaria arrebentou no meio da rua! hahaha!"

E teve um outro dia que ele foi destradado pela aluna metida a ser cool em qualquer situação, quando se recusou a ir sentar do lado dela e fazer os exercícios. Foi quando ele explicou, com muita naturalidade, que precisava ficar só do lado esquerdo da sala para enxergar a lousa, porque só tem um lado da visão. E foi essa mesma visão que o fez trombar com uma garçonete esses dias e derrubar toda a bandeja da moça no chão. Enquanto ela e outras pessoas o olhavam com cara de desdém, ele apenas dizia todo atrapalhado e sorrindo: "Mil desculpas, mil desculpas!!!"

("Sex billion to one", retrato da Miss Universo Rosanna Davidson, Darryn Lee, 2008)


Bom, sueco vai, conversa vem, acabei fazendo amizade com o irlandês. E, usando os diálogos do exercício, acabei descobrindo que o rapaz simples, falante e que trata bem todo mundo, inclusive o povo mais chatinho, é um grande artista na Irlanda. Grande, do tipo que se deu bem. Daqueles que já expuseram muito, que saem nos jornais etc. Darryn Lee pintou gente famosa do mundo todo e fez dinheiro com arte, o que é muito, muito raro acontecer. Além disso, ele reproduziu com perfeição, durante anos, as obras do italiano Caravaggio para inúmeros museus.

Rapidamente percebi que, apesar de seus chinelos quebrados, ele deve ter mais dinheiro do que o pessoal que o desdenha pode imaginar, embora eu não ache que isso seja uma qualidade em uma pessoa, mas algo que eu sei que ele poderia usar para sentir-se o ó do borogodó na sala de aula, mas não usa.

Hoje eu ri muito com esse irlandês e um francês, o Jocelyn, gente muito fina, finíssima, enquanto comia um espeto na barraca da África, aqui no Festival de Malmö, antes de pegar Ângelo no Dagis. Num grande palco tocava Buena Vista Social Club e senti um profundo agradecimento por aquele momento. Fiquei querendo voltar pra casa e dividir com o Renato que vive me trazendo histórias do pessoal do trabalho ou de suas viagens.

Fiquei lá pensando, com meus botões, como tem gente legal e que vale a pena em todo canto do mundo. E fiquei feliz que hoje eu possa saber um pouco mais sobre a Irlanda e os irlandeses. Feliz de poder conviver um pouco com essas pessoas e aprender mais. Feliz e imaginando o dia em que vou me lembrar desses encontros todos como sendo parte desse tempo meu, do Renato e do Ângelo nessa Suécia tão cheia de graças e de histórias. 

3 comentários:

Lilás disse...

É, menina, e você ainda vai ver muito nesta sua vida!
Uma coisa que aprendi é que a gente atrai os espíritos afins, ou seja, quando vibramos com boa energia, atraimos outros iguais.
Você, por exemplo, é uma delas para mim. Gosto de ler sobre o que vc escreve, pois tem um olhar amplo sobre a vida, a natureza e as pessoas que estão à sua volta.
Isto é que é saber viver!
beijão carioca

Lilás disse...

À propósito, o tal irlandês é muito bom mesmo, heim!
Gosto assim, quando o estereótipo não diz o que tem dentro da pesoa.

Somnia Carvalho disse...

Bom dia Lilás,

pensando que você é um desses espíritos bons parece mesmo que tenho atraído gente boa ao meu lado...
ainda que há milhares de léguas de distância...

rs...

uma coisa sobre mim é que não sei ouvir elogio, fico sem graça que é uma coisa... eu sempre me apego às críticas, não sei bem porquê... mas obrigadíssima pela força que você dá todos os dias com seus recados tão tão carinhosos...

Li uns posts seus tão gostosos e quero comentar alguns, farei isso no fim de semana! beijao