Pular para o conteúdo principal

Análises neuróticas 1? : A babá



("Carrinho de bebê, de Andréa Ebert)



Modernidade

A babá, preta, de branco,
 empurra o carrinho do bebê, no shopping.
Ela passeia com a mãe, branca, de preto.
As duas vão no maior ti-ti-ti
Conversando sobre a modernidade de São Paulo.

(autora: uma socióloga paulista)


Há alguns anos, vi esse poema (que espero ter reproduzido corretamente, porque eu o tenho gravado apenas na memória e nos papéis no Brasil) pregado nos ônibus do centro de São Paulo.

Tratava-se de um incentivo do governo da Marta às mulheres que gostassem de escrever. Lembro de estar em pé no buzão cheio, indo dar aula no cursinho. Mudei minha aula do dia e pus o poema em debate. Rendeu uma hora e meia de excelente conversa, argumentos e possíveis idéias para tratar em temas nos vestibulares. 

O impacto do poema foi tão forte em mim, que ele vem à minha mente, quase como uma canção, todas as vezes que penso em algo parecido com o assunto nele tratado. E voltou esses dias, depois dos comentários que vocês enviaram para o post "O que os suecos fazem bem que é uma beleza?"

O que vocês acham dele?
Ele diz tanto para vocês também? Quais os pontos que a autora (infelizmente que eu não guardei o nome) traz para o debate, ainda que de forma tão sutil?

...

(se alguém tiver o nome da autora, que não é famosa, nem nada, é um socióloga paulista. Assim vinha na descrição do nome... por favor me envie para eu dar os créditos? Tack!)

Comentários

olhodopombo disse…
gostei desta postagem,,,
ando lendo xobre o assunto por conta do curso da universidade,
mas gostei sobretudo da pintura,
ou seria colagem?
Unknown disse…
Eu nunca vi uma mãe, negra, com uma babá,branca,passeando no shopping.Moderninade só se for o shopping.Li um artigo da Rosely Sayão onde ela dizia"Vivemos um tempo em que virou moda repassar as responsabilidades sobre nossas vidas para outros."Pais que decidiram terceirizar a educação dos filhos. Para melhorar sua saúde e alimentação um nutricionista,um personal trainer, personal stylist e muitos outros.Agora quanto a babá,será que todas estão aptas para cuidar da educação dos filhos dos outros?
Beijos!!!
Érica disse…
A imagem é muito bem feita, amei. Assim como o poema.
Meu pai é branco, minha mãe é negra e eu sou alguma coisa.
Quando era pequena e eles passeavam comigo, as pessoas faziam comentários do tipo: "Uau! Nunca vi um homem passear com a filha e a babá sem a mulher" e coisas assim. Sendo que a "babá" era a minha mãe.
Também quando eu era maior e ela me deixava na escola as pessoas pensavam que ela era a empregada, alguma coisa assim. Menos minha mãe. E quando eu falava que ela era minha mãe eles: "Mas você foi adotada, não foi?"
Não sei se dou risada, se choro. Deu o que pensar, de verdade essa poesia.
Luciana disse…
Mas não é a babá preta de branco?
Então a babá que é negra.
Nesse poema só achei estranho elas conversarem sobre as modernidades, aliás, conversarem, pois geralmente as 'madames' não conversam com o empregado.
Fiquei com vergonha de comentar de tanto que comentei no outro post.
Bom fim de semana.
Beijo
Somnia Carvalho disse…
Fátima,

me pareceu uma pintura com colagem de tecido em cima.. linda ne? tambem gostei.. entra no endereco do flickr que pus la... e de uma artista...
Somnia Carvalho disse…
Irene,

bom, voce viu que eu achei o comentario bom de otimo!!! rs... minha resposta ao seu comentario esta no post seguinte...

e isso! e sabe que tambem me incomoda terceirizar o filho pros avos ne? ajuda da baba, ajuda da avo e sempre bem vinda, mas passar o trabalho todo adiante ai nao!
Somnia Carvalho disse…
Lu, vergonha??? que isso molé! tá maluca beleza! tem que comentar o quanto quiser e falar e meter a boca no trombone tambem! haha...

de fato é uma cena que nao deveria ser estranha... rs.. mas a autora do poema quis mostrar exatamente como ela e corriqueira voce nao achou?

acho que por isso a brincadeira com o modernidade! nada de moderno!

Ah! sabe que eu ja vi umas madamas chiquesimas com baba nesse tititi la no shopping higienopolis por exemplo algumas vezes...
Somnia Carvalho disse…
Érica,

Nossa adorei esse seu comentario! cheio de realidade e verdade!

sabe que eu sempre imagino o que pode significar sentir na pele o preconceito assim... no seu caso, contra a sua mae. Acho que deve doer de um jeito na crianca que e sem explicacao.

Mas eu lembro que voce comentou ha tempos naquele post meu do "black is beautiful" que voce sempre teve sua mãe em altissima conta e sempre a admirou por tantas coisas! que otimo que a visão pequena de tanta gente nao te contaminou !
Luciana disse…
Somnia, é como você disse nos comentários do post anterior, claro que se entende a necessidade de uma babá no momento em que se está trabalhando, o problema é a presenca dela em todos os momentos.
Outro dia conversando com uma amiga que mora em Natal, ela faz faculdade pela manhã, e disse que tem umas 'patricinhas' na sala dela, e que o assunto sempre é sobre os empregados domésticos, que nõ podem passar um dia sem uma babá, ou uma cozinheira, chegam a dar piti. Minha amiga contando isso não como crítica a total incapacidade das colegas de cuidarem do filho nos domingos ou prepararem um bife com arroz pra comerem na falta de uma cozinheira por um dia, mas porque acha chique. Aí eu percebi que além de ser necessário, o empregado doméstico é símbolo de status, por isso levar a babá pro shopping de uniforme e tudo mais, pq é chique.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que