Pular para o conteúdo principal

Mah que bela vista bella!

(Pôr do sol em frente de casa, mais ou menos umas nove da noite, Malmö, abril de 2009)

Esse "postezinho" é para agradecer todos os comentários de quem escreveu dizendo estar feliz com nossa nova morada e com a vista para qual eu posso olhar quando cozinho, tomo café, lavo trabalho, estudo, pinto, brinco com Ângelo, assisto TV, relaxo e etecétera.

Sim! O cara lá do apê antigo não sabe o bem que ele fez pra gente. Deu um trabalhão e tem dado ainda. Eu ando bem cansada pra dizer a verdade e tô um bagaço no fim do dia, mas vocês mesmos confirmaram que eu só tenho motivos para dar gracias.

Sim! É muito legal, eu sei! Aqui foi um daqueles achados, sabe? Aliás até que tô ficando especialista em achar moradia nota dez. Sete mudanças em sete anos de casamento tem me ajudado!

Foi um misto de sorte com estar no lugar certo na hora certa. Vi muitas casas e apês e esse tinha tudo, incluindo o preço supimpa. Vir pra cá tem a ver pra mim com esse "casamento" e conjunção do andar dos planetas. Tem a ver com muita coisa... Sorte? Benção? Destino?


(Aqui tá todo mundo fazendo festa, incluindo... "Cassa nova mamãe!", Malmö, abril de 2009)

O que percebo é que na nossa vida tudo sempre foi assim: a gente vai indo, vai lutando, a gente segue em frente e as coisas vão se encaixando. Tem uma parte muito grande que é mérito nosso, mérito do Renato que sai toda manhã, desde que o conheço, para trabalhar sempre cheio de disposição. Mérito meu porque (mesmo não tendo saído pra trabalhar nos últimos dois anos fora de casa) sei ver o lado bom das coisas e acho que sei viver com alegria que faz a gente ter vontade de mais, mas, claro, tem aquela parte que a gente não explica. Ou a gente tenta.


(A minha companheira de viagem, Madalena, estacionada numa vista paradisíaca de Ön, a ilhazinha que fica aqui em Malmö, abril de 2009)

O que sei é que estamos bem felizes, inclusive porque calhou de vir morar na praia no verão. Provavelmente no invernão escuro daqui a gente não acharia assim tanta graça... O que sei é que estamos muito gratos, agradecidos e agradecendo...

(O Ângelo no seu carrinho, com seu papis, nos campos de futebol que no inverno se encheram de neve, Malmö, abril de 2009)

O lugar, vocês devem se lembrar, fica em frente aquele mesmo campo onde a gente ficou brincando de trenó na neve há pouquíssimo tempo atrás. O canto novo fica há apenas 13 minutos de bike da casa antiga e do centro. Agora sou mais vizinha da Xu-Muié (de quem eu sempre tirei sarro por morar na "fazenda", mas que mora na verdade na Ilha que tem aqui). Já tenho até uma nova amiga brasileira. Paulista, vinda exatamente do mesmo bairro onde eu morava antes, a Liana, estuda sueco comigo no Komvux e mora há uns 8 minutos de bicicleta, grudadinho na Xu, nesse cantinho paradisíaco que eu meio que inclui como sendo vista de perto da minha casa...


(De Ön e daqui de casa a gente vê aquela ponte maravilhosa que separa a Suécia da Dinamarca, Malmö, abril de 2009)


(Ali do outro lado do Mar Báltico está Copenhaguem, a capital da Dinamarca, da qual consigo ver os prédios da sacada de casa. Aqui, vista paradisíaca de Ön, Malmö, abril de 2009)

Essa é uma daquelas coisas fantásticas das quais se pode ter na pacata Suécia. Dá para conciliar o trabalho legal com infra-estrutura da cidade e vida tranquila. São uns vinte e tantos minutos até o trabalho do Re e meu curso de sueco. Quinze até a escolinha do Ângelo. E ontem na escola uma moça achou que eu tava morando muuuito longe... rs... Isso já dava pra conciliar na casa antiga, agora eu concilio a praia. Sim bemmm! Malmö é uma cidade de praia, lembra? O Inverno se foi e agora a gente se lembra disso de novo.

(Um dos primeiros lugares que fiz questão de arrumar, o ateliê onde eu já pintei uma tela essas noites atrás, Malmö, 2009)

Eu tenho mais posts para escrever sobre algumas reflexões que venho fazendo, mas agora tô só dando notícia rápida mesmo, ok?

beijocas e boa noite!

Comentários

Beth/Lilás disse…
Ô mudeusduxéu, como esse gurizinho é lindo e tão feliz sempre!

Também, tem que estar feliz, com este parque enooorme prá ele correr de velocípede prá lá e prá cá! E a mãe dele com sua Madalena magrela vai fazer um bocado de ginástica pedalando. haha

Fantástica a vista! Sabe que a ponte lembra a nossa Ponte Rio Niterói? O mar é que não posso dizer o mesmo, tão largadinho o daqui. rsss

É isso ái, tem males que vem para o bem e você deu uma boa tacada. Aproveita e curta bastante!
bjs cariocas
Anônimo disse…
Meus Deus esse lugar é lindoooo!!!
Parabéns Somnia!!!!!!! \o/
Má disse…
Sominia, lindo, simplesmente tudo! Tanto fora como dentro de sua casa!
Nossa, sempre foi um sonho da minha mãe ter um chão assim, preto e branco!

Felicidades!

Má.
Mariel Stupp disse…
Eu fico imaginando como fica a criatividade no meio de tanta mudança! Ou morre ou fica a flor da pele, e eu voto na segunda!!
Se nao tivesse encontrado o Erik eu acho que eu engataria minha formaturea em arquitetura com uma faculdade de artes plàsticas, mas com toda a mudança pra Suécia e a luta pra ter uma vida profissional aì, vou ter que ao menos adiar. Acho lindo e totalmente terapeutico!!
Aproveitem o novo lugar, que como todo mundo jà disse, é lindo!! Vai trazer muitas alegrias pra famìlia de voces!!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que