Pular para o conteúdo principal

O que você vê nessa obra? A escultura de Kurt Trampedach



("Morning. Group of Woman and Man, one lying and one sitting on a bed", em dois ângulos diferentes, de Kurt Trampedach,, 1973, foto de Jaime Silva)


Eu não sei quanto a vocês, mas para mim teve boa a conversa sobre a última obra do "O que você vê nessa obra" com a "Desolação da Besta, da Kirstine Roepstorff . Eu não cheguei a fazer um texto só sobre o quadro, porque as discussões renderam material para que concluíssemos mais ou menos o significado da obra. Algumas idéias ficaram pendentes, como o porquê da bandeira da Argentina estar entre o restante, mas além da falta de tempo da última semana, também não sabia até que ponto vocês ainda estavam a fins de discutir mais a obra.

Aqui, vem uma terceira e última obra de um artista dinamarquês que está entre as três que mais me chamaram atenção na visita a obras contemporâneas de artistas da Dinamarca, as quais visitei no Statens Museum, em Copenhaguem. Assim eu posso encerrar minha trilogia de obras de artistas dinamarqueses!

Essa aqui é uma instalação, com duas esculturas em gesso, produzida em 1973, de Kurt Trampedach, cujo título é "Manhã. Grupo de mulher e homem, um mentindo e o outro sentado na cama. 

Eu também tirei várias fotos da obra, mas estou usando essas do belo álbum de Jaime Silva, que também visitou o museu e colocou a fotos no seu álbum do flickr. É claro que estar diante da escultura é diferente de apenas ver essa foto, mas eu realmente espero que vocês consigam "ver" algo nela. Gostem ou não, não deixem de dizer o porquê. 


Comentários

Érica disse…
Tem um quadro que parece essa escultura, como é bem parecido enxergo a mesma coisa. Para mim eles brigaram. O homem está se remoendo sentado e a mulher está deitada chorando.
Mariel Stupp disse…
Assim que abrì o blog e vì a foto pensei "e aì està a difrença mulher x homem". Depois que lì o titulo quase ouvì uma martelada dentro da minha cabeça pregando a intuiçao de antes. rs
As grandes diferenças fisicas e sociais entre homens e mulheres vao sempre resultar em conflito até que a gente aprenda a entender (o que nao significa concordar). O ue me chamou a atençao é que eu esperava a inversao de papéis. Os homens biologicamente conseguem se desligar de certa atividade quando inicia outra (sai da reflexao sobre o problema para dormir, no caso), e as mulheres, que tem maior capacidade de fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo, seria a que nao conseguiria pegar no sono por ter tanto pra pensar sobre a disparidade da relaçao.
Beijos e bom feriado!
Lúcia Soares disse…
Uau! Vamos "viajar", de novo, na interpretação. Cada um vê o que quer. Eu interpretaria assim: homem se levantando, depois de uma relação sexual (talvez pra voltar pra casa...pra mulher dele...ai, viagem!)e a mulher, lânguida, aproveita o cansaço pra relaxar...Não me parece cena de casal acordando..
Lúcia Soares disse…
Ah, esqueci de dizer: linda a escultura. Ao vivo deve ser mais ainda.
O titulo diz que ela está mentindo. Fingindo dormir? De todo jeito, ainda me parece que os dois estão transgredindo alguma coisa...A própria nudez da obra sugere isso. (Viajei demais??!!)
Ahahahahah
Anônimo disse…
Vendo como 4 pessoas (até agora) enxergam de formas diferentes o mesmo tema, eu comecaria pelo título da obra.
Ao ler a legenda em inglês, não traduziria "lying" como mentindo... e sim como (apenas) deitado. Também enxergo a escultura mais de madeira que de gesso. Não apenas pela tonalidade, mas pela rigidez da cena. A imagem me mostra mais tédio e mesmice, que briga ou mentira.
Para mim, uma típica manhã de um casal é: ou a correria do dia-a-dia (que não é o caso), ou curtir juntos a preguica de um sabadão! Estes dois parecem estar cansados de ter que olhar um pra cara do outro todo dia de manhã.
Vidinha mais ou menos, hein!

Beijos
Xu
Dentro da Bota disse…
Ola...
Bom, aqui sentimos os tremores, mas sera muito dificil algo mais serio, pois Roma nao é uma zona de alto risco... bom, essa sao as informaçoes que temos.... mas tem o site http://zonesismiche.mi.ingv.it/ onde é possivel ver o mapa das zonas de risco...
Qualquer coisa... o meu e-mail:
gighiggi@yahoo.com.br

Tanti saluti e boa Viagem
Gi, Roma...
Somnia Carvalho disse…
Queridas Érica, Mariel, Lúcia e Xu,

esses comentarios bons a beça serão respondidos no meu próximo post sobre a escultura. Vou reuni-los todos e comentar e tentar pensar a obra com voces!!!

Não ha resposta pronta! nunca há! e eu tenho apenas minha impressão como voces tiveram a de voces!

adorei! muito bommmm mesmo!!! as viagens andam rendendo!

ah! e eu tambem a-do-rei essa escultura... ela ao vivo é lindérrérrima!
Somnia Carvalho disse…
Oi Gi!

obrigadissima por me mandar resposta!!!

fui e estava muuuito bom!!! adorei!

eu mandei dois emails pra voce, mas vi depois da volta que eles estao no meu rascunho... nao entendi se foram ou nao! te escrevo de novo!

abracao!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que