Pular para o conteúdo principal

Calar-se ou não...

(O Lavrador de café", Cândido Portinari, 1934)


Gente, eu havia programado de escrever um post comentando a poesia "Modernidade" do post anterior, mas a Irene mandou um comentário tão bom que acho que quero começar por ele.

Além de comentar outros aspectos da paternidade e maternidade, ela disse:

"Eu nunca vi uma mãe, negra, com uma babá, branca, passeando no shopping. Moderninade só se for o shopping."

A percepção da Irene sobre a única coisa que tem de moderno no poema foi ótima. 

Lembro de alguns alunos meus na aula que dei sobre esse poema, dizendo que era moderno porque uma mulher branca e uma negra hoje em dia podem trabalhar juntas, serem amigas e passearem no shopping, mesmo uma sendo empregada da outra.

Lembro também que quase chorei com essa leitura, inclusive porque é bom ressaltar eu dava aula para alunos que queriam entrar numa universidade, eu dava aula em cursinho...

Bom, acho que esse poema traz aquela questão que a gente debateu bastante esses dias, sobre a importância de curtir os filhos crescendo, sobretudo no nosso tempo livre, já que a vida exige que abramos mão do resto todo. Creio, porém, que a autora faz uma brincadeira com o título "Modernidade" e uma crítica muito forte à estrutura social brasileira. 

Ainda em tempos tão modernos, nos quais passeamos em shopping center luxuosos, as diferenças educacionais, culturais e econômicas deixam transparecer centenas de anos de discriminação pela cor. Essa cena, corriqueira, parece não incomodar mais ninguém. Ainda que a babá nunca possa entrar numa loja do mesmo shopping que a patroa e comprar umas coisinhas para seus moleques, elas caminham lado a lado, como amigas ou boas companheiras. 

Se há um trocadilho meio irônico com o título, o poema faz outros trocadilhos não só irônicos, mas também tristes. O fato das duas mulheres, uma branca, uma negra, estarem passeando juntas e o fato de que "vão no maior ti ti ti", não significa algo positivo. A roupa branca da babá, uniforme que marca a condição de empregada e de inferior na relação com a outra, em contraste com a roupa preta, sinal de elegância, da mãe, mostra que o ti ti ti é apenas ingênuo. Ou falso. 

A tristeza fica por conta de nem a mãe branca parecer se dar conta de que repete uma história de dominação e um papel tão antiquado, como o da mulher rica que tem a "escrava" negra e nem a empregada negra que sua situação possa ser tão miserável. 

Na descrição do poema, a mãe está em momento de lazer, mas traz sua "mucama". Ela tem seu bebê querido no carrinho o qual ela nem mesmo faz questão de empurrar. 

A miséria está em não reconhecermos em cenas assim algo tão arcaico, tão consolidado e tão difícil de ser questionado. 

A gente não questiona porque já se acostumou. A gente não questiona porque não quer ter um dia triste e cheio de preocupações mais além daquelas que já temos e porque posts alegres dão mais ibope. A gente não questiona porque sabe que é algo bem difícil de se mudar. A gente não questiona porque conhece gente que gosta e que faz o mesmo. Ou... a gente não questiona porque faria o mesmo, sendo brancos ou negros, desde que tivesse dinheiro e que "precisasse".

O grande valor desse poema anônimo é que ele faz e força a gente a questionar.


...

A semana aqui está com milhares de tarefas para eu cumprir, sem marido e com Angelinho ficando doente. tchau! tchau! beijos!

Valeu!

Comentários

olhodopombo disse…
eu vivo imaginando um mundo aonde a cor da pele das pessoas seja irrelevante em relação a verdadeira existencia como ser humano....
Mariel Stupp disse…
E essa é sò mais uma mostra de como a mao-de-obra no Brasil é ridiculamente barata. Nòs contratamos pessoas para quase tudo, desde alguém pra lavar o carro por fora como alguém pra trocar um chuveiro queimado. Nesse caso, alguém pra "empurrar o carrinho". Ou seja, parte da populaçao é mimadissima e a outra metade ralando duro pra ter o minimo de comida na mesa.
lola aronovich disse…
Que ótima análise, Somnia! Esta e no outro post também. Eu queria poder comentar, mas estou correndo.
Sabe, eu tenho uma amiga que mora em Malmo, a Pia. Ela é sueca. Estudamos juntas na sétima série. Mas faz uns anos perdemos contato.
Somnia Carvalho disse…
Fátima queridona, eu tombém!!!
Somnia Carvalho disse…
Mariel eu penso sempre a mesma coisa...

sabe que uma das coisas que mais me incomodou nessa visita ao nosso Brasil foi ter alguem para empacotar minha compra? Juro!

e fui num mercado que tinha 24 caixas e 24 empacotadores as 9 da manha... numa praia cara... e eles estava parados, sem fazer nada porque o mercado ainda tava vazio... E exatamente porque eles tem o salario de miseria que voce disse... e claro que ta todo mundo pensando: "sorte deles que tem!"
Somnia Carvalho disse…
Oi Lola! ce achou? so por falta total de tempo eu não linquei esses dois textos com um seu sobre empregada e um da Paola... fui procurar e começou a demorar, dai desisti. Mas tanto voce quanto meio que me motivaram a escrever isso que eu ja tinha pensado em escrever qundo estava ainda na visita ao brasil.

Ah! me da o nome inteiro da sua amiga que aqui na suecia e facilimo de achar alguem... e so eu jogar na internet o nome completo dela que eu devo conseguir achar telefone e endereco. tem uns sites daqui especializados.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que