Pular para o conteúdo principal

"Mirem-se no exemplo..."

("Mulheres de Atenas", tela que pintei há mais de seis anos, nunca mostrei a ninguém e vive no depósito de casa. A idéia esquisita que a inspirou foi a de que cada mulher tem em si multi personalidades e nenhuma de nós é igual a outra. Nossa beleza é de sermos únicas, ainda que estranhas, Somnia Carvalho, 2003)


Era o ano de 1983 e eu tinha 12 anos de idade.

Cravada no interior de São Paulo, no meio de uma vilinha da COHAB, eu vivia junto de minha família como se o Universo todo fosse o caminho que ligava minha casa à escola.

Pega-pega na rua, bonecas, esconde-esconde e outras brincadeiras se somavam à rotina da sexta-série. Sessão da tarde na tevê com meus irmãos, o pôster de Michael Jackson na parede e o "Like a Virgin" da Madonna (quem na época eu nunca sonhava encontrar) no rádio velho do meu pai.

Eu não pensava em muito mais, ou ao menos não me lembro de pensar. Minha vida era simples e eu era só mais uma garota boba do interior. Ou ao menos assim o mundo queria que eu o fosse.

E foi dessa maneira que, num dia qualquer daqueles anos, nossa professora, Dona Léa, da antiga e obrigatória disciplina Educação Moral e Cívica, chegou na sala e disse que teríamos uma aula muito diferente.

- Ôbaaa! pensei em voz alta comigo mesma, enquanto mais alguns e algumas demonstravam o mesmo empolgamento.

E então Dona Léa, uma mulher calma, de voz suave, cujo óculos conjugava um falso (hoje eu sei) ar intelectual, foi nos contando como tudo iria ocorrer.

Tratava-se de uma aula especial para meninas. Todos os meninos deveriam sair da sala, porque nós iríamos discutir algo extremamente importante naquele dia. Nossa aula seria sobre educação sexual, incluindo informações de como se prevenir contra doenças e gravidez e se cuidar bem.

Toda aquela molecada e meninada se olhou curiosa. Os meninos estavam ainda com olhar questionador quanto ao que viria, quando ela completou:

- Vocês todos podem ir até o páteo e jogar bola até que a aula acabe. Vamos!

E então foi um alvoroço. Os moleques se levantaram radiantes, falando em voz alta, empolgadíssimos com a aula enforcada, ao mesmo tempo em que eu soltei um sonoro:

- U QUÊÊÊ?

Alguns deles pararam para ouvir e a professora olhou para mim calmamente e perguntou:

- Qual o problema Sônia? Você tem alguma questão?

E então fui falando meio esbravejante, assim mesmo com indignação quase política saída não faço idéia eu de onde:

- Se a aula é de educação sexual porque é que só nós meninas somos as interessadas? Que eu saiba a gente não consegue engravidar sozinha! Não tô entendendo porque eles vão jogar bola, enquanto a gente fica com a parte chata! Eu prefiro ir com eles!

Argumentei do meu palanque na segunda carteira e esperei pelos aplausos que não vieram, obviamente.

Foi minha perdição.

Eu já era (ao menos eu achava que era) considerada meio esquisitinha na sala. Eu tirava excelentes notas e era meio tratorzão com o pessoal. Eu não era loirinha, de olhos azuis e corpinho que prometia para a adolescência. Magrela e alta estava sempre no grupo das inteligentes, embora eu entenda agora que não era mega inteligente, mas era apenas um pouquinho mais esforçada que a maioria. Eu não estava e nunca estivera entre as queridas e populares da sala. As professoras adoravam meu interesse pelas aulas, mas a verdade é que no intervalo o que eu normalmente levava na brincadeira do "Beijo, abraço ou aperto de mão" era só um apertão na mão com o corpo bem longe um do outro.

E foi então que minhas coleguinhas famosas da sala me olharam com aquele olhar penetrante, fuzilante. Com as cabecinhas levemente abaixadas, me encarando e balançando para lá e para cá, fazendo aquele som com a língua presa entre os dentes, elas me julgaram. Até hoje me lembro perfeitamente de seus olhares: eram como donzelas, Penélopes charmosas que entendiam perfeitamente como se portar na vida e na escola para um dia arranjar um bom casamento. Elas tinham tanta certeza de que já faziam a escolha certa.

- Esquisita! Esbravejou uma falando sozinha para o chão.

E assim também o fez a professora Léa. Com cara de "ai sua tolinha!" ela explicou fingindo paciência aquilo que eu já deveria ter entendido antes sozinha mas que, felizmente, ela estava ali para me fazer compreender. Seu discurso, o qual não consigo reproduzir literalmente, mas me lembro bem o conteúdo, dizia algo mais ou menos assim:

- Sônia se cuidar é tarefa da mulher. Os homens sempre vão se relacionar com uma, duas, mais mulheres e não se cuidam, porque é assim que é. Eles se envolverão com prostitutas, porque é assim que eles são e gostam de ser. Você precisa cuidar de seu corpo e tomar cuidado. Hoje em dia uma moça que perde a virgindade acaba caindo na vida. Você precisa entender que se não tiver orientação vai ser usada pelos homens e deixada de lado. Ou você não pretende se casar?

Nóóó!!! Aquela pergunta fora a consagração da minha sentença. Toda a sala olhou curiosa para mim, incluindo as minhas duas amigas inteligentes, "feias" e próximas, Zilda e Helena. Eu era péssima menina seja porque não demonstrava interesse em me casar, seja porque não queria me cuidar para não ser usada e jogada fora.

Eu, que na época não acreditava mesmo em casamento e até tinha planos secretos de ser freira missionária para "salvar-gente-pobre-de-marré-de-si--carente-de-minha-ajuda", pra ser sincera, não sabia do casamento mais do que o que via em casa e na casa dos vizinhos. O que eu sabia era que não gostava nada do que via e ouvia e tinha muito medo de reproduzir o mesmo um dia. Por isso respondi mentalmente: "E daí se eu não quiser!?"

Bom... ladainha vai, ladainha vem, fato é que tive de permanecer na sala. Ouvi tudo, assim de braços cruzados sabe? Porque o corpo da gente fala e eu quis falar do meu jeito o que sentia, ainda que ninguém ali estivesse a fim de me ouvir.

Eu não estava aberta para aquela aula de Educação Moral e Cívica, que incluia os "horrores" todos acerca de sexo entre gêneros iguais, aborto, sexo anal (o qual segundo minha professora fazia a mulher não ter mais controle das suas próprias fezes e a obrigava a viver de fraldas feito bebê), Informações cheias de conteúdo que o governo e a Igreja da época a obrigava a nos jogar goela abaixo.

Passados todos esses anos eu lembro desse episódio com um certo orgulho infantil. Todas as vezes que alguém fala de feminismo eu fico me questionando como foi que o meu se deu início e fico ainda sem resposta exata.

Todos os anos de eleição, quando volto à minha antiga escola para votar, eu normalmente reencontro algumas daquelas meninas, hoje mães de muitos filhos, e também alguns dos meninos. A maior parte vive na mesma vila, vai ao mesmo supermercado, educa seus filhos na mesma escola e bebe de valores comuns que parecem ser suficientes para lhes trazer alguma felicidade.

A beleza prometida na infância nem sempre se concretizou na vida adulta ou ao menos não se eternizou e não sei como lidam com isso. A vida deles segue e a minha que não prometia muito também. Há, porém, uma grande ponte que me separa da Sônia da década de 80 e a Sônia atual: hoje eu sei que não era eu a esquisita. Esquisitas eram todas aquelas meninas que pensavam ser obrigadas a assumir o papel que alguém havia preparado para elas na vida.

O que eu era? Eu era uma pequena feminista. Era isso sim o que eu já era!


Comentários

Lúcia Soares disse…
Que bom que era e tinha coragem de falar (mesmo não sendo ouvida).
Eu sempre fui a quietinha, a que tinha vontade de falar mas ficava quieta.
Absurdo mesmo a maneira como as mulheres foram criadas.
Imagina, então, o que era na "minha época", eu adolescente nos anos 60.
Sexo era algo tão "proibido" que nem a palavra era dita! rsrsrs
Mas, quer saber? em muitas coisas...bons tempos...
Beijo!
Anônimo disse…
Quando li seu texto tive uma sensação de que já tinha visto ou ouvido em algum lugar.
Aconteceu comigo também, recentemente, a descoberta de que nem sempre a beleza da adolescência era passaporte para a felicidade como muita gente me fazia pensar. Aos treze anos era das meninas invisíveis da sala, daquelas que sentam perto da parede, que tem uma ou duas amigas e nunca são convidadas para nada.
Como não era bonita tinha todo o tempo do mundo para estudar. Já as mais bonitas se dedicavam as festas, ao cinema com os garotos, as paqueras no colégio. Pra quê estudar se eram bonitas e alguém sempre dava cola a elas.
Hoje a realidade é outra, tenho um ótimo emprego, um marido lindo, que me respeita e que quando não estamos pra namoro, adoramos sair pra tomar uma cerveja e conversar sobre temas variados e viajamos muito para Europa, Usa e Caribe.
Esses são os frutos de uma vida dedicada aos estudos.
Maariah disse…
Somnia adoro ler os teus textos. Sinto que estou a dizer mais do mesmo ao escrever isto, mas que modo de escrever tão cativante. Adorei.

Bom, professorinha básica. E imaginar a quantidade de meninas que a devia idolatrar. Engraçado que eu não me recordo de muita coisa. A sensação que tenho é que estava no grupo, não chamava a atenção, inteligente sim, ou pelo menos, esforçado como dizes, mas acima de tudo calada. Mesmo que pensasse do mesmo modo, que infelizmente não sei como era.
lola aronovich disse…
Nossa, Soninha, amei! Minha heroína já aos doze anos de idade! Olha, é preciso ter coragem (ou cojones, já que coragem pelo jeito é coisa de quem não tem que parir, coisinha à toa) pra questionar professora, instituição e colegas já aos 12 anos. E vc teve! Mas é bizarra essa situação, né? Sinal de que alguma coisa deve ter mudado, porque hoje, IMAGINO, a própria coordenação da escola diria o seu "UQUEEE?" se falassem de educação sexual só pra meninas, já que os meninos, a gente sabe, são o que são.
Adorei a sua descrição de como vc foi condenada pelas coleguinhas. Eu me senti lá naquela sala, sendo vc. Abração, querida!
Ivana disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Ivana disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Ivana disse…
Feminista e corajosa, isso que já eras desde aquela época, Somnia!
Ah, eu era tãããooo abestadinha. Cheia de medos e de inseguranças. Me achava burrinha, pode?! Em terapia, já coloquei muito aquela menina (eu) no colo, e falei coisas boas de ouvir, do quanto ela sabia escrever bem, sempre saindo-se muito bem no famoso e temido ditado, onde escrevíamos a palavra "sorteada", direto na lousa.
Como eu adoraria, Somnia, ter sido mais corajosa quando criança! Mas tudo bem, a coragem não me faltou, mais tarde, para os desafios da vida!
Ah, e esse post vai pro concurso da Lolinha, né? ;)
Um beijo!
Camila Hareide disse…
Só pra constar - porque seda rasgada não precisa mais... Texto lindo, espero que entre no concurso da Lola.

beijo e sodade
Dri disse…
Haha...muito bom! Sem dúvida, um dos seus melhores textos! Deu pra ver a cena do seu discurso! Fiquei orgulhosa, mas ao contrário de vc só virei feminista depois de velha...rsss
Beth/Lilás disse…
Quer dizer então que em 1983 ainda tinha este pensamento dominando nossa cultura?
Pensei que era só nos meus tempos de garota que tudo era tão fechado, recolhido e sagrado. E eu era mais uma 'por forex' que tinha na época, não estava nem aí para essas coisas, alienada que só, completamente mergulhada no mundinho a que éramos submetidas não só pelo regime militar como familiar.
Coisa besta sô!
Vou torcer para que ganhe o tal concurso.
bjs cariocas
Mari disse…
Nossa Sonia, eu passei por situações bem parecidas com estas. Era meio esquisita e diferente porque não aceitava muito aquele destino que tinha sido reservado a mim e minhas colegas. A maioria delas hoje vive na mesma vila também e reproduzem para seus filhos a mesma mentalidade que seus pais tinham na época. Talvez por ter irmas mais velhas, eu já pensava diferente; queria algo diferente e hoje vejo que eu não era a esquisita. Só lamento não ter tido uma aula destas na escola, porque infelizmente tive que aprender quase tudo sozinha.
Somnia Carvalho disse…
Gente, tem comentario legal demais aqui, entao volto para responder um por um com calma..

esse texto ira sim pro concurso da Lola, de divulgacao de blogueiras... mas entrara na urtima fase, por enquanto podem conhecer os textos da segunda parte que estao concorrendo esta semana...

beijocasssss
Nathália. disse…
Parabéns, você é uma das minhas heroínas! ótimo texto!
Boa sorte pra gente nesta quarta etapa do concurso!
Ághata disse…
Nossa, que texto envolvente!!!

[E coitada desta professora...]

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que