Pular para o conteúdo principal

Quase lá... mas não ainda

(La coqueta VII)

Nem é justo que alguém que suma assim como eu ainda receba emails preocupados, telefonemas carinhosíssimos e comentários ávidos por informação. Eu sei disso!

Estou tentando há semanas fazer umas fotos desta minha última gravidez, dessa preparação toda e não consegui ainda. Queria registrar o momento, minha barriga pontuda e já caída e só vou daqui pra lá e de lá pra cá todos os dias.

Me emocionei agora pouco vendo um vídeo do parto normal, enquanto tentava contar as contrações, embora eu já tenha visto milhares de vídeos assim antes do parto do Ângelo.

O bercinho pequenino da Marina está arrumado. Ângelo espera por ela ansioso, assim como toda a família. Eu acordo muitas vezes a noite com contrações e bexiga cheia e estou naquela fase do quando será?

Tenho três centímetros de colo aberto, foi o que disse meu médico ontem! Contrações fortes, às vezes compassadas que vêm e desaparecem. Meu corpo se prepara intensamente para a grande jornada e mal posso esperar para ver a carinha de quem esteve comigo estes últimos 9 meses.

Eu sei que parece piegas, mas esta experiência de gravidez é tão arrebatadora que me faz chorar quando me banho e canto para minha pequena menina: "Marina, você é muito bem vinda!".

Tenho mania disso. Mania de ser piegas e apaixonada. E se já sou pelo Ângelo do jeito que sou não consigo nem pensar o que será esse amor em dobro!

Então vocês já sabem. Ela ainda está aqui, só não sei quanto tempo mais. Se seguir a previsão primeira ainda tenho mais três semanas, já que completei 37 agora. Veremos! E como sou personagem central da novela "Fogo no rabo" já programei na cabeça assim: quando for para o hospital, jogo um post antes de pegar a mala do hospital, porque eu vou adorar saber que vocês estarão celebrando com a gente!

Beijos nas bochechas de todo mundo que passa por aqui e obrigada!

Somnia.

ps: A propósito, publiquei acima um post sobre as origens do meu Feminismo e que deve aparecer em breve no concurso da Lolinha. Ainda falo mais sobre isso em outro texto. Bye Bye!!!

Comentários

Maria Nizete disse…
Linda ...vc deve estar lindissíma, eu sou piegas e nem ligo sou apaixonada pelo meu filhote Vinícius ..amo mulheres grávidas..acho lindo ....estou ansiosa por vc ....ai ai Marina logo logo vc vai estar no colo da sua mamãe..que delícia
bjs
Ivana disse…
Sômnia, que maravilha que deve ser toda esta espera pra ti, para o Renato, para toda a familia. Pra mim também, que tenho te acompanhado por aqui.
Vou adorar, ver a carinha da Marianinha!
Beijos!

Rá! Comecei lendo de cima para baixo e agora confirmastes que o post é para o concurso da Lolinha!
Lúcia Soares disse…
Sônia Sonmia, vamos torcer pra Marina ficar aí até a data certa, uai!
Pra que pressa, né?
Espero que seja um parto lindo e abençoado.
Fico na torcida e que Marina venha na luz de Deus.
Beijos!
Camila Hareide disse…
Ah, bom! Agora já vi que o texto anterior vai pro concurso...

Afemaria, tá quase, hein? Guenta firme, muié, logo teremos fotas da pequenina!

beijo
Beth/Lilás disse…
Dona Soníssima,
Estamos aqui de prontidão para festejar a chegada da Marina, mas não se apresse e nem a ela, deixa a guriazinha vir quando quiser e bem entender, ok.
beijos cariocas



Ahhhhhh, revi o filme e meu filhote e maridex disseram que já tinha visto sozinhos há alguns meses, mas mesmo assim vimos de novo e eu me emocionei again.
Tadinho do menino! Só gosto de final felizes, que fazer?! hehe
bjs

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que