Pular para o conteúdo principal

A Chuva... "Tillbaka till samtiden"

(Das paisagens que nunca mais sairão da minha cabeça, Småland, setembro de 2009)

É noite.
Me acalento no som intenso da chuva que cai.
Retorno à infância, quando costumava deitar-me sob as cobertas em dias chuvosos e sorrir no escuro sozinha.

A chuva caindo assim tão pesada é algo mais brasileiro do que a caipirinha e o carnaval.
Adoro.

Há pouco tinha em minhas mãos um longo e caprichado encarte de uma banda sueca, Kent, presente que um amigo querido ofereceu ao Renato antes de nos desperdirmos. Algumas fotos abstratas feitas a partir de paisagens suecas, a dedicatória escrita em inglês, na letra corrente do amigo alemão - "Eu lhe desejo tudo de melhor meu amigo, obrigado for todos os momentos bons..." - deixaram meus olhos marejados...

A água da chuva, a água em meus olhos... O passado, o presente...


(De momentos que adorarei lembrar, a assanhada e a tímida, Xu e Nikol ao som de Dominguinhos, festa do Midsommar na Casa Nova, julho 2009)

Sinto tão verdadeiramente neste instante o quanto a vida é feita mesma de momentos felizes e inesquecíveis...

Com o livro nas mãos é como se pudesse sentir o cheiro da antiga morada, a longíqua Suécia...

Por alguns segundos sou capaz de me transportar às ruas e ter um pouco da sensação maravilhosa de se sentir estranha...

Andar, perambular ou viver num lugar de onde se sabe pouco é como ter rapidamente o mundo em suas mãos...
É sentir-se um tanto poderoso e capaz de ir e vir por entre diferentes multidões...
É ficar satisfeito em ser uma formiga micro no macro...
É ter o coração batendo mais acelerado, uma sensação jovial e desafiadora.
De-li-ci-o-sa...

A chuva se acalma lá fora...

As lembranças se aquietam aqui dentro. Sorrio feliz e satisfeita.
Todo o passado e todo o presente me pertence.


...

* Tillbaka till samtiden, De volta ao presente, é o título do álbum da banda Kent.

Comentários

Beth/Lilás disse…
Hummm, que post mais bonito!
Eu bem sei como é essa coisa da gente de repente sentir o lugar que tanto amamos, já tive essa experiência e volta e meia fecho os olhos e me transporto aquele lugar. No meu caso, foi na Inglaterra, às margens do Tâmisa, eu sozinha caminhando e vendo tanta coisa linda que ficou gravada em minha mente para sempre.
Sabes, acho que é isso a tal felicidade! Quando a gente relembra com perfeição, até de cheiros, tudo aquilo que nos deixou encantados.
beijos grandes, muitos.
Xu disse…
Coisa + linda, baby!
Os momentos foram mesmo muito bons... ou melhor, foram ótimos! delícia de lembranca essa sua...
por aqui tb fico com todas as lembrancas maravilhosas dos 3 anos q passamos juntas nesta Suécia distante.
saudade de vcs....

bjos, Xu

P.S. eu, assanhada?!?! como assim?!?! kkkkkkk :-P
Ivana disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Ivana disse…
Somnia, essa foto eu já conhecia de outro post seu e é linda, linda!
Sabe, eu adoro esta sensação que descrevestes, de ser estranha em um outro país ou cidade, é maravilhosa. Já tive a feliz oportunidade de estar solta e desconhecida em um outro país e acho fascinante! Este sentimento de "não pertencer" é libertador!
Eu também adoro a chuva e ela é diariamente presente na minha cidade natal: Belém do Pará. Adoro quando os dias são chuvosos, nublados, como o dia de hoje, por exemplo.

Um beijo!
Lúcia Soares disse…
Soninha, a nostalgia está toamndo conta de você? rsrsr
Mas é muito linda essa Suécia e voc~e a amou tanto (ama) que até me dá vontade de ir lá. Mas num verãozão, pois odeio frio, dia nublado, chuvoso, como está hoje em BH. A melancolia se entranha em mime fico chaaataaa!
Olha, tô "apostando" que vocês ainda voltam pra Suécia. É uma qustão de tempo.
E hoje a Françoise volta, já deve até ter chegado ao Brasil.
Idas e vindas ao sabor da mágica da vida.
Marininha agradece o calor tropical. (tomara!).
Beijos!
Jux disse…
Passado, Presente e Futuro, todos nas suas mãos!
Bom recordar... e lindo viver!
Willkommenes süßes Marina!

Beijukiss

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que