Pular para o conteúdo principal

Segunda sueca


("Guldlock", Eva Dahlgren)

O dia em São Paulo amanheceu chuvoso. Céu cinza.
Apesar da baixa temperatura na madrugada, o dia não é frio, mas é um típico dia de inverno brasileiro.

Ao preparar o café da manhã ainda no escuro lembrei-me das muitas e muitas manhãs de inverno na Suécia. A atmosfera mais quieta, a névoa, o escuro e automaticamente precisei ouvir Eva Dahgren que para mim é a cara do lado frio e fechado da Suécia. Ao mesmo tempo a forma quieta e contida de ser dos suecos e suecas.

Esta música é linda, minha preferida da cantora quem, aliás, diz no início deste vídeo acima, antes de cantá-la, que é também a música que ela mais ama cantar.  Dá para sentir um peso na melodia, mesmo que não se entenda a letra... Lembro-me ter ouvido na casa de uma amiga também sueca e pedido emprestado. Amava mesmo antes de entender qualquer palavra, antes de estudar a língua.

Abaixo a letra em sueco e uma versão fraquinha tomada no google só para vocês terem uma idéia do sentido, já que não tenho tempo para fazer uma tradução melhor agora. Fiquem livres para contribuir com a tradução pra gente...

Guldlock significa originalmente algo como cachos dourados. Remete a uma fábula que acredito (ou inventei) ser sueca... Na música Eva dá o nome de Guldlock para alguém que ama... Bom esta é minha interpretação... e ela pode ser pura viagem... mas viagem boa mesmo é ouvir esta cantora. Experimente!

A entrevista é apenas alguns segundos e então você pode ouvir a música.

Ótima segunda-feira...


Guldlock

Kom guldlock med ögon blå
Kom nu för jag längtar så
Kom nu
Med din evighet
Som det enda svar jag vet

Kom stjärnöga ge mej tröst
Som vårvärme i mitt bröst
Kom liten till värld så stor
Du min himmel
Jag din jord

Så många mil som jag färdats
Och sökt
Nånting
Nånting
Nånting
Jag funnit kärlek lycka och lugn
Men i mej
I mej
I mej finns ändå tomma rum

Kom vildvind med rosenkind
En kort stund var bara min
Så lovar jag
Innan du ber
Att ge dig frid

Kom du som ser världen ny
Som aldrig sett dagen gry
Låt all skönhet på min jord
På nytt födas
Med dina ord

Så många mil som jag färdats
Och sökt
Nånting
Nånting
Nånting
Jag funnit kärlek lycka och lugn
Men i mej
I mej
I mej finns ändå tomma rum


...

Goldlocks

Goldilocks veio com olhos azuis
Venha Eu Gosto de Ver
vem agora
Com sua eternidade
Como a única resposta que eu sei

Vem me dar conforto estrelado
Como o calor da primavera no meu peito
Venha pouco para tanto o mundo
Você é meu céu
Eu sou o seu solo

Quantas mil como eu viajei
e procurou
algo
algo
algo
Eu encontrei a felicidade, amor e paz
Mas em mim
em mim
Em mim ainda há quartos vazios

Obter selvagem com vento aumentou face
Pouco tempo foi só a minha
Prometo
Antes que você pergunte
Para lhe dar paz

Você viu o mundo como nova
Como nunca se viu dia amanhecendo
Deixe toda a beleza da minha terra
No recém-nascido
Com suas palavras

Quantas mil como eu viajei
e procurou
algo
algo
algo
Eu encontrei a felicidade, amor e paz
Mas em mim
em mim
Em mim ainda há quartos vazios



Comentários

Beth/Lilás disse…
Carácoles! Que voz lindona essa gringa tem, amei!
Eu estava ouvindo uma outra cantora com voz forte e vibrante como ela, a Zélia Duncan e desliguei para ouvir a sua indicação. E percebo como as mulheres são ótimas intérpretes, cantam com muita vibração e eloquência.
Mesmo sem entendermos o que ela diz, dá pra sentir que fala de algo muito intenso expresso através de sua bela interpretação.
Esta é a segunda cantora sueca que você me apresenta e que eu fico impressionada. adorei!
beijinhos gelados, cariocas
Somnia Carvalho disse…
pois eu lillasss! eu adoro esse vozerao dela... fora que a cantora e cheia de personalidade, e meio down... eu adoro!

ah e ela tambem e assumidamente homossexual como zelia... quer dizer acho que a zelia e assumida total, nao sei de fato... mas a Eva e companheira da dona de uma grife de joias muito famosa na suecia...

vou indo! beijos

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que