13 dezembro 2007

Ser por inteiro


("Mulher com duas caras", Marc Chagall)

Há muitos anos, estudando para o vestibular, dei de cara com o curto, mas profundo, poema de Fernando Pessoa.
Li, reli, li de novo. Nunca esqueci.
É conhecido e lindo de se repetir.

Tenho pensado muito nele e estou igualmente apaixonada por esta tela de Chagall.
Talvez porque, mais do que nunca, tenho percebido que para ser inteiro é preciso, mesmo, não excluir nada, embora na vida a gente tenha mania de mostrar apenas a face que todo mundo gosta e aprova.


.....

Para ser grande, sê inteiro

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive


Ricardo Reis

......

2 comentários:

Daniela disse...

Sômnia, parece que esta poesia está me perseguindo! Há uma semana uma amigo postou uma parte deste texto que me deixou pensativa: "Põe quanto és no mínimo que fazes". Sei que hoje estou devendo muito de mim no trabalho, com os amigos e família...então, estes 10 dias antes de voltar ao batente em 2008 serão usados para me equilibrar e encontrar um foco e poder dar mais de mim!

bjs e continuo adorando seus textos!

Dani
1daystand.blogspot.com

Somnia Carvalho disse...

Bom dia Dani!

Eu também amo este trecho... mas fico pensando quantas vezes consigo colocar tudo o que sou no mínimo que faço...

é tão difícil às vezes, porque normalmente eu quero me colocar em coisas grandiosas... as simples, algumas delas, eu nao percebo de vez em quando...
mas quando eu leio o final "assim em cada lago a lua toda brilha, porque alta vive", eu penso que vale muito a pena por tudo de mim, mas também tentar ser inteira.

Tem sido tão bom escrever o blog, porque despedaçando-me tenho me descoberto mais completa, talvez por isso tanto Fernando Pessoa nos post... rs...

Eu também adoro passar pela sua casa!

beijos!