Pular para o conteúdo principal

"Jag vill tacka livet", quero agradecer à vida hoje, mas em sueco...


("Jag vill tacka livet", Arja Saijonmaa, versão de Gracias a la vida de Violeta Parra)


Em vários momentos diferentes dos últimos anos eu postei ou citei a maravilhosa canção de Violeta Parra aqui... (Provavelmente a maioria de vocês já ouviu na voz da sempre doce Mercedez Sosa...)

Em dias em que olhava para o mar Báltico azulzinho em frente da antiga casa na já longígua Suécia. Normalmente em manhãs em que sempre me dava conta de que a vida pulsava em mim e à minha volta nas pessoas que amava tanto...

Hoje acordei pensando na antiga "Casa Nova", a forma como Ângelo sempre se referiu à casa onde ele mais viveu até hoje e tive muitas saudades. Ao mesmo tempo tudo parecia quase parte de um grande sonho, sabe? um lugar onde se acordava de frente para o mar, ouvindo passsarinhos, vendo o colorido das flores na primavera e o branco da neve no inverno... onde eu me locomovia sentindo o vento nos cabelos em minha "Madalena" preferida junto com Ângelo.

Senti saudades e senti também Marina se mexendo toda dentro de mim... São 35 semanas agora e ela está grande, quase pronta para viver essa vida com a gente.

Ao deixar o irmãozinho dela na escolinha agora de manhã, onde ele ficará até meio dia, ganhei dele um beijo tão gostoso, tão cheio de amor e cumplicidade, um beijo que me prova que minha casa é onde estão eu estes três grandes amores, pelo menos!

E aí, agradecendo à vida, eu quis agradecer em sueco... vim ouvir essa canção na versão sueca, cantada pela finlandesa Arja Saijonmaa, que os escandinavos adoram e que eu conheci através do médico urso Björn quem tratou e curou uma infecção que tive no tendão do carpo... Björn é uma daquelas pessoas especiais demais, capazes de contagir o mundo com sua calma, sua beleza, seu sorriso e seu jeito afetuoso de tratar os outros.

Nesses momentos eu sempre penso que não há nada, nada nessa vida mais precioso do que a vida, ela mesma...

Foi então que pensei em rapidamente dividir a canção com vocês, hoje na outra língua que aprendi a amar...


"Jag vill tacka livet"

Jag vill tacka livet
som gett mig så mycket.
Det gav min två ögon
och när jag dem öppnar
kan jag klart urskilja
det svarta från det vita
och högt där uppe
himlens mantel strödd med stjärnor.

Jag vill tacka livet
som gett mig så mycket.
Det har gett mig hörseln
som i all sin vidhet
fångar natten och dagen,
syrsor och små fåglar,
tubiner, hammare, ett hundskall
och ett ösregn
och röstens ömhet hos den jag älskar.

Jag vill tacka livet
som gett mig så mycket.
Det har gett mig ljudet
och hela alfabetet
så att jag fick orden
för tankarna jag tänker,
moder, vän och broder, ljuset som upplyser
den karga väg min älsklings själ ska vandra.

Jag vill tacka livet
som gett mig så mycket.
Det gav mig lång vandring
för så trötta fötter
genom djupa vatten,
jag gick genom städer,
över stränder, berg, öknar och på stäppland
hem till ditt hus och dina gröna ängar.

Jag vill tacka livet
som gett mig så mycket.
Det gav mig ett hjärta
som i grunden darrar
när jag ser på fruken
av det hjärnan skapar,
och det goda långt borta från det onda
när jag ser in i dina klara ögon.

Jag vill tacka livet
som gett mig så mycket.
Det har gett mig skrattet,
det har gett mig smärtan
så att jag kan skilja lycka ifrån sorgen,
de två ting som skapar alla mina sånger
och mina sånger som är era sånger
och alla sånger som är samma sånger.

...


ps: Antes de começar a cantar nesse vídeo, a finlandesa Arja faz uma piadinha sobre os suecos e diz que estes acham que Violeta Parra é parte do patrimônio musical sueco. Imagino que ela tenha sugerido que os suecos não conhecem música latina direito e porque "Gracias a la vida" é tão famoso no país, os mau informados apenas repetem a versão, imaginando ser a compositora uma conterrânea deles...

E então termina, morrendo de rir e dizendo em sueco: "Então vamos cantar uma canção nacional sueca..."

Comentários

Camila Hareide disse…
Sonildes...

"Home is where the heart is"... Sem mais! E nesse seu bairro aí tem bastante passarinho e árvore, ao menos!

E já visse o que tavam querendo fazer com o Parque da Água Branca? Um desatino... Se eu achar o link com a matéria, te mando. Governo DEM-Tucano de erda...
Beth/Lilás disse…
Soninha!
Todos estes dias da sua volta tenho pensado em ti e neste sentimento de saudade que vem carregando e, sinceramente, preocupo-me, pois nesta fase em que estás não é muito bom isso. Eu me coloco no seu lugar porque sou também muito parecida contigo, visceral, amorosa e qualquer coisa me magoa, me entristece.
Mas, cuide-se!
E procure olhar a vida através dos olhos do teu filhinho, pois ali tem a resposta para seu futuro e de quanta coisa boa ainda irá acontecer a vocês desta linda família.
Força e esperança!
beijos grandes cariocas e abraço apertado.
Ivana disse…
Oi Somnia!!
Difícil não gostar desta música! E eu sou simplesmente apaixonada pela mensagem que ela traz e gosto muito dela cantada pela saudosa Mercedes. Mas sabes que talvez por já conhecer a música, eu adorei a versão em sueco! Essa música é que nem modelo de passarela: tudo cai bem! No caso, em qquer idioma ela deve continuar bela aos ouvidos.
Somnia, e eu adoro estes teus posts com palavrinhas vermelhas que sempre nos levam para outro post gostoso de ler. E se é um que eu ainda não li, então? Ah, aí eu vou ficando... (Mas eu já li mais da metade do teu blog!).
Uma pergunta: a Madalena veio de Malmo, ou ficou por lá fazendo a alegria de algum sueco(a)?
Beijos!
Beatriz disse…
Oi Somnia,
Linda música e muito bem lembrada!!! É um prazer estar aqui!
Beijocas,
Bia
www.biaviagemambiental.blogspot.com
Somnia Carvalho disse…
Ca, me manda que materia e essa que ainda to por fora! vc ta sempre mais antenada, no otimo sentido, do que eu moie!

Lilla queridona, saudade de voce tambem... eu entendo o que voce diz amiga! juro! e hoje ate acabei relendo aquele post da beth lilas lembra, com sua fota linda... porque tava pensando em linka lo num outro. Por enquanto amiga eu me sinto ate que feliz, sabe... eu nao penso muito que nao sou feliz, porque estar perto dos meus e no meu canto, falar minha lingua, revisitar amigos e aindater meu cantinho aqui para me abrigar e privilegio. mas a verdade e que em vivendo no Brasil eu sempre havia sido uma incoformada...

eu era a professora chata, ou inconformada ou consciente, depende do angulo que o aluno me via...

eu normalmente penso demais... rs..

entao nao ando deprimida nem nada disso. gracias! so mesmo que acho certas coisas tao tao dificeis de engolir que preciso falar sobre elas.

mas me manterei antenada nos meus feelings!!! e obrigada por se preocupar com sua amiga!


ivaninha,

que otimo que vc clicka nos vermelhinhos! e gosta! rs...
to devendo visitas no seu espaco super positivo!

minha barriga agora ta tao grande, tenho tantas dores nas costas e contracoes que eu nem deveria escrever os posts... ou leio o pessoal, ou escrevo... os dois nunca consigo fazer... e como sou tagarela acabo nao aguentando e vindo aqui escrever um pouco.

beijoca

beatriz,

seja bem vinda sempre!!! te visito em breve tombem!]

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que