04 setembro 2008

Domingo em prosa



Na semana passada, a Denise Arco Verde escreveu um post belíssimo sobre a passagem dela por alguns lugares e algumas casas que marcaram sua vida. De Recife, onde teve sua adorada Bia, passando por Estocolmo, na Suécia e Washington, nos Estados Unidos, ela agora embarcou rumo a uma nova, aventureira e enigmática vida em Seul, na Coréia do Sul. 

O texto da Denise me trouxe à memória inúmeras coisas, inúmeros assuntos que penso sempre em abordar aqui no Borboleta, mas que sempre dão lugar a outros e outros temas. Entre eles, a falta que sinto de meu pai querido, de sua sanfona chorosa, de suas piadas e de como ele mesmo perdia fôlego ao contá-las; ou sobre o outro lado árduo de viver fora, de deixar casa, pais, amigos etc. 

Acontece que, no fim de seu post, a Denise pediu aos leitores que falassem como é essa experiência de mudar de casa e de vida. Do que gostamos e não gostamos, etc. Acabei escrevendo uma resposta num sopetão e, desde então, fiquei com vontade de simplesmente fazer de minha resposta lá, um post aqui. 

Para entender melhor o contexto, vale a pena ler o belo e sincero texto da Denise primeiro, "Por onde passei e onde vim parar", embora o meu post seja bastante simples e honestão também e seja "entendível" por si só.

A idéia não é ficar lamentando ou num chororô ruim. Muito ao contrário.

Agora são 21:35 da noite aqui na Suécia e cinco horas a menos no Brasil. Eu agora vou ver um filme com o Renato, porque o Ângelo já tá sonhando e amanhã é domingo tranquilo. E domingo pra mim sempre lembra família. Sempre lembra pratos carinhosos feitos por minha mãe ou minha sogra. Sempre lembra gente que amo e me faz pensar que, dentre as coisas mais preciosas da vida, estão as pessoas com quem temos laços de sangue. 

Então vou copiar a idéia da Denise, mas fazendo uma outra pergunta pra você que tá aí nessa prosa comigo: você tem boas lembranças dos domingos? Ou você é do tipo que odeia domingo porque tá perto da segunda-feira ou porque tem o Faustão na TV? Ou domingo lembra macarronada, família reunida e gente amada também?

Um beijo e ótimo domingo!

Abaixo, meu comentário, publicado lá no blog da Denise.

...


( "O Sanfoneiro", tela de Eduardo Kobra")



"Denise, me emocionei com o início de seu post… a despedida de seu pai, os últimos momentos com ele. Foi muito parecido com a última vez que vi meu querido pai também… Ele me comprou peixe e assou, comprou manga, que sabia que eu amava. Pediu várias vezes que eu ficasse mais tempo naquele domingo, mas eu, sempre atarefada demais, e sempre com a cabeça em outro lugar, disse: “ah, a gente volta na outra semana!”…

Foi a última vez que eu o vi. Mas sinto como se ele tivesse se despedido de mim…

Compro - comprava - a Casa Cláudia há anos. tenho uma coleção enorme. Sou daquelas que chega em casa, depois de dar aula numa tarde, e muda a parede da sala de laranja para lilás… algo assim. Mudo os móveis o tempo todo, sempre procurando que a nova posição, as novas cores me tragam ainda mais paz e tranquilidade. Adoro quando posso pôr flores que compro numa feira qualquer e espalhar pela casa… Adoro acender velas cheirosinhas, embora não tenha feito desde que Ângelo nasceu.

Minha casa é meu templo. Nele eu choro, leio, medito, danço sozinha com Dancing Queen, vejo filmes, cozinho, amo, odeio…

Lendo seu post me sinto próxima de uma forma ou de outra dessa sua experiência maluca, embora eu tenha certeza que você é uma espírito ainda mais aventureiro e forte que o meu.

Vivo me subestimando, mas a verdade é que viver na Suécia, deixar meu trabalho, meus alunos, minhas amigas adoráveis, minha mãezinha sozinha, meus irmãos e meus sobrinhos que tanto amo, é como quebrar-me em mil pedacinhos e recompor-me de novo. Por outro lado, é como se eu sentisse o mesmo que você!

Agora, de bicicleta com o Ângelo, eu saio pelas ruas, quase que em prece… eu amo passear pela cidade, adoro ver que tudo é diferente, que posso aprender. E vibro a cada minuto dessa vida tão difícil e tão fascinante. A Ásia ainda é demais na minha cabeça, porque ainda tô me adequando à escura Suécia, mas é tão bom ver essa sua experiência e saber que a gente pode, sempre mais e mais, se superar, se adequar, ser feliz em cada canto… ser feliz no apartamentinho em Seul, de um outro jeito, mas intensamente positivo, como foi em Olinda, em Estocolmo, em Washington e como pretende ser em Seul.

Parabéns para você e só desejo que a saudade de descer a rampa, tomar água de côco com a Bia e tudo o mais seja sempre essa lembrança linda que te faz seguir em frente, nunca parar.

Obrigada por dividir coisas tão suas e tão cheias de vida.

Sônia."

7 comentários:

Lilás disse...

Nos meus tempos de criança, com a família e meu pai de sangue italiano, claro que a macarronada era o prato principal. E feita por ele. Neste dia, somente neste, minha mã não chegava perto do fogão e ele preparava aquela tradicional e cheirosa macarronada com molho de carne ou galinha e muito queijo parmesão por cima.
Meu irmão adorava feijão e se resmungasse dizendo que queria comer junto com a macarronada, ganhava umas broncas porque, segundo meu pai, aquilo era um sacrilégio com uma comida tão simbólica e respeitável como o macarrão que ele um dia aprendeu a fazer com sua mãe.
Os domingos eram longos. No Rio, se fosse verão, eram tardes mornas e com chuva forte para resfriar o ar e subir o cheiro de terra molhada. Nós adorávamos sair logo em seguida à chuva, pois naquele tempo, chuvas de verão vinham e iam embora no mesmo dia, deixando a noite mais fresca e convidadita aos bate-papos na vila onde morávamos. Minha rua tinha um calçamento de pedras e elas brilhavam durante o dia com o sol forte sobre elas e depois da chuva abençoada, as mesmas escorregavam, mas a criançada adorava passar por ela.
Nos domingos tinha Chacrinha e meu pai foi o primeiro a comprar um TV preto e branca, daquelas de caixa grande e imagem tão ruim que ele botava bom-brill na antena que ficava sobre ela para sintonizar melhor.
Ele babava vendo a Rita Cadillac e Soninha toda Pura - eram esses os nomes das dançarinas popozudas e bem mais comportadas do queas Carla Perez de hoje.
O domingo era sempre uma festa e não tinha aquela música que hoje quando começa, faz lembrar que a semana vai começar e o trabalho também - odeio a música do Fantástico e o programa idem.
Faustão nunca assisto, pois meus çouvidos são muito sensíveis para aguentar a berraria que ele faz o tempo todo.
Portanto, hoje, meu domingo é um dia de relax, de estar perto de quem eu amo, sair pra ver os sol, ler jornal, ir ao cinema na matinê e no final da noite ler os blogs que amo como o seu ou da Denise que estimulam nossas lembranças e são cheios de conteúdo e beleza.
Um ótimo domingo prá você e sua linda família!

Brasilina disse...

Olá Somnia!

Outro lindo post, héin, "Dona Moça" ...

Ahhh. Da infância, Domingos me lembram dias ensolarados, missas logo cedo, primos,brincadeiras com amigos, família reunida, carinho de mãe, macarronada com frango assado (durante muitos anos, depois o cardápio passou a variar bastante - rs), guloseimas (balas e doces só eram permitidos no final de semana), pudim de Leite Moça, Coca-Cola em garrafa retornável de vidro com "chapinha" que muitas vezes davam direito a brindes, palito de picolé premiado, troca de figurinhas, bonecas de papel, Programa Sílvio Santos (opa! denunciei a idade rsrs) - especialmente, o Domingo no Parque, que tinha o quadro da brincadeira do sim ou não onde a criança ao final, recebia um prêmio ou não (rs rs), dependendo da sorte em trocar o que era oferecido.

Na fase adulta, domingos me remetem à minha infância, continuo achando este dia "mágico" por este motivo e ainda amo reunir toda a família, entretanto, a música do Fantástico, para mim, se tornou um prenúncio de um final de final de semana - servindo de lembrete da responsabilidade de acordar cedo na segunda, para mais uma semana de trabalho, o que garantirá um domingo "farto e feliz", como os de sempre...

Bjo.
Janaina Souza

Somnia Carvalho disse...

Lilás, lindíssimo relato sobre sua infância e os seus domingos especialíssimos no Rio de Janeiro!

E eu sou igual ao seu paizinho até hoje... não consigo misturar arroz e feijão na minha massa, de jeito maneira! pra mim também é sacrilégio!

E eu me lembro da tal da Soninha Toda Pura! haha... porque tinha o mesmo nome que o meu e eu achava curioso que elas ficassem dançando lá no palco... Pra ser sincera sempre morri de inveja! hahá!

E gostava também do Bolinha, lembra?

Ehhh tempu bão qui num volta mais! rs

Somnia Carvalho disse...

Janaína! Voce aceita trocar um palito de fósforo queimado por um carro conversível zerinho?

Nããããão!!!! hahaha... eu amava Domingo no Parque e sempre sonhei em ir la... sonho de criança! o Silvio Santos recheou nossa infância com esses sonhos televisivos!

gostou do post!? hehe... você parece que descreveu a minha infância menina! E trocar garrafa por pirulito colorido na perua que passava na rua? eta trem bão!

Mas eu nunca gostei de leite moça! acho que esta e a unica diferença! rs...

Duas coisas: não consigo entrar no seu blog... e você parece melhor na foto do que eu, não tá aparentando ser da mesma geração que eu nao!

um

Brasilina disse...

rs rs rs e salve minha cutis negra!!
Olha, não me parece que estejamos tão distantes em idade não, Sônia ... Farei 33 anos agora em novembro (pronto falei!!). Só que fui daquelas meninas grandonas, desengonçadas, que demoraram a aflorar, casei (aos 32) bem mais tarde que toda a turma, ainda não tenho filhos, e atualmente uso aparelho ortodôntico que me confere alguns anos a menos ... haha
Quanto ao blog: comecei a escrever o "Brasilina", mas por total ignorância de internet e afins (vergonha dizer isto) e falta de tempo, acabei excluindo, mas toda vez que assino um comentário com a conta da google, puxa ele ... talvez qdo for de vez para Malmö (até Dezembro/08 - a angustia do visto), volte a escrevê-lo como meio de contato com a família e amigos. Por enquanto, vou me deliciando com os seus posts e te agradeço por isto.

p.s.: Eu amava a dançarina séria (nunca sorria!) do Bolinha!!! Nas brincadeiras eu sempre queria ser ela.
E sobre trocas, onde eu morava sempre trocavam garrafas por pintinhos, mas eu tinha um primo levado que sempre oferecia macarrão cozido aos meus pintos dizendo que eram minhocas ... rsrs tempo bom mesmo, pelo menos a gente guarda adoráveis lembranças.

Bj.

Somnia Carvalho disse...

Hahaha... a dançarina séria! eu também queria ser ela! hahaha...

Mas eu não vou falar de idade, porque toda vez que alguém me pergunta eu fico pensando quantos anos tenho. Nunca me lembro! haha...

Eu vou torcer pro seu visto sair logo e definitivo! Voce chegara numa epoca muito escura, difícil, se estiver ha tempos aqui, mas linda, por outro lado, poque ta todo mundo se preparando para o Natal...

As lojas enfeitadas, as canções e talvez neve...

É completamente diferente, mas não deixa de ser muito especial... E se a vc vier a gente se conhece antes do Natal! Presente legal!

beijos!!!

Eveline disse...

Oi amiga Somnia
Eu adoro domingo, para mim é dia de renovação, dia estar com quem se ama, de não olhar para o relógio, de comer bem sem pensar nas calorias (essa parte é ótima), mas de preferencia na minha casa. Adoro receber a família e os amigos, como não assito ao Faustão não tenho a depressão da segunda, hehehehe. Nada como um domingo bem aproveitado para alegrar a semana toda. Beijos e teu blog continua lindo.