Pular para o conteúdo principal

Dança comigo?

("Goodnight moon", Shivaree)

Cê quer dançar comigo no meio da sala? Então embala aí essa música fantástica da trilha do Kill Bill 2...

Tá aqui uma outra coisa que eu vou mor-rer de saudade dessa Suécia! Meu programa de música grátis Spotify! (o programa só funciona legalmente na Europa)

Não vai ter graça nenhuma ter que voltar pros meus cedês véios e arranhados (porque eu sou o tipo de arranha cd), limitados ao tanto que pude comprar até hoje , ou o i-tunes mirradinho...

Acho que entre as coisas mais divertidas proporcioandas pelo programa sueco é descobrir, sem querer, uma música maravilhosa atrás da outra... Ontem ouvi umas valsas do Chopin que eu não conhecia, quando procurara por uma que adoro... e aí descobri essa da Shivaree, quando acessei a trilha sonora do filme do Tarantino, Kill Billl...

Clique aí e vê se não dá uma vontade de dançar e uma alegria danada apesar de ser segunda-feira?

Sei lá eu porque! mas dá!
Dança comigo vai! Solta essa franga!

E se quiser cantar, tá aqui a letra... Ótima segunda de novo!


Goodnight moon

There's a nail in the door
And there's glass on the lawn
Tacks on the floor
And the TV is on
And I always sleep with my guns when you're gone

There's a blade by the bed
And a phone in my hand
A dog on the floor
And some cash on the nightstand
When I'm all alone the dreaming stops
And I just can't stand

What should I do I'm just a little baby
What if the lights go out
And maybe and then the wind just starts to moan
Outside the door he followed me home

So goodnight moon
I want the sun
If it's not here soon
I might be done
No it won?t be too soon 'til I say goodnight moon

There's a shark in the pool
And a witch in the tree
A crazy old neighbor and he's been watching me
And there's footsteps loud and strong coming down the hall
Something's under the bed
Now it's out in the hedge
There's a big black crow sitting on my window ledge
And I hear something scratching through the wall

What should I do I'm just a little baby
What if the lights go out
And maybe and then the wind just starts to moan
Outside the door he followed me home
So goodnight moon
I want the sun
If it's not here soon
I might be done
No it won't be too soon 'til I say goodnight moon

(Shivaree)

Comentários

Anônimo disse…
Oi Somnia!
Respondí teu comentário lá 'em casa' mas vou responder um pouquinho aqui pra garantir que leias:
www.vti.se/9046.epibrw
Aqui tu precisa abrir, é um pdf com alguns gráficos interessantes sobre álcool e direcão na Suécia, apesar de eu não saber quando comecou a lei-praticamente-seca por aqui. Embaixo dos gráficos tem também as fontes, que vale a pena checar também. :)
Beijos!
Oi Somnia

Quero dançar com a gravidinha mais linda, que por acaso, está retornando às suas origens!!

beijos e boa semana!
Lúcia Soares disse…
Danço, danço, danço!
Boa semana!

(Avoadinha que nem tu, difícil, viu? Chamou-me de "Glorinha", no comentário sobre os seguidores.
Importar, não me importei, imagina, Glorinha é "tudibom" e o teor da resposta era sobre o texto mesmo. Então, foi só uma escorregadinha. Bjim!)
Maariah disse…
Amo, amo essa música. Tenho em Cd. Adoro a voz dela. Quando comprei o CD ouvia em repeat, vezes sem conta, sem parar.
Anônimo disse…
Sonildes, Soninha, So,...
Fiquei super feliz em saber vcs estarao voltando para nosso Brasil Varonil, de sol, coqueiros e de palmeiras onde cantam os sabias..
Fiquei tristonha em saber que nao virao para nosso solo vermelho, azul e branco do tio Sam.
Pelo menos da proxima vez que formos aa Terra Brasilis sei que poderei te encontrar..
Super beijos a essa sua familia que cresce:)
Sandra Reynolds

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que