Pular para o conteúdo principal

A Suécia e algumas histórias (3): Eileen, a escocesa cuja pátria é o mundo


(Eileen Laurie, em frente de sua instalação "As Baleias", na abertura da exposição que participou)

Eu já tenho ciência da porção de coisas das quais vou me lembrar com orgulho um dia no futuro sobre esse período vivido na Suécia, mas talvez eu possa resumi-las em duas grandes categorias: a natureza, com suas estações tão marcadas e as cores nunca vistas e sentidas antes por mim, assim como das pessoas com quem tive contato.

Eileen Laurie, uma escocesa quem deixou sua terra natal há muitos anos para viver a vida conhecendo outros países e pessoas, é uma delas. Em sua corajosa jornada, Eileen (que se pronuncia "Ailin" e eu acho lindo) contou que sempre ouve alguém cantando alguma canção ao se apresentar, já que há várias canções com seu nome. Contou também que foi depois de passar por inúmeros países e viver neles que veio parar na Suécia onde acabamos por nos encontrar no curso de cerâmica que terminei na semana passada, na Folkuniversitet.

Além da personalidade alegre, com aquele sotacão inglês suuuper bonito, Eileen é extremamente atenciosa e de uma cultura imensa. Já estou convencida de quanto mais cultura alguém tem (não estudo apenas) mais capaz ela é de assimilar as diferenças entre as pessoas e perceber suas riquezas. Ela também é capaz de enxergar o mundo com olhos menos egocêntricos do que a maioria e perceber-se como parte dele.

Eileen sempre estava a fazer peixes com a argila e isso me chamou a atenção. Lembro-me de, primeiro, ver seu peixe feito com papel e material orgâncio em tons de verde o qual adorei, inclusive porque na mesma semana eu havia escrito o post sobre consciência ambiental.


(Collografia - impressão em relevo - feita com restos orgânicos domésticos e materiais como folhas de chá, botões, sementes de coentro, etc, Eileen Laurie) "

Quando perguntei o porquê do tema e ela me respondeu ser vegetariana eu ri alto e perguntei com toda minha imbecilidade do mundo: "mas se você é vegetariana então porque ama tanto fazer algo com peixes?" Só percebi minha lerdeza assim que terminei a frase. Eu amo peixe, mas no sentido de amar comê-los. A Eileen ama os peixes a ponto de conseguir não comê-los. E assim faz um trabalho de arte misturando materiais totalmente orgânicos que ela normalmente toma do lixo. Lindo e extremamente sensível!


("Detalhe" onde se vê o quadro feito de tubos de alumínio e fios, contendo os objetos encontrados além de objetos de tecido, Eileen Laurie)

Sua idéia é aproveitar ao máximo o que é produzido pela própria natureza e que descartamos. Ela consegue tirar proveito de restos de pó de café ou de chá, em pequenos detrimentos orgânicos que se juntam na criação de suas obras. E ela não faz para fazer bonito, faz porque tem seu olhar assim desviado na direção de um todo. Numa preocupação com o meio ambiente, com o futuro, com o verde do qual somos totalmente dependentes para viver. Ela se preocupa com as pessoas que conhece e com aquelas das quais nunca ouvirá falar. E isso é algo do qual a gente não esquece!

Acabei pedindo a Eileen que me mandasse um resumo de quem era, porque desejei imensamente trazê-la para vocês conhecerem. E também divulgar um pouco do que ela faz e de seu jeito verde de ver o mundo. Acho que normalmente a gente está centrado demais nas nossas vidas, o que é normal e sadio, mas é legal ver como tem gente por aí pensando na gente, mesmo que indiretamente. Além disso, é bom aprender a tirar o olho do próprio umbigo, ou do próprio espelho e mirar em outra direção.

No caso da Eileen eu fiquei a pensar como nós seres humanos podemos formar uma corrente, ainda que sejam maneiras muito diferentes de fazer essa conexão. Se o que faço aqui faço com responsabilidade e cuidado eu, com certeza, não estarei sendo egoísta e isso me une à humanidade.

Bom, deixe que ela se apresente... Aqui uma versão (não profissional) traduzida por mim para aqueles que não se sentem tão familiares com o inglês e, logo abaixo, o texto original para quem prefere ouvi-la na "língua dela". "Come on Eileen!"

(A instalação "Baleias" de Eileen Laurie, tentativa de revelar o quanto nossa irresponsabilidade e descuido joga no mar onde vive um animal tão impressionante como a baleia, restos de lixo que nunca serão consumidos pela natureza)

"Cara Maria,
(a Eileen me chamava pelo segundo nome)

Aqui estão algumas informações sobre mim.

Eu nasci na Escócia e estudei francês, alemão e também literatura. Eu queria ler muitos livros, conhecer muitas pessoas e viajar e foi isso que eu fiz.

Eu tenho vivido e trabalhado em vários países da Europa. Também estive três vezes nos Estados Unidos e espero visitar outros lugares fora da Europa, em algum momento da minha vida. Por hora, estou focada em construir minha nova vida em Malmö, na Suécia. Esta será a minha a vigésima sétima vez que eu me mudo...

Eu gosto de fazer compras em lojas de sucata, sebos e brechós. Se eu encontro coisas nas caçambas de lixo nas ruas, e eu sinto que posso usá-los eu pego todas. Eu também uso "freecycle" (mercado, feira livre) para encontrar as coisas e passá-las para outras pessoas.

Meu projeto sobre as baleias tinha em mente muitas coisas: a quantidade de lixo que compramos, o mal uso delas ou como as destruímos e, em seguida, como as jogamos no mar ... e este lixo não vai a lugar nenhum, porque o mundo é redondo. Eu também tinha em mente nosso descuido com objetos que ainda exercem sua função, nossa impaciência e estupidez. Ao mesmo tempo o modo como apreciamos a beleza. Sem contar que eu também gosto das baleias, elas são os maiores mamíferos, elas cantam e elas são realmente inteligentes.

Estou fazendo aulas de cerâmica, porque eu estou de saco cheio de ficar sentada na frente de um computador. Eu gosto de traduzir, mas eu preciso dar uma sacudida na minha vida. Eu quero aprender e ser empurrada para coisas que eu tenho medo de fazer. Quero trabalhar com outras pessoas, tentar fazer algo bonito e/ou objetos úteis que nos cativem e que nos exijam uma atenção e um cuidado extra."

Eileen x




(Série de cerâmica feita por Eileen nas aulas de cerâmica que começou há algumas semanas)
...

Dear Maria,
Here is some information about me.

"I was born in Scotland and studied French and German language and literature. I wanted to read lots of books, meet lots of people and travel, and that is what I did.

I have lived and worked in several countries in Europe. I have been to the US three times and hope to visit other places outside of Europe at some time in my life. But I am concentrating on building my new life in Malmö in Sweden. This will be my 27th move ...

I like to shop in junk shops and flea markets. If I find things in skips (dumpsters) on the street, and I think I could use them, I pick them up. I also use freecycle to find things and pass things on to other people.

My whale project was looking at many things: the amount of crap we buy, hardly use or break and then dump in the sea ... and it doesn't go anywhere, the world is round, our disregard for well-made objects, our impatience and stupidity. But also our apprecation of beauty. I also like whales, they are the biggest mammals, they sing and they are really smart.

I am taking the ceramics class because I am dog-tired of sitting in front of a computer. I like translating but I need to shake up my life. I want to learn, to be pushed to things I am scared of, to work with other people and to make beautiful and/or useful objects that are a joy to behold and worthy of looking after."

Eileen x


Comentários

Talita disse…
Oi, Sônia!
Que mundo pequenino este. Abro minha caixa de email e, BUM!, que prazer tenho ao ler o email de nossa amiga Eileen com o link ao teu blog. Ela é isso tudo e muito mais, uma pessoa fantástica que move e comove o mundo através de uma sensibilidade enorme por trás daquelas lentes. Sem falar no ótimo senso de humor e creatividade. Bem é isso, passei aqui rapidinho para deixar mais algumas palavras sobre essa pessoa incrível.
Luz e paz em tua vida! Abraços!
Françoise disse…
Eileen certamente é uma pessoa sensível que enxerga o mundo todinho aos seus olhos conseguindo transformá-lo deixando-o melhor, mas você viu nela alguém especial que talvez muitos não enxergariam, duas preciosidades raras....

* O site do passeio a Oslo:
www.DFDSseaways.se (14 horas de ida e 14 de volta)no navio.

Abraços amiga,
Fran
Somnia Carvalho disse…
Talita! que demais isso nao?

e a gente que ainda nao se conhece pessoalmente ja tinha uma amiga em comum sem saber!

Eileen propos agora no email um encontro entre nos tres, depois dela vir da escocia e antes de eu ir pro Brazil, topas?

sim... ela e uma figura especialissima!
Somnia Carvalho disse…
Franzinha,

tack! voce e fofa mesmo sempre me pondo pra cima!

eu entendo que no fundo a gente procura os iguais... apesar de que minha consciencia perto da dela esta longe de ser admiravel assim...

eu fico feliz de encontrar gente assim... e veja que de gente boa por perto eu to cheia! so reparar na figura com quem almocei na terca nao e????
eileenlaurie disse…
Dear Sônia, I am very honoured to be in your blog, and also inspired by your enthusiasm. Such a shame that you are leaving Malmö just after I met you! Abraços Eileen x
Sonia, a vida da gente nunca mais será a mesma depois de cruzar esse país...hahahahahah'

Menina, a vida da gente dar um nó...hhahahahahahha

OLha, hoje á segunda Semifinal do eurovision.Já mandei emails a meio mundo para votar na Anna...Dois dias atrás, fiz o mesmo com Portugal..Gosto demais da música Há Dias Assim...

OLha, eu vou fazer uma exposicao de meus trabalhos. Pena que vc more tao longe. mas, caso queria vir, me avise, ok?

bjs e dias felzies
Mari disse…
É uma delicia vir ler o seu blog e encontrar historias e pessoas tão interessantes!!! Eu tenho sentido falta de conhecer pessoas assim: talvez eu esteja as procurando no lugar errado ou não esteja preparada para reconhece-las, rs.

PS: vc sabia que o Canadá tem rainha??? Pois é, a rainha da inglaterra tembém é rainha do Canadá. Como ela fica na Inglaterra, nós temos um governador geral (uma Haitiana, neste momento) que faz esta intermediação e participa das celebrações. Apesar de independente, as decisões tomadas pelo país precisam do "sim" da rainha. Até mesmo o primeiro ministro quando eleito, tem que ser aceito por ela. Em muitas comemorações do país, alem do "Oh Canadá" (hino nacional) eles também tocam o "Deus salve a rainha". Mas o rei que fui ver era um dos reis brasileiros, rs.

bj
Mari
Anônimo disse…
Linda a arte dela, e imagino que espetáculo de pessoa! Alguém que vai em busca do que quer (e de si mesma) em tantos lugares, não deve sair de um sequer sem ter evoluído como pessoa!
Beijão!
Beth/Lilás disse…
Soníssima,
Pois eu acho que na vida a gente atrai, ou seja, quando a gente vive no bem e para o bem, atraimos pessoas assim, por isso você e Eileen tinham que se cruzar.
Muito 'manero' o trabalho dela.
bjs cariocas
Camila Hareide disse…
Sonildes, diz a ela que eu disse assim, cantarolando "Come on Eileen, I know what he means, we should have met, lalala...."

Sim, porque o que me separa dela além da distância é a questão artística... Eu não sei se tenho esse lado criativo, mas todo o resto da descrição bateu comigo... Queria conhecer o mundo e caiu nele... Como eu! Pergunta pra ela se ela lê todos os livros que queria... Eu tenho uma preguiça às vezes...

Adorei seu post! Excelente homenagem pra deixá-la saber que ela tocou a sua vida... Ah, os acasos podem ser mesmo deliciosos...

Espero que seu Angelinho tenha melhorado da febre. E as tulipas por aqui estão finalmente em full bloom!

beijão
Talita disse…
Claro que sim, vamos nos encontrar. Pode ser aqui em Lund, a "vila dos hobbits", ou em Malmö. Fique com Deus e tenha uma ótima semana. Kramar!
Somnia Carvalho disse…
Eileen,

Actually I was very happy when I wrote this post... I think everybody needs to notice that are people so so nice, friendly and not selfish in this world...

thanks!
Somnia Carvalho disse…
Grace!

simmm nao sera a mesma ne mulher! minha segunda casa suecia! nunca esquecerei!

entao eu nao vi a semi final, mas ainnnnda bem que eu ia morrer de oiido da ana nao entrar!
rs
Somnia Carvalho disse…
Mari,

esta historia da rainha ta muuuito interessante!!!!

vc ja escreveu sobre isso??? se sim me passa o link! senao! escreve vai!!!

aqui ta todo mundo em alvoroco pelo casamento da vitorinha... e muito curioso essa coisa toda de ter a familia real sem a monarquia...
Somnia Carvalho disse…
Sim Mari!

voce tem toda razao! e a gente sente isso ja no primeiro contato com essa escocesa de alma do mundo!
Somnia Carvalho disse…
Betona,

fico feliz que vc ache que eu sou do bem!!! rs...

e verdade mesmo... mas de vez em quando tentam grudar umas coisas em mim que eu fico: sai pra la jacare! rs...
Somnia Carvalho disse…
Ca,

nunca e tarde pra comecar! vc ainda pode arriscar nas artes!!! rs..

olha, ela tem lido o blog e acho que ela traduz os posts... vou encontrar com ela esses dias e vou falar de voce!

simmm! eu acho que prestei tanta atencao na Eileen porque vinha nessa onda camiliana de pensar no meio ambiente!!! juro!!!!

e quando a conheci eu pensei em voce! pensei: nao posso deixar de por um post sobre ela porque a ca vai amar!!! acredita?????
Somnia Carvalho disse…
Talita,

vou tentar um cafe ou um almoco rapido com sua amiga escocesa e se vc tiver livre poderiamos nos juntar... ate a vernissage ta muuito corrido pra mim por isso eu nao vou conseguir ir a malmo!!!

me fala sobre os horarios!
Talita disse…
Sonia, a Eileen acabou de me mandar um email sobre isso. Ela viaja na terça e eu näo posso no sábado. Ademais, é só animar e marcar, vocês duas säo as almas "formiguinhas trabalhadeiras" neste momento e decidem. Beijocas!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que