Pular para o conteúdo principal

"se um dia eu voltar muito estranho..."


O pintor Paul Gauguin amou a luz na Baía de Guanabara
O compositor Cole Porter adorou as luzes na noite dela
A Baía de Guanabara
O antropólogo Claude Levy-strauss detestou a Baía de Guanabara:
Pareceu-lhe uma boca banguela.
E eu menos a conhecera mais a amara?
Sou cego de tanto vê-la, te tanto tê-la estrela
O que é uma coisa bela?
(Caetano Veloso, O Estrangeiro)


Tenho pensado bastante na idéia antropológica de que quando um indivíduo sai para viver fora do lugar onde nasceu, cresceu e viveu a maior parte de sua vida e aculturar-se em um território novo, ele acaba sofrendo um tipo de estranhamento

Essa idéia não me deixou as primeiras semanas de férias aí no Brasil, embora essa tenha sido a terceira vez que volto, desde minha vinda há dois anos para a Suécia.

Saindo de nossa realidade, aquela que se tornou normal, aceita e, muitas vezes, quase a única realidade possível, a gente leva tempo a acostumar-se à nova vida. Há um gasto enorme de energia para a adaptação, mas ela acaba acontecendo. Sempre.

O que a gente acaba não pensando muito é como nos sentiremos quando voltarmos à terra mãe, quando retornarmos à casa onde, por tanto tempo, foi tão simples e natural viver.

Nas primeiras semanas em São Paulo, sofri (sofremos) alguns choques. E, por mais que eu tentasse explicar a quem vive aí, percebi que parecia uma estranha. Ou uma chata. Talvez convencida. E por que não dizer, neurótica. Nem o outro nos reconhece, nem nós mesmos nos reconhecemos. Meu sentimento se pareceu com o de Ju Moreira, lindamente descrito em "A qual mundo pertenço"

De volta, estou feliz por ter de volta algumas coisas muito caras a quem deseja uma vida de qualidade, mas, por outro lado, sofro - de volta - um certo choque. Estar um mês e meio no Brasil faz com que a gente, aos poucos, vá deixando a chatice, o não conformar-se, a revolta, ou o que seja, de lado e vá tocando a vida novamente. E então começa-se a perceber o que tem de bom no lugar e tanto o corpo quanto a mente vai dando lugar a uma readaptação. Vai dando espaço a um certo esquecimento da realidade anterior, tida como "melhor", objeto de comparação. Esqueci, por exemplo, o que é estar a zero grau e exatamente com qual tipo de roupa deveria sair às ruas aqui. Passei frio no primeiro dia, porque já não estou tão adaptada como estava quando parti, semanas atrás.

Tenho certeza que isso tem a ver com sobrevivência. O mesmo que fiz no Brasil minha vida toda, fiz na Suécia quando cheguei. Nem o fato de ficar perdidíssima no supermercado por quarenta minutos, tentando comprar um fermento em pó, já que as línguas dos produtos se restringem às línguas nórdicas, me fez desistir ou arredar o pé de adaptar-me. Isso para dar um exemplo corriqueiro.

Me adaptei, como me adaptei no Brasil e superei desafios. O que sobra é um misto de felicidade estranha. 

A sujeira de São Paulo, a miséria e a violência. A mentalidade pequena e senhoril de tanta gente que me irritou e me deixou indignada por semanas foi sendo "mascarada" com a vida, de certa forma, boa e normal que eu posso levar frequentando lugares bonitos e mais caros. Acaba dando lugar para o aconchego que se tem com os familiares, os amigos, a língua e os costumes. Acabo por beneficiar-me daquilo com o qual também não concordo, como a desigualdade.

Sou brasileira e nunca deixarei de ser. O que acontece comigo, desde que saí, é esta sensação inquieta de talvez não se sentir mais completa em lugar nenhum, embora eu possa ser bastante feliz em quaisquer um deles. 

Talvez a pessoa que saia de sua própria terra e viva diariamente as dificuldades, as arguras e as maravilhas de outra acabe sendo uma espécie de Léo, como o personagem central de Matrix. Tomando a pílula azul e não sendo nunca mais capaz de enxergar apenas como quem só tomou a vermelha, Léo entende que outro mundo e outra vida é possível. Entretanto, nunca mais conseguirá voltar à "ingenuidade" e felicidade primeira. Aquela ficou perdida com sua experiência anterior. Daí ser tão fascinante a cena em que um outro personagem deseja ardentemente comer galinha, sentindo o mesmo gosto que sentia enquanto vivia na Matrix. Ao tentar fazê-lo, ele percebe que tal sensação já não é mais possível desde quando ele soube que a galinha era parte de seu mundo falso.

O mundo novo é estranho e lhes priva de algumas sensações, por outro lado, oferece uma visão que nem ele, nem Léo poderiam ter tido se continuassem a viver só no primeiro. 

Não digo que quem toma a "pílula azul" é melhor que o outro que não tomou. Apenas que eles nunca mais conseguirão ver a mesma realidade de forma parecida. Por isso meu sentimento de ser tão difícil me explicar durante a estadia no meu país.

De volta a Malmö, estou tendo que me adaptar ao frio, que nem é muito, mas do qual meu corpo se esquecera, depois de seis semanas vivendo com trinta e poucos graus. Sentir-se estranho onde, há pouco, eu me sentia muito em casa, também é algo natural para quem retorna, ainda que o retorno traga tudo aquilo que eu sonharia ter também em minha pátria. 

Atravessar as ruas e ser respeitada. Estar num lugar calmo e pacífico. Organizado e igualitário. Tudo isso são coisas que me deixam extremamente feliz e realizada. O contentamento, entretanto, nunca será total, já que eu nunca conseguirei que minhas duas realidades deixem de ser tão diferentes e eu nunca poderei viver lá e cá ao mesmo tempo.

Talvez isso tudo só aconteça ou passe pela minha cabeça porque o que me é estranho nunca foi e, espero nunca seja, indiferente. Ou vai ver isso tudo é só um jeito mais elaborado de eu poder dizer que a música brega, velha e esquecida do Dalton (Muito estranho) tenha ficado rodando meu cérebro nas últimas semanas. Não sei direito. Tudo está bem estranho...

Comentários

Anônimo disse…
Oi Sônia ! Passe no meu blog, tem um award para você :-)
http://chezjoann.blogspirit.com/archive/2009/01/29/ladyblog-awards-2008.html
Beth/Lilás disse…
Querida, sabe o que mais dói?
É ver que o Brasil poderia ser melhor se não fosse a roubalheira e a falta de carinho com este povo que os governantes teem.
Eu imagino o quanto você, muito mais que um gringo, sofre, quando vem aqui, pois você sabe que poderia ser melhor, né mesmo!
abraço carioca
Anônimo disse…
Somnia,
nunca mais se sentir completa é o mesmo sentimento que tenho... fico pensando que foi essa a maçã que Adão e Eva comeram...
saudades de ti.
beijos
olhodopombo disse…
Creio que a melhor alternativa eh ser um peregrino sobre a Terra.
respeitar todos, pois assim sera respeitado e procurar entender este
dificil sentimento que eh o da irmandade.
aqui no Brasil, o que acontece eh a falta de autoestima na maior parte da populaçao esta mania de querer que o governo abarque tudo, sem lutar por nada.deixar nas mãos do outro o seu destino...
Érica disse…
Fiquei curiosa agora. Quase um mês depois do post, como você está em relação ao estranhamento?
Tenho um pouco de medo disso acontecer quando, e se, eu for embora um dia.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que