Pular para o conteúdo principal

De volta à ilha de Lost ou "Meu querido paiol"

("Mããe, lá, aião, mião, tator!", Ângelo encantado com o aeroporto de Frankfurt, janeiro de 2009)

Olá gente querida, gente que ficou, gente com quem vou me encontrar ainda.
Chegamos ontem a tarde, embora do dia eu não tenha visto nada por causa da escuridão.

No meio do caminho, por cima da Alemanha, dezenas de cidades estavam branquinhas com a neve e o dia estava tão claro que a gente podia ver tudo lá em baixo. Aqui, ao contrário, tinha tanta nuvem que quando o avião pousou ainda não dava para ver a pista.

Viagem tranquila até Frankfurt. Tive a impressão de estar viajando com um mocinho e não com um bebê de um ano e meio. Entretanto, o maior problema para vir para os países escandinavos, é quase sempre a conexão. Dá para encarar as doze horas até o primeiro ponto, mas depois vai ficando difícil...

Mesmo o excelente humor das quatro horas de espera do Ângelo no aeroporto na Alemanha não sobreviveram a mais um entra e sai de avião. Na chegada em Copenhaguem o cansaço tomou conta. O que me animou foi ver mais umas quatro mulheres - alemãs e espanholas - viajando sozinhas com a mulecada, que já estava dando baile quando saiu do Brasil.



(Cidadãozinho do mundo, viaja como se fizesse isso a anos...Frankfurt, janeiro de 2009)

Chegamos bem. Fomos recebidos pelo terceiro membro da família com flores, jantar especial, presentes e muito carinho. 

Pelo telefone o Renato me perguntou se eu estava preparada para voltar para a ilha de Lost, ou seja, para reiniciar uma vida totalmente diferente da que estávamos levando nas últimas semanas no Brasil e ser essa "outra pessoa" que somos quando estamos aqui. 

- Preparadíssima!, respondi.

Hoje, dia normal. Trabalho e escola. A primeira sensação é a de sentir-se um pouco perdida aqui também. Fiz alguns caminhos errados e é difícil não sentir o choque de quando se acorda de manhã sem a luz do sol, já que estamos em pleno inverno aqui. Apesar disso, voltando da escola com minha Madalena, também me invadiu a sensação de ter chegado ao meu "Lar doce lar", embora eu tenha uma plaquinha com esses dizeres no apê de São Paulo. 

E mesmo o Ângelo se recuperou bem da viagem e já dançou feliz "meu querido paiol" com a gente ontem, vendo o "Cocoricó".

É bom estar em casa. Muito bom. Agora vou recomeçar por aqui. E que venha 2009, porque eu tenho plano que não acaba mais!

Ótimo início de semana pra todos vocês!!!

Comentários

Anônimo disse…
Welcome home, muié!

Você faz uma falta danada nesta cidade, carinhosamente apelidada de ilha da lost (rs). Fico feliz por saber que vcs estão se sentido em casa, sem traumas (hehehe).

Não vejo a hora de te encontrar, colocar o assunto em dia e matar a suadade.

Beijocas
Xu
Somnia Carvalho disse…
Tak darling! eu estou me sentindo tão em casa que já manjamo salmão no primeiro dia! e com batatas, claro! tava morrendo de vontade!

A gente põe o assunto em dia, embora eu tambem esteja precisando por o corpinho em dia, depois da comilanca de maluco no Brasil!
Beth/Lilás disse…
É bom vir, mas deve ser muito bom voltar também, afinal este ainda é um mundo novo, arrumadinho e tem tudo aquilo que você mais gosta te esperando, né! Maridão.

Este neném está mesmo muito fofo e dá uma vontade de tarcar beijinhos nele.

Pena você não ser do Rio, senão eu teria me encontrado contigo nestas férias!
Mas, também tô com o filho de férias em casa e a atenção acaba toda voltada pra ele.
Acho que o jeito vai ser eu dar um pulinho aí qualquer dia, quem sabe!

bjs cariocas
Anônimo disse…
Aiie flor!!
:(
Agora quero voltar pra Sverige tbm!!
Estou cá eu no Brasil matando a saudade da minha bebe!
Mas confesso que sinto mts saudades do namorado, de vc, angelo, e da Sverige!!
Creio que volte em breve ainda este ano, e espero que seja no verao, para que nos possamos aprontar attee 10 da noite-dia! :D

Bjussss, e meu amor vai te ligar pra poder te devolver seu livro!

Te adooooooroooo mTTTTTTTTTTTTTTT!!!

Bjs bjs bjssss

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que