Pular para o conteúdo principal

Meu primeiro amor ou A história de Ângelo e Júlia



- Mamãe! Quando as pessoas ficam velhas elas morrem? me perguntou Ângelo dias atrás, enquanto eu, ele e sua irmãzinha jantávamos na cozinha.
Fiquei pensativa por uns segundos, tentando não dar uma resposta triste demais a uma criança de quase 5 anos...
- É Ângelo..., e antes que eu completasse:
- Você também vai morrer, Mamãe?
- Vou Ângelo... mas vai demorar muito, só quando eu estiver com uns 90 anos!
- Nossa! 90?
- É... tem gente, por exemplo, que nem um arquiteto famoso, o Oscar Niemeyer (não riam!) que tem 104 anos e ainda não morreu...
- Nossa Mamãe! 104!
- Mamãe, eu também vou ficar velho?
- Vai meu amor, mas vai demorar muito! Muito mesmo!
- É, porque eu sou bem pequeno... Mas, quando eu tiver a idade da Vavá então eu vou ter que me casar né Mamãe?
- Ah! com a idade da Vavá você talvez já tenha netinhos! Igual a Vavá! Mas nem todo mundo se casa, meu amor. Tem gente que namora e casa, tem gente que namora e não casa, tem gente que...
- Mas você casou com o papai!
- É... mas a mamãe casou porque ficou apaixonada pelo papai. A mamãe namorou outros moços e o papai namorou outras moças, mas a mãe ficou muito apaixonada pelo papai e ...
- ... o papai ficou muito apaixonado pela mamãe!
- Foi sim, Ângelo...
Alguns segundos de silêncio e ele meio pensativo completa:
- Mamãe, sabe... a Júlia Prado... ela senta todo dia do meu lado para brincar comigo lá na escola.
- É Ângelo? É porque ela é sua amiga. Ela é legal e acha você legal... porque ela gosta de você, te acha boni...
- Mamãe! Você me ajuda a fazer um cartão para a Júlia Prado?
- Claro, meu amor, claro!

E foi assim que começou.

No cartão, ele e Júlia de mãos dadas, a irmãzinha, Marina, o papai e a mamãe, porque nesta idade ele não consegue se ver - ou se sente na obrigação de se ver - entre a família toda. No mesmo dia em que Ângelo levou um cartão para a Júlia ela também tinha um para ele...

- Mamãe!!! A Júlia Prado também tinha feito um cartão pra mim!

E há uma ou duas semanas eles trocam cartões puros, cheios de carinho. Lindos! Não falam de ser namorados, nem tentam agir como adultos, embora os adultos e também outras crianças as vezes os rotulem como tais.

Agora pouco, quando encontrei este novo cartão da menina Júlia para meu menino meus olhos ficaram marejados. Em dezesseis anos de "namoro" com o pai dele e dez de casados é exatamente isso que sinto. Além de ser ainda minha grande paixão, meu companheiro, o Renato é com certeza meu melhor amigo. Entendi que o Ângelo e a Júlia Prado se descobriram como sendo amigos muito especiais...

E tem algo mais gostoso para se perceber no Dia dos Namorados?

Feliz Dia dos Apaixonados, dos Amigos, dos Companheiros e dos Amantes para vocês todos também!


Comentários

Que coisa mais linda!
As crianças tem a pureza do sentir e isso é grandioso.
Feliz sempre dia dos namorados!
Xeros
Érica disse…
Que fofinho! Ontem eu vi o menino que eu gostava na quarta série, fizemos uma matéria juntos ano passado. Ele está tão feinho coitado, e o pior, mal educado. hahaha Tomara que a Júlia continue bonita para o Ângelo não ter o desprazer de pensar: Como eu gostei dessa pessoa?
Vavá Irene disse…
Ah !Que bom !O ângelo não falou que morre quando tiver a idade da Vavá !! E sim a idade pra começar a namorar ! Fofíssimo este meu neto !!
Beth/Lilás disse…
Soninha,
O Ângelo é um menininho tão sensível!
A quem será que ele puxou, fiquei aqui matutando. hehehehe
Sua conclusão final achei bárbara, pois o namoro ideal é este, quando começa com amizade, cumplicidade, troca de interesses, de mimos, de carinhos, de pensar no outro quando está distante.
Angelinho vai ser um ótimo namorado, mas será que a mamãe dele vai deixar? hehe
Feliz dia dos namorados para ele, para o papai e a mamãe dele!
beijinhos cariocas
Lu Souza Brito disse…
Ooooo que coisinha mais Guti - guti!
Que lindos eles. E isso dele escrever um cartão para ela também, mais fofo ainda. Esta formando um lindo homenzinho hein Somnia.

Eu lembro das cartas que escrevi com 5 anos... (poesias na verdade), kkkkkk. Copiava as cartas da irmã de 10. Olha o tipo:

'Queria que chovesse, uma chva bem fininha
Pra molhar a sua cama e voc~e dormir na minha'.

Ainda bem que nesta idade nem sabia o que significava isso. No maximo que ele ia acordar cheio de xixi, se fosse uma noite fria, ahahahhaah.

Um beijo
Fábio Graner disse…
Olá, Somnia.
Parabéns por ter captado e conseguido expressar tão bem a troca de carinhos dos pequenos.
Os desenhos do Ângelo estão bem guardados, nos tesouros da Ju.
Abraços.
Fábio
Lúcia Soares disse…
Que lindo Sônia!
Que bom que as crianças estão vivendo os momentos de crianças, não de adultos precoces, erotisados, como estão a maioria delas (crianças).
O amor é lindo e só vale assim, cheio de carinho e amizade.
E Júlia é uma menininha de bom gosto, encontrou logo um garotinho como o Ângelo! Sorte deles. E você será uma boa sogra, tenho certeza.
Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que