Pular para o conteúdo principal

A estreita relação entre autenticidade e felicidade

("Desejando paz", My blooming life)

Eu sei que o título deste post está sugerindo uma receitinha auto-ajuda de bolo para ser feliz.
O curioso é que eu tenho uma preocupaçãozinha frequente em não escrever as coisas que penso de maneira autoajudanesca, e tenho consciência do quanto esta é uma preocupação com o que "vão pensar de mim", mas é bem automático mesmo. Normalmente com estes posts eu nem sempre sou bem sucedida em não parecer assim.

No post anterior fiquei com a impressão de que eu não consegui ser muito clara com minhas intenções.

Eu tentei motivar minhas queridas participantes e meu participante do concurso a não se intimidarem em divulgar seus textos para aqueles que connhecem, mas, ao menos pelo teor das respostas, muito atenciosas de vocês, meu post pareceu ter sido sentido mais como uma cobrança. E não era para ser uma cobrança.

Me perdoem se viajei nesta parte, mas escreverei este pensando minha hipótese como verdadeira.

A idéia, minha gente querida, é - ou era - a seguinte: nós (quando digo nós estou pensando em mim mesma e em quem mais se identificar com isso) passamos a vida entre aquilo que desejamos fazer e aquilo que de fato conseguimos fazer. Muitas das coisas com as quais sonhamos ficam distante de se realizar por N motivos. Uma razão comum disso ocorrer é que nós não somos autênticos com nós mesmos e nossos desejos mais íntimos.

Ontem eu pensava apenas o seguinte: se você escreveu o texto para o concurso e deseja ganhá-lo o que mais fará diferença é o fato de você conseguir ser autêntico com isso. Então se quer ganhar o importante é fazer por onde ser lido e apreciado. Até mesmo votado. Se a participação em si já foi algo bom e pra você está encerrado e ponto final, então ser autêntico seria não pedir votos, não escrever posts só para agradar a Somnia Borboleta. Entende?

Não escrevo isso para tentar ser mandona, para conseguir leitores para o blog ou para sei lá o que mais, escrevo simplesmente para partilhar algo no qual acredito e percebi no concurso anterior.

Este meu concurso de textos é muito gostoso! Eu, de fato, adoro!, mas ele é só um concurso de textos no blog. Apesar disso, seria possível tomar a forma como encaramos este pequeno evento como normalmente encaramos as demais coisas de nossas vidas.

O que eu quis refletir com vocês foi um fato (muito subjetivo e pessoal é bom registrar) que tenho constatado cada vez mais depois das sacadas pós Fórum Landmark: ser feliz não depende de algo futuro, não depende de um evento extremamente significante na vida como ganhar na loteria ou conhecer um grande amor da vida. Claro! coisas assim devem ser fantásticas, mas a verdade é que se não estamos sendo autênticos com nossos sentimentos e desejos mais profundos hoje, ou ainda se não tomamos para nós o jogo que estamos jogando na vida numa coisa bobinha que desejamos, nós não seremos quando esses coisas incríveis nos acontecerem.

Talvez meu "erro" tenha sido imaginar que algum de vocês pudesse estar na mesma situação de outros do concurso anterior e ficar tagarelando coisas que acho certas de vocês pensarem. Isso era meu e tentei jogar para vocês. Ou não?

O fato é que eu queria ressaltar é: se hoje eu me traio dizendo "ah! eu não me importo com isso", quando, no fundo, eu me importo, então é um sinal de que eu farei exatamente o mesmo nas grandes ações de minha vida.

Se mesmo não me importando com algo, não desejando fazer aquele algo eu faço mesmo assim porque quero agradar a alguém, porque quero ser boazinha, bonzinho, legalzinho, lembrado eu também não estou sendo autêntico comigo mesmo. O que numa outra instância significa dizer: eu não estou sendo livre. E sem ser livre eu provavelmente não estarei sendo de fato feliz.

Todas essas viagens maionesísticas minhas também tem a ver com o fato de eu ter preparado aulas sobre Jean-Jacques Rousseau esta semana para meus alunos do terceiro ano. Também com minha mania máquina de ser de tentar "salvar todo mundo" o tempo todo. Mesmo quem não pediu para ser salvo! rs... Vejam como tudo fica emaranhado na nossa cabeça...

Creio que essas eram as idéias centrais que estavam na minha mente ontem quando escrevi o texto a vocês. E mesmo quando escrevo agora eu não estou querendo afirmar que algum de vocês está agindo assim ou assado. No fundo eu não sei como vocês pensam, o que sentem e andam fazendo. Entende?

Tudo tem a ver com a ponta de tristeza que julguei alguns sentirem no concurso passado após as votações e ser culpa de uma falta de autenticidade com aquilo que sentiam. E esse é apenas o meu julgamento. Não é a verdade. E obrigada por terem respondido tão prontamente e me feito entender que projetei sobre vocês minhas preocupações com os participantes anteriores.

Isso tudo é só um modo de eu ver as coisas e o qual decidi partilhar com vocês.

Não se sinta, por favor!, coagido, pressionado, sem liberdade para divulgar - ou não divulgar - sua participação no concurso do seu modo. Sinta-se livre! Feliz! Como já estava sentindo ou como for possível sentir!

Tá vendo que auto-ajuda? rs...

Beijos e ótimo feriado para todos vocês!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que