Pular para o conteúdo principal

Qual seu texto preferido no concurso "Uma música, mil lembranças"?

("Fugacidade n. 24: Modelo em brincos", Somnia Carvalho, 2012)
Nosso segundo concurso, "Uma música, mil lembranças", chegou ao final e agora nós queremos saber qual texto mais lhe tocou.

Para votar basta selecionar, do lado direito do blog, seu texto preferido e clicar nele. O sistema permite um único voto por computador.

Os participantes desta segunda versão, por ordem de publicação, foram:

Ricardo Perez, cuja história prova como o amor  é sempre lindo, sempre inspirador e foge a qualquer regra e imposição social. Seu texto "Que sorte a nossa, hein?" parece ter inspirado a maioria dos participantes a falar deste sublime sentimento.

Ingrid K. Lima (do blog "ABBA you are my life") é uma menina de 12 anos quem já entendeu que a vida é aqui e já. O passado está longe demais e o futuro é incerto. Com seu texto "Escorrendo pelos dedos" nos fala de sermos felizes sem desperdiçar o tempo.

Maria Helena Freitas (do blog: "Uma caipira na Suécia") nos fez acreditar que encontros tidos como "impossíveis" acontecem o tempo todo, basta estar atento, basta se lançar ao seu encontro sem medo do inesperado. Seu texto é o "The Story".

Nina Sena (do blog "Entre mãe e filha") falou de um dos amores mais genuínos que se tem notícia: o amor entre avós e netos. A lembrança da infância e sua avó foi pura ternura. O texto é "A história de amor entre Pingo e Laura".

Beth Lilás (do blog "Mãe Gaia") fez a gente rir em sua companhia. Seu "Já sei namorar" é uma prova de que a juventude e a  alegria podem estar sempre presentes se o bom humor também estiver.

Irene Cechetti levou todo mundo a passear pelo lugar onde cresceu. Em seu "Os verdes campos de minha infância" deixou estravazar a saudade do passado e nos leva a reconhecer o quanto somos resultado daquilo que tivemos e também daquilo que perdemos.

Daniela Barbagli, chegou a tempo de lembrar, com o texto "Até mais ver", que entre as melhores coisas da vida é deixar-se divertir e levar pelo desbravamento, pelo som de uma música, pela curiosidade do novo, pelo remelexo de um forró.

Ricardo, Ingrid, Maria Helena, Nina, Lilás, Irene e Dani, vocês entraram de uma forma especial para as minhas memórias e as de outras centenas de pessoas que por aqui passam. Assumi, e imagino que meus leitores também, as músicas aqui trazidas como sendo de vocês! Reconstruí momentos meus tendo em mira os de vocês. Sorri e chorei com suas lembranças.

De novo: obrigada por terem partilhado com a gente histórias tão bonitas!

Como combinado, quem tiver mais votos ganha a tela daquela artista plástica-filósofa-escritora-professora-viajante na maionese, Somnia Carvalho. Espero que o vencedor ou vencedora goste.

A pintura foi feita especialmente para o concurso. Trata-se de uma aquarela (mede 12x16 cm sem a moldura) e faz parte da série "Fugacidade", na qual os conceitos de tempo, beleza, juventude e arte se misturam e sobre a qual você pode ter mais informação neste link aqui.

Espero que seja do agrado de quem vencer!

A votação vai até dia 14 de Junho, quinta-feira, as 23:59, assim, na sexta, dia 15, já sabemos o resultado e abrimos um champagne pra comemorar! Iuhullll!

Vamulá! Vamulá! Vamulá!

Comentários

Beth/Lilás disse…
Soninha,
Tô em falta por aqui, mas quero dizer que não há o que você me peça chorando que eu não faça sorrindo, ou será o contrário? hrehehehe
um beijo grande carioca
Nina disse…
Foi um grande prazer Somnia! adorei participar e ler tanta coisa bonita. E vc foi uma querida com todos os textos enviados. Olha ja votei em mim :-) mas sou sincera o bastante pra dizer, que nem acho que mereco ganhar (apesar de ja ter reservado o lugar pra tela linda que ganharia, kkkkkk), mas usei o outro pc da casa pra votar em outro texto, que achei a coisa mais linda e ja tinha falado que votaria nele :-)

Um beijao!
Carla Rosso disse…
Voto na Nina Sena!
Nubia disse…
Voto na Nina Sena como sempre adoro ler tudo o que ela escreve
chriscba disse…
Que concurso legal este! O pessoal escreve muito bem, mas o meu voto e para a Nina Sena!
bjkkss

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que