Pular para o conteúdo principal

Livres, mas acorrentados: Rosseau para começar o dia


("Halleluja", Molly Sanden)

Já teve manhãs em que você acordou e sentiu, mais do que em qualquer outro dia, uma sensação realmente pulsante lhe dizendo assim: "estou viva!", "estou viva!", "esta é minha vida!"?

Então eu tenho isso com certa frequência, eu devo assumir.

Brincando de ser filósofa, de ser artista e sendo pisciana é fácil eu me sentir arrebatada por alguns momentos e pensar: "Caramba! minha vida é aqui e agora e eu estou vivendo-a!".

Semana passada eu fiz a mesma pergunta para alunos e alunas do terceiro ano do colégio onde dou aula. O tema era Rousseau e como este filósofo francês acreditou que o sentimento, e não a razão, é capaz de nos fazer sentir a verdadeira liberdade.

Para Rosseau nós nascemos livres. Além disso, somos naturalmente bons. Perdemos tanto a bondade natural quanto o sentido de liberdade por conta das imposições sociais, cobrando de nós maneiras adequadas de se relacionar.

Nós somos civilizados, no sentido muito castrador do termo, embora, claro, o filósofo não pense que devamos então voltar à barbárie. A ideia de Jean-Jacques Rousseau é que tenhamos momentos em que nos abandonemos aos mais puros sentimentos humanos. A música, segundo ele, é algo que proporciona  facilmente alguns desses momentos. Por essa razão, Rouseau também compôs uma ópera e escrevia romances. A leitura, a música nos arrebata deste mundo de trivialidades, de artificialismo e aí encontramos o mais puro eu.

Precisamos retornar ao nosso estado de natureza no sentido de deixarmos que os sentimentos nos toquem profundamente. Os sentimentos bons, porque somos bons desde que nascemos. Como lutar então com a imperfeição criada pelo convívio em sociedade? Fazendo a medida e seguindo aquilo que de fato sabemos ser o correto, o bom a fazer e agir. E viver!

Há tanto mais em Rousseau e obviamente a música que trago neste post está longe de ser um clássico ou qualquer coisa assim, mas hoje acordei com Jeff Buckley na cabeça. Acordei cantarolando Hallelluja tão fortemente, tão bregamente, tão sentimentalmente. Acabei encontrando esta versão sueca desta música que gosto tanto e não me contive em compartilhar.

A versão fica menos cool, mas eu simplesmente adoro ouvir sueco. Será que sou a única apaixonada por este idioma?

Então, minha gente brasileira, minha gente sueca, minha gente portuguesa e de tantas outras nacionalidades que passa por aqui e tanta gente a qual conheço através dessa rede, através das fotos incríveis que vejo no instagran todos os dias, desejo a vocês hoje um dia em fantasticamente suave e que você encontre seu mais puro e real eu e não fuja dele... mas se deixe tomar pela sua humanidade.

...

Eu já falei algumas vezes do Fórum Landmark Brasil. Há algumas coisas na vida que não podem esperar como, por exemplo, a gente aprender a viver a vida da gente de forma intensa e perfeita.

Então, aqui vai o último convite para o fórum que começa na próxima semana:

Última Reunião de Introdução antes do Fórum Landmark (22, 23, 24 e 26 de junho) é HOJE, 19/06. Estejam TODOS CONVIDADOS!!!

A VIDA É AGORA, e VOCÊ SÓ TEM ESSA, então APROVEITE-A!!! Tome uma AÇÃO JÁ para ter desempenho em sua vida naquela(s) área(s) que mais te importa(m).

LOCAL: Av. Professor Alfonso Bovero, 1201, conj. 3a - Perdizes
Horário: das 19:30 as 22:30
CONFIRMAR PRESENÇA pelo Tel. (011) 3675-4088.


...

Ótimo dia!

Comentários

Lu Souza Brito disse…
Oi Somnia,

Chegando aqui com atraso, mas devo dizer que há dias que me sinto exatamente assim. E por mais engraçado que possa parecer, hoje mesmo (27/6) tenho refletido bastante sobre alguma das coisas aqui apontadas, incluindo a nossa forma de levar a vida tentando ficar em conformidade com as tais regras da sociedade, o que nos leva a momentos de depressao e insatisfação sem que ao menos percebamos. Em outros caso, parece que temos vidas (nossa vida) que corre paralelamente, uma confusão entre eu sou assim, mas ajo assado, eu gostaria de agir assim, etc.
Vixe, me empolguei, é que o tema é mesmo muto bom. E a musica linda!
Eu acho lindo nao só o sueco, como o frances, o ingles, e o italiano, espanhol...adoro linguas, mas nao me apliquei ainda a aprender nenhuma delas.
Quer me ensinar sueco? rsrsrs
Beijao
Uai gente, tô com saudade de você!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que