Pular para o conteúdo principal

E o vencedor é: "Os verdes campos da minha infância"!


("Os verdes campos da minha terra", Agnaldo Timóteo)

Marmelada no concurso da Borboleta?
A sogra ganhando o concurso com 159 votos?
Nãnãninãnão!

A Irene foi a vencedora do "Uma música, mil lembranças" com o lindo texto "Os verdes campos da minha infância", o qual, aliás, me fez acordar cantarolando Agnaldo "Temóteo" hoje pelas ruas das Perdizes. Sou só eu que choro quando escuto esta música? Verdade! Nem posso lembrar que começo a chorar... Ai ai que saudade do meu paizinho Seu Zé!... ai ai...

Irene, parabéns!!!

Sua história comoveu muita gente e se nem todo mundo chora ao som do "Temóteo" como eu, muita gente adorou ouvir suas lembranças. Tá aí a prova!

O resultado ficou assim:

1o. lugar: 
Irene Cechetti : "Os verdes campos de minha infância" - 46 votos

2o. lugar: 
Daniela Barbagli: "Até mais ver" - 33 votos
3o. lugar:
Nina Sena: "A história de amor entre Pingo e Laura" - 32 votos
4o. lugar: 
Beth Lilás: "Já sei namorar" - 26 votos
5o. lugar:
Ricardo Perez: "Que sorte a nossa, hein?" - 9 votos
6o. lugar:
Maria Helena Freitas: "The Story" - 8 votos
7o. lugar:
Ingrid K. Lima: "Escorrendo pelos dedos" - 5 votos

Parabéns a todos vocês!

Ricks seu texto era demais de lindo, inspirador, corajoso, invejável!
Ingrid eu sempre vou me lembrar de você ao ouvir ABBA, impossível ser ao contrário!
Maria Helena eu continuo me inspirando na sua história e continuo ouvindo "The Story" e pensando em você e seu grande amor!
Nina, foi por pouco amiga! Sua avózinha me emocionou e sua lembrança dela foi comvovente!
Lilasona, sua energia é sempre contagiante, minha amiga! E de novo obrigada por entrar nas minhas maluquices!
Irene, o tempo me fez aprender a vê-la como a pessoa que é, separada do pacote mãe do marido-sogra, porque você é essa pessoa genuína, cujo amor pela sua história e pelos seus supera qualquer outra coisa que você deseje fazer. Te admiro! Parabéns!
Dani, adorei, mesmo!, você ter participado! E não pára nesta porque quem sabe você ainda ganha uma telinha minha e eu posso ter o privilégio de tê-la por aqui!

A ganhadora, Senhôra Irene Cechetti, como prometido, receberá, sem custo algum de envio (hihihi)  a aquarela "Fugacidade n. 25: modelo em cachos e chapéu"da mega blaster Somnia Carvalho. Se preferir, pode também trocá-la pela n. 22 ou pela n. 5.

Já tenho em mente um próximo concurso, porque tô gostando muito desta história toda! O próximo já tem tema e já tem prêmio e devo dizer que vocês vão adorar!


Comentários

Irene disse…
Sônia,gostei muito de participar do concurso.Dani,Nina,Beth,Ricardo,Maria Helena e Ingrid,um grande abraço a todos.Marmelada não houve não! Mas meu fiel companheiro, Pê,se transformou num fiel cabo eleitoral e saiu divulgando e pedindo votos.Se sou a vencedora a culpa é dele!Queria poder dividir o prêmio com vocês!Só participar pra mim, já foi vencer!
Um grande beijo a todos,vencedores!
Beth/Lilás disse…
Que legal! Fico contente da Irene ter ganhado o prêmio, seu texto foi lindo e profundamente cheio de romantismo e lembranças que, até em mim, fez efeito. O Timóteo é da terrinha de minha mãe e ela adoooorava esta música, talvez por ele ser seu conterrâneo apenas.
Parabéns Irene, você merece!
Mas, eu queria taaaaaaaaaanto aquele prêmio! (ler com cara de choro) hehehehhe
beijinhos cariocas, brabuleta querida
Lúcia Soares disse…
Parabéns à Irene, é mesmo linda sua história de lembranças que nos acompanham a vida toda.
Todo mundo merecia ganhar, né? Afinal tudo que nos sai do coração não tem preço.
Beijo, Sonia, e outro para a sogrita.
Maria Helena disse…
Oi Somnia!
Quero deixar os parabens pra Irene e para todos os participantes do concurso! Foi muito legal conhecer as lembrancas de cada um.
Me sinto vencedora tambem porque deixei de preguica, juntei coragem e escrevi!
Beijos
Nina disse…
Aê Irene, ganhou ne bichinha?! po!!esse Pê é um filodumamae, ahahahahha, se ele nao tivesse se metido, eu poderia ter ganho, po Pe! caraca!!! :-)

ahahaha, nao leva a serio nao heim Irene e Pê, eu to brincando, no penultimo dia ja tinha desistido de ganhar :-) quem mandou nao ser tao engajada e so ter amigo pobre, sem computador ne? kkkkkk

Parabes Irene, eu tbm curti teu texto, logo eu que sou uma apaixonada da infancia da gente.
Curta ai sua linda tela e manda uma foto pra Somnia pra gente poder ver como ficou aquela belezura na sua parede :-)
Mas nao manda foto do Pe junto nao, heim, to com raiva dele :-)


Bjs pra todos que participaram e especialmente pra ti Somnia,que incentivou a gente a colocar as emocoes pra fora.
Irene disse…
Oi, Nina!É verdade,o Pê prometeu até uma torta de banana, que eu faço pro pessoal do escritório ! Ele pegou pesado ! Agora estão cobrando vê se pode ? Saiu comprando votos , fiquei triste ! Mas ele é assim mesmo.Não posso falar e nem pensar em qualquer coisa que ele já quer ir buscar,comprar não importa hora e nem lugar ! É assim !!!
Beijão Nina ! Mando fotos !
Irene disse…
Oi, Nina!É verdade,o Pê prometeu até uma torta de banana, que eu faço pro pessoal do escritório ! Ele pegou pesado ! Agora estão cobrando vê se pode ? Saiu comprando votos , fiquei triste ! Mas ele é assim mesmo.Não posso falar e nem pensar em qualquer coisa que ele já quer ir buscar,comprar não importa hora e nem lugar ! É assim !!!
Beijão Nina ! Mando fotos !

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que