Pular para o conteúdo principal

"Qui m´importa, qui m´importa, o seu preconceito qui m´importa"

(Benjamin, mãe sueca e pai africano, Samuel, mãe sueca e pai inglês, Ângelo, nascido na Suécia com pais brasileiros e Henrik, mãe e pai suecos, Malmö, 2010)


Faltam 11 dias para minha mudança e as coisas aqui estão corridas, mas eu quis parar e fazer um link com o post da super Lilás de hoje, sobre como ela ouve nossos sotaques mesmo na escrita e como isso cria uma ligação com cada pessoa.

Esses dias eu vinha falando exatamente de como a Suécia me deixou curada ao menos de uma coisa: vergonha do meu sotaque caipira do interiorrr.

Juro!

Provavelmente resultado da convivência com gente de todo canto do mundo e com quem aprendi a falar em inglês ou sueco - carregado de sotaque dos dois lados - e que tinha um modo diferente de falar até mesmo de seus conterrâneos, dependendo da região de onde vinha.

Lembro sempre das aulas de sueco, onde as professoras adoravam enfatizar que aprendíamos era o sueco oficial, de Estocolmo, porque o do sul, de Malmö e da Skåne toda, era muito forçado e, na opinião de muitos, horrível!

Bom, Ângelo falava sueco fluente e falava com sotaque do pessoar do sul. Aprendeu sueco sozinho, perfeito, só de ouvir a criançadinha e as professoras na escola falarem o dia todo. Como não se orgulhar do sotaque aprendido por ele e do sotaque que vinha das pessoas mais amigas e queridas?

O meu sueco ficou menos skönska, mas eu nunca consegui repetir os sons como Ângelo fazia, já que carregava meu português e ele vinha zerado na cabeça.

Não existe sotaque certo. Outra coisa é preconceito. Se aprendo portugues em São Paulo vou aprender português paulista, mas com tantas peculiaridades das regiões brasileiras é meio ridículo dizer que este é o sotaque correto.

Nasci numa cidadezinha chamada Pedrinhas Paulistas, uma cidadezinha para onde nunca voltei. Fui criada em Sumaré, perrrto de Campinas e depois vivi em Campinas, onde conheci Renato.

A chegada em São Paulo e o sotaque de nariz empinado dos paulistanos cujo "r" é pronunciado assim ére, não érre, me intimidava, inclusive porque meus alunos dos cursinhos tiravam umas com minha cara. Eu curtia, mas na verrrdade tentava imitar um pouco o r paulistano. E não conseguia, claro!

Então me dei conta na volta como isso não me incomoda mais. Como me sinto super orgulhosa de vir do interior, de ter trepado em árvore todo dia no quintal de casa, de ter viajado o mundo e voltado... Coisas assim. Orgulho do que sou. E o sotaque é tão nós mesmos que ninguém no mundo deveria ter vergonha de manter o seu nem precisaria passar tanto tempo fora para entender este valor.

Tô feliz que agora seja assim e tô é cantando junto com o Renato Teixeira "Qui m´importa... qui m´importa..."

E o seu sotaque como é?



Comentários

Lu Souza Brito disse…
Vixe Somnia,

Meu sotaque é um horror de tão misturado, ahaha.
Sou mineira, cresci no litoral norte de São Paulo convivendo com nordestinos e agora com cariocas, ahahah.
Fico 1 dia com uma pessoa de outro estado e pronto, já consigo falar quase igual. Maaaassss, a gente não nega as raizes e mesmo falando "meeeeeeu", e outros sotaques paulistanos, saindo um Vixi ou ôxe de vez em quando, quem fala comigo a primeira vez vai logo adiantando: Você é mineirinha né????
Não tenho vergonha dos meus sotaques não, uai!
Priscila disse…
Oi Somnia! meu nome é priscila e sou do interior de São paulo, minha cidade se chama Lorena pertinho de Aparecida do Norte e aqui o sotaque é bem carregado de interior, sabe tipo, porrrrrrrta!!! kkk é assim mesmo.
Sabe eu gosto muito do seu blog, sempre venho aqui pra ler coisas sobre a Suécia, desde que fui surpreendida pela noticia de que iremos mudar pra lá, pois o meu marido sera transferido pra fábrica de lá... fiquei louca, pois só sabia onde ficava a Suécia por causa das aulas de geografia do colégio,kkkk. Então seu blog me ajuda muito a me encorajar e tbm a conhecer algumas coisas sobre esse pais que é totalmente novo pra mim. Acho que vc deve saber como me sinto pois vc ja passou por isso de mudança!!!!! largar tudo pra ir com o marido, pois é eu ja até sai do meu emprego e por enquanto ainda estou me sentindo perdida, pois nunca fiquei sem trabalhar, e ainda pior eu não falo inglês, que dirá o sueco vou ficar doida, estou fazendo aulas, um intensivão mesmo, pra ver se me ajuda um pouco!!!! Se puder continuar me ajudando será ótimo! abraços!!!
Beth/Lilás disse…
Que foto mais emblemática essa, amiga!
E teu lindo filhote é um poliglota tão pequenino ainda.
Quanto a você, quero só ouvir um dia essa tal porrrrrrrta. Juro que não vou rir. kkkkkkkkkkkkkk
Enquanto isso, meu sotaque carioquês está bem mais dosado, ando me policiando para não ficar metida a bessssta! kkkk
Adorei seu post em conjunção com o meu!
bjs cariocas
Lúcia Soares disse…
Sônia, o sotaque mineiro é muito bom! rsrsr
A gente pensa que não o tem muito acentuado, mas quando converso com primos capixabas e amigos do sul do Brasil, eles riem de mim! rsrsr
Mas adoro meu sotque mineirim, de engolir final de palavra, mas não com o exagero das anetodas.
Beijos!
(Manda seu e-mail de novo? O que lhe mando mensagens vc não tem recebido. bj)
luciahsf@oi.com.br
Mari disse…
Bom, é clarrrrrro que meu sotaque é aquele super paulistano, rs... É engraçado isso... eu te conheço há tanto tempo e nunca ouvi a sua voz e acho que nem vc a minha, rs, rs, rs. Alem do ere eu ainda falo com aquele S prolongado sssssssonia, rs.
Mas meus pais são de São José do Rio Preto e apesar de sempre ter morado em Sâo Paulo, eu ia muito pra lá e rapidinho pegava o sotaque. Sempre adorei "saber falar os dois"... e agora, falando inglês, acho que este sotaque do interior é uma grande vantagem...

Agora que paulistano é besta, há isso é mesmo: nós adoramos acreditar que quem tem sotaque são os outros, rs...

bjs

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que