Pular para o conteúdo principal

O valor do dinheiro numa sociedade piramidal ou Brasil: em se pagando tudo dá!

(Teste grátis de idiotice: 5 dólares)

Ontem passou aqui em casa o quarto encanador, desde que voltei, para ver um probleminha básico de registro quebrado. Todos os anteriores desistiram porque o serviço era simples demais e eles obviamente estavam sempre bastante ocupados.

O senhor de ontem, quem achei na lista telefônica, veio, falou muito e tratou tudo com muito profissionalismo. Era algo simples mesmo, afirmou, e ele faria tudo em, no máximo, uma hora de trabalho.

Antes, porém, dele abrir a porta e só voltar na segunda-feira para resolver o servicinho simples perguntei quanto aquilo me custaria, ao que o senhor falante respondeu com ar seguro, como quem me dava uma informação conhecida por todos, como sei lá "O mar é feito de água":

- A senhora me paga 560 reais e tá tudo certo.

Ah tá bom... tá bom?, pensei tentando reproduzir a fala do homem na minha cabeça. Será que ele disse quinhentos e sessenta reais? Quinhentos em português significa um cinco e dois zeros... peraí! Esse velho tá tentando me enganar? Ele tá lendo na minha testa algo como "otária"? Deve ser isso...

Bom, dispensei o tal encanador e fiquei de dar resposta pelo telefone, só para me livrar dele. Nem mesmo tentei pechinchar, já que ele estava a tagarelar para fazer outros serviços há uns quarenta minutos... Eu, com Marina no colo choramingando com sono, Ângelo deitado no sofá, todo cansado e o homem deve ter pensado que se tratava da estúpida dona de casa que não entendia de bulhufas de nada e ele podia então brincar de ganhar dinheiro nas minhas costas.

O serviço de um encanador não deve valer pelo que é? Claro que sim! Bem como o de professora, veterinária, pedreiro, costureira, motorista...

Eu acredito que a proposta deste encanador não é nada fora do comum. Provavelmente muita gente pague por isso, este tanto e mais...

Vejo, porém, desde que voltei a viver no Brasil, o quanto todo serviço, toda ajuda oferecida por algum brasileiro suuuper gente boa, porque brasileiro adora ajudar, vocês sabem não é? Tem sempre um valor econômico por trás. Descobri rápido que o porteiro amigo, oferecendo ajuda o tempo todo tinha um custo alto. Para cada indicação de um outro profissional ele queria uma gorjeta do tipo 30 reais...

Ele faz seu papel porque tem gente que faz outros.

Se na Suécia a cultura do faça-tudo-você-mesmo levava nossos amigos a construírem suas próprias casas, assentar o chão, pintar, fazer a mudança etc porque qualquer trabalho desses era muito caro aqui, mesmo sendo caro, se não se é pobre de marré de si a gente paga. E paga porque tem uma cultura do pague para qualquer outro fazer tudo por você.

Pagamos a babá para cuidar dos filhos por quem damos a vida, a faxineira para limpar nossa casa querida, a empregada para manter o lar arrumado, o jardineiro para cuidar das nossas plantinhas favoritas, o manobrista para levar o carro dessa quadra até aquela, o motoboy para trazer a pizza, a manicure, a pedicure, o cabelereiro e a depiladora para nos manter arrumadinhas, o faxineiro do prédio para pegar o lixo nas escadas, o pintor, o zelador, o manobrista, o frentista de posto, o cobrador de ônibus, o carregador de mudanças...

É tanta gente! É uma equipe tão grande que trabalha a nosso favor para digamos assim "facilitar" nossa vida corrida, de moradores das grandes metrópoles para que curtamos mais a vida e o "tempo livre" que somos obrigados a trabalhar até mais tarde e fazer umas horas extras, um bico aqui, outro ali. Precisamos pagar tudo em suaves e eternas prestações para manter o padrão de vida de quem vive num país onde as coisas são ditas "muito mais fáceis de se fazer" do que em países como a Suécia, onde todas as atividades, citadas no parágrafo anterior, ou não existem ou são executadas quase sempre pela própria pessoa.

Então, ontem, quando o senhorzinho foi todo saltitante, todo pimpolho achando que tinha arrancado quase um salário mínimo de moá por 60 minutos de trabalho eu fiquei muito pê da vida. Mal sabia ele que por trás da pele de dona de casa carneirinha com cara de incompetente ou sexo frágil tinha uma fera não domesticada. Que o apartamento atual da fera foi ela mesma que, sozinha, pintou, reformou, arrumou, pendurou coisas, etc.

Agora entendo porque a Suécia não me pareceu um bicho de sete cabeças. Foi porque, lá no fundo, eu já vivia uma cultura particular de fazer eu mesma tudo o que desse. Acho que ter participado de dois níveis da pirâmide brasileira já dá à gente visão de mundo um pouquinho diferente. Nem somos os apenas executadores que rezam para ganhar na Mega Sena e nunca mais ter que fazer nada eles mesmos e não somos os mero contratantes quem estão apenas tentando se livrar o tempo todo do fardo que a própria vida cool lhes coloca.

Agora deixa eu comer umas vovózinhas porque eu esta conversa toda me deu uma fome...


Comentários

Mas e aí??? Quem vai arrumar a porra do registro quebrado??? Eu que não vou ajudar o renato.... hahahahaha
[]'s e Bjos pra family!
Somnia disse…
hahahaha... gus voce me faz rir! poucos sao os seus comentarios e eles sao sempre otemos!

entao, tava pensando de pagar uma passagem pra voce vir de tokyo e ajudar a gente com o encanamento e a mudanca... hihi

A porra do encanamento vai ser arrumado por outro encanador que vira hoje e que me disseram dar um preco decente!

eu pensei, meu! tem gente que ganha 500 reais por mes, fazendo faxina, como vendedores etc... dai lembrei... mas tem gente que estudou direito, jornalismo etc e ganha 700 reais por mes em algum escritorio... dai lembrei o quanto eu ganhava nas aulas... tive que fazer um baita esforco pra lembrar o quanto e 600 pilas no brasil e juro! fiquei horrorizada!
Lu Souza Brito disse…
Nossa Sônia, que roubo isso! Cara de pau desse tiozinho não?
Tomara que o outro que está oferecendo seja ao menos justo né?
Beth/Lilás disse…
Brabuleta, idiota tu não tem nada, assim como, quando é assim digo tchau e 'bença'!
Fala sério, 1 hora de trabalho do tal encanador custa isso tudo?! Tô indo agora pro Senai fazer um curso de encanadora. Faço baratinho pra ti depois, tá. Que tal só quinhentinho?!
Um descontão pow!
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Também,num país que um cara mata e esfola, vai preso e se tiver filho ganha um salário nababesco de 810,00 reais para sustentar seu filhote, o que queremos mais?

E eu acho engraçado ainda quando aparece alguém dizendo que este é o melhor país pra se morar, que o povo é maravilhoso, blá blá blá.
Fica fria! E vá se acostumando porque estes 'pobrezinhos' de hoje não são nada coitados, pelo contrário, são 'ixpertos' demais.
bjs cariocas
Lúcia Soares disse…
Ai, Sônia, também não pagaria! E acho que a maioria das pessoas não faz ela mesma esse tipo de serviço por não se sentirem capazes.
Porque quem sabe e se garante, faz. Tenho um irmão que faz tudo que uma casa precisa, aprendeu sozinho, fazendo. Raramente paga.
Aqui como na Suécia, ou pagamos ou fazemos nós mesmos.
Só que nos acostumamos mal, pois antes era um serviço barato e hoje ele é caro. Mas daí a abusar, nem pensar!
Beijo!
Marcela Orsini disse…
Adorei a reflexao. Uma vez vi uma reportagem de um artista de rua de santa tereza dizendo que o rico tem medo de pobre porque depende dele. Pra cortar a grama, pra consertar o carro, pra cuidar das criancas... Pois ele nao conhece os ricos suecos! rsrs
Ou noruegos :p
Bjinhos da Marcelildes

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que