Pular para o conteúdo principal

Retrospectiva 120 anos Anita Malfatti: ajudando o Brasil a ter memória

(Anita Malfatti, "Homem Amarelo", 1915-6)

Meu dia começou bem: recebi um email da Luzia Portinari Greggio, curadora e organizadora da atual retrospectiva sobre Anita Malfatti que está acontecendo no CCBB de Brasília.

Nos anos que fiquei como rata de arquivo no IEB da Usp, Instituto que reúne um acervo pessoal riquíssimo sobre muitos dos intelectuais e modernistas brasileiros, eu li e escrevi o nome de Luzia dezenas e dezenas de vezes.

Luzia Portinari Greggio é autora do livro "Tomei a liberdade de pintar a meu modo", sobre Anita Malfatti e também de um documentário com o nome da artista.

Entre os anos de 2003 e 2007 eu anotava, lia os catálogos de antigas exposições sobre Anita e passava horas analisando algumas obras de acervos pessoais que nunca pude ver pessoalmente para comparar com aquelas que pude ver ao vivo. A verdade é que esse é o primeiro feed back que recebo sobre minha tese (vejam que trabalho intelectual é algo que demora para render!). A mesma Luzia que eu lia nos catálogos me disse ter lido minha tese (que conheceu através do Borboleta) e que vai me enviar o catálogo da exposição.

Para uma pesquisadora é bom demais.


(Anita Malfatti, "O farol", 1915)

Nessa retrospectiva que celebra os 120 anos do nascimento de Anita Malfatti, Luzia Greggio reuniu 120 obras da artista envolvendo seus diferentes períodos estilísticos, algumas das quais eu não conheci pessoalmente. Desde as primeiras obras, antes de Anita ir estudar na Alemanha, passando pelo seu período mais próximo do impressonismo e expressionismo até sua volta ao Brasil e suas telas quase primitivas.

Trazer à tona o nome de Anita Malfatti e sua importância para o movimento modernista e a pintura do Brasil é louvável.


(Anita Malfatti em Veneza, na década de 10, Acervo: MAC-USP)

Você consegue imaginar como sendo quase esquecida uma mulher nascida em 1889, com atrofia congênita no braço direito, tendo tudo para ser apenas a mulher e a coitadinha que esperavam que ela fosse naqueles anos, buscar formação artística na Europa, depois nos Estados Unidos, voltar ao Brasil com telas que fizeram pensar os intelectuais da época e impulsionar a Semana de Arte Moderna?

Uma pintora que com exposições em Paris, na Alemanha e na América, aluna, colega e amiga de grandes artistas consagrados no mundo e no Brasil voltasse ao seu país e aqui fosse tratada, em sua época e depois dela, apenas como a pobrezinha que teve medo e regrediu à pintura acadêmica?


(Anita Malfatti, "Estudo para a Boba", 1915-16)

Eu não, porque arte e história ensina para a gente sobre o que somos e quem podemos ser e é que os países desenvolvidos nos ensinam com os museus que guardam sua memória. Pintura e poesia são outro jeito de contar como pensaram nossos antepassados, como chegamos a pensar o que pensamos. Fazer arte é um jeito de refletir, criticar e movimentar não só a arte, mas a política, a cultura e a sociedade do tempo na qual se está inserido. Ajuda, entre outras milhares de coisas, a pensar, por exemplo, o que uma tela da Anita do início do século 20 e uma instalação de uma artista de meados do 21 podem ter em comum.

Por essas e muitas outras razões que a mostra de Brasília (eu sei Brasília é longe!) é imperdível e eu, infelizmente, a perderei, porque Malmoeee está um bucadinho só mais longe!

Se você tem oportunidade de visitar (a entrada é gratuita!) não perca! Eu sei que nem todos vocês estão próximo de Brasília (embora nada no Brasil seja perto de nada mesmo!) mas se tiverem vale muito a pena conhecer um pouco melhor quem foi Anita Malfatti, quem na opinião de Greggio foi a pioneira das artes modernas no Brasil, e quem na minha está longe, muito longe de ser ainda conhecida não só do público leigo, mas também de muitos especialistas de arte que acreditam entender muito de Anita, apesar de tomarem apenas um curtíssimo período de produção da pintora.


(Anita Malfatti, "O Batizado", década de 40 e 50)


(...) Os historiadores do Modernismo, quando rotulam grosso modo a produção da
artista, acabam por designar com o termo “clássico” praticamente toda a sua obra que não
sejam as produções da Alemanha e dos Estados Unidos. Cremos que essa controvérsia
poderia ser substituída por uma outra indagação: como o moderno permanece na obra de
Anita Malfatti? Como Anita reconstrói esse moderno a partir de uma mélange de estilos e
gêneros? Por que o moderno é um conceito que, pela sua amplitude, não dá conta de, ou borra,
as especificidades dele próprio? Como Malfatti, ela mesma, se mantém em um espírito
moderno, ainda que em meio às produções consideradas mais conservadoras do período de
“retorno à ordem” dos anos 20? E, ainda mais instigante, por que, opondo-se ao passado, a
artista experimenta uma arte primitiva no final dos anos 40 e durante os anos 50?"

("A controversa pintura de Anita Malfatti", Sônia Maria de Carvalho Pinto, USP, 2007)


Essas são algumas das perguntas que me fiz e tentei responder em minha tese de doutorado. Para quem for na exposição, pode tentar conferir as respostas enquanto aprecia as telas.

E se você for não deixe de me dizer o que achou!


(Anita Malfatti com suas alunas em seu ateliê, MAC-USP)


Retrospectiva Anita Malfatti – 120 anos

De 23 de fevereiro a 25 de abril de 2010
CCBB Brasília – Galerias 1 e 2
De terça a domingo, das 9h às 21h
SCES, Trecho 02, lote 22

Tel: 3310-7087
Entrada da gratuita
Classificação livre
Fonte: CCBB Brasília

Comentários

Anônimo disse…
Lindíssimo esse 'O Batizado'! E obrigada por me tirar da ignorância. O que sabia sobre ela era bem mais superficial, e por causa da semana de 22, que estudamos sobre no curso de arquitetura. São pessoas (mulheres, por que não?) como ela que fazem a diferenca, que vão atrás e não se abatem pelo que dizem os outros, porque sabem que tem muito mais valor.
Cláudia disse…
Puxa como eu queria ter visto. Eu li sobre ela e me emociono, toda vez que eu vejo uma pintura dela, lembro de sua história. Não pelo defeito em sua mão direita, isso não foi problema, mas sim pelas críticas negativas que ela recebeu, e principalmente da família. Ela podia ter desistido, mas tentou sempre. Eu preciso dessa garra... ela me inspira... Você tem fotos desse dia?

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que