Pular para o conteúdo principal

Diálogos inesquecíveis com Ângelo, introdução

(Ângelo comendo todo o chantilly do bolo na festa do amigo Iven, Malmö, junho de 2009)

Em tantos momentos desses dois anos de vida do Ângelo eu me peguei pensando em tudo que ainda vou sentir saudade um dia.

Eu sei disso. Tenho absoluta certeza do quanto desejarei ter suas mãozinhas nas minhas, sentir seu cheirinho quando me abraça e ouvir de novo sua voz pequena e carinhosa. De sua risada, então, eu vou morrer de saudade!

De tantas coisas que vivemos até agora, uma das que me deixa mais bá! babando mesmo, rindo sozinha e pensando: "como ele pode?, só tem dois anos!" é o jeito que ele vem aprendendo a falar. 

Como começou a falar bem cedo (desde os dez meses falava mámma, não), ele aprendeu rapidinho a juntar muitas palavras no português e também do sueco. De vez em quando faz um mix total dos dois e a gente morre de rir, apesar de eu tentar forçá-lo a se comunicar só em português comigo.


(As mil caras do Dr. Ângelo, festa do Iven, Malmö, junho de 2009)

Essa saudade desses momentos e daqueles que ainda estão por vir me fez pensar que escrever alguns desses diálogos me ajudaria a manter na "memória", me ajudaria a salvar essa parte que me parece que um dia se perderá. Tudo que vivemos até agora, que vivemos nessa Suécia, as pessoas que conhecemos e com quem vivemos, os outros apês e esse lugar em frente ao mar, os dias de verão e os de inverno, em que rolamos juntos na cama de manhã, não serão lembrados conscientemente por ele. Eu já tenho saudade do futuro...

Então espero criar essa sessãozinha, com posts curtinhos, sobre esses diálogos... e poder contar parece um jeito de que algo que seja tão importante pra mim não passe sem ser notado... Que a vida e o jeito que esse menininho cresce e o quanto eu amo cada coisinha que acontece com ele não se perca nos anos.

Comentários

Maariah disse…
Olá Somnia. A segunda foto está muito gira, mesmo.

Acompanho muitos blogs brasileiros, e dou por mim a ler "ouvindo" na minha cabeça o sotaque brasileiro. Deixa-me dizer que sou da região em Portugal que dizem ter mais afinidades linguísticas com o português do brasil. Mas são giras estas diferenças e é engraçado porque vejo muitos brasileiros a dizerem o mesmo, a gostarem do sotaque.
Beth/Lilás disse…
Somnia, querida!
Faz muito bem em escrever aqui todas essas passagens deliciosas, pois a gente acaba esquecendo muita coisa, lembramo-nos somente de que houve este tempo bom e tão precioso.
Teu Angelinho é luminoso, alegre e deve ter muitas histórinhas contentes ligadas a ele, por isso não deixe de registrá-las.
Eu, vivo das lembranças do meu que já de repente virou um homem, mas vc poderá ver lá no blog ontem e hoje como ele era assim um menininho ainda há bem pouco tempo. Pena que não existia internet ainda na minha vida!
beijinhos cariocas.com
Luciana disse…
Somnia, cresce rápido demais.
Deu saudades até em mim lendo isso.
Linda as fotos.
Beijo
Somnia Carvalho disse…
Hej Mariahh! engracado isso ne!

eu ate dou uma de chata... todo portugues ou portuguesa que conheco eu falo que amo o sotaque que eles me lembram minhas amigas antigas...bla bla.. coitados!

lendo la seu pedaco eu sinto ainda mais o sotaque gostoso! rs...
Somnia Carvalho disse…
Lilas, voce que me diga nao!

eu so fico imaginando quando for o mesmo que e com voce agora!

eu falei de escrever e escrevi na cabeca uns dez, mas nao sentei e fiz! o vida atarefada essa!
Somnia Carvalho disse…
Lu, cresce que nem plantacao!!! rapido demais mesmo!
BLOG DA BIA disse…
Nossa, que coisa gostosa!
Estou mesmo bastante emocionada lendo essa 'seção' de Diálogos...
Amar é bom demais, e esses pequenos são tão puros, que transbordam o amor. Acho que ainda não inventaram uma palavra pra isso... por isso é que dizemos "amor de mãe!"
Cheguei aqui pelo MMqD! Gostei de conhecer melhor esse espaço! Grata! :)

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que